quinta-feira, 21 de setembro de 2017

ARNALDO JABOR: NÃO ATAQUE TODAS AS DEMOCRACIAS DO PLANETA TERRA!


 COLOCAR A DITADURA ISLÂMICA DO IRÃ COMO REPRESENTANTE DE 3.000 ANOS DE CULTURA PERSA FOI RIDÍCULO ARNALDO JABOR ...

RECORDANDO TAMBÉM QUE MESMO A TRAJETÓRIA ÁS VEZES PERSA DOS TRÊS MILÊNIOS NÃO É ATRAENTE PARA O BEM-ESTAR CONQUISTADO POR BILHARES DE SERES HUMANOS...

UM IRÃ QUE DECLARA VARRER UM ESTADO JUDEU DEMOCRATA DO MAPA É UMA ABERRAÇÃO PARA QUALQUER PESSOA EQUILIBRADA...

UMA CORÉIA DO NORTE IDÊNTICA A ESTE IRÃ JAMAIS SERÁ IMPEDIDA POR ESTE DE SEUS ATOS ATÔMICOS...

TRUMP AINDA É UM ASSUNTO LONGE DA INTELIGÊNCIA EXIBIDA NA REDE GLOBO E POR SEUS ESQUISITOS JORNALISTAS DE PERFIL NEURÓTICO, ANTISSEMITA E POPULISTA.





EXCELENTE SÃO AS ALIANÇAS ENTRE ISRAEL E PARCEIROS INTERNACIONAIS. O IRÃ DEVE SER DETIDO EM TODAS AS FRENTES QUE ATUA, SEU POVO LIBERTO DOS AIATOLÁS ASSIM COMO A CORÉIA DO NORTE TAMBÉM NÃO PODE FICAR LANÇANDO MÍSSEIS SOBRE O JAPÃO - ALIADO NORTE-AMERICANO -, AMEAÇANDO A CORÉIA DO SUL DE ERRADICAÇÃO. SE OS EUA SERÃO SÉRIOS COM ISRAEL DEVEM ESTIMAR TAMBÉM A CONFIANÇA DE SEUS ALIADOS ORIENTAIS.


http://noticias.r7.com/internacional/primeira-base-fixa-dos-eua-em-israel-reforca-protecao-contra-misseis-21092017

Primeira base fixa dos EUA em Israel reforça proteção contra mísseis

Aliança estratégica visa também combater possível ameaça iraniana

Trump e Netanyahu se cumprimentam na sede da ONU
Trump e Netanyahu se cumprimentam na sede da ONUReuters
A abertura da primeira base permanente do Exército dos Estados Unidos em Israel, no início desta semana, mostra que o governo israelense quer iniciar o novo ano judaico, comemorado entre a noite da última quarta-feira (20) e sexta-feira (22), com planos de incrementar ainda mais o sistema de proteção do país.
Depois de dois anos de preparação, a aliança entre ambos os países, com isso, ficou ainda mais fortalecida, em um momento no qual o Estado Islâmico ainda alimenta esperanças de atacar Israel.
O Irã, considerado uma ameaça, por sua vez, novamente voltou a ser o foco das atenções, após o presidente Donald Trump, na última reunião da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, chamar de "vergonhoso" o acordo da comunidade internacional com o país, relativo ao não desenvolvimento de armamento nuclear. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, também participou do evento. 
Conforme informou o The Jerusalem Post, a parceria entre Israel e Estados Unidos é antiga. Ambos trabalharam juntos para desenvolver vários sistemas de defesa contra mísseis, incluindo o Iron Dome, que é um dos programas conjuntos entre os dois. Os trabalhos em parceria também deverão reforçar esse sistema de proteção aérea. Para o especialista em gestão de crises, o argentino Danilo Gelman, do World Jewish Congress (Congresso Mundial Judaico), a chegada do contingente americano ocorre em um momento em que tensões ameaçam retornar à região.
— Sempre que Estados democráticos como Israel e Estados Unidos entram em um acordo com qualquer outro Estado democrático é importante. A tendência da proliferação do terrorismo ameaça as democracias ocidentais, que estão se unindo para atuar em conjunto em uma resposta a esses movimentos.
Segundo o General-brigadeiro Zvika Haimovich afirmou ao jornal israelense, a implantação da base "representa a parceria de longa data, o compromisso estratégico entre os exércitos e os militares de nossos países e acrescenta outra camada à segurança do Estado de Israel na defesa das ameaças de foguete ou ataque de mísseis ".
Para o professor Peterson Silva, de Relações Internacionais das Faculdades Integradas Rio Branco, Trump está se deparando com uma realidade que o tem impedido de seguir seu discurso inicial, no qual dizia que os americanos e as questões internas do país seriam prioridade.
— A pressão da realidade já mostra que os interesses dos aliados fazem com que ele se sinta impelido a apoiar Israel e interferir na questão da Síria, como vimos recentemente.
Dupla utilidade
Não foi revelado se as dezenas de soldados americanos irão participar de operações de defesa ao lado dos israelenses. Mas a implementação da base, que ficará na Escola de Defesa Aérea e será operada com equipamentos dos próprios americanos, é útil para ambos os países, segundo Silva.
— Para Israel significa o apoio diante de uma ameaça nuclear que o país vê no Irã, e para os EUA significa um reforço aos aliados, o apoio a um país com força militar, que possui de algum modo um alinhamento com algumas posições do Trump.
Silva completa que, passados alguns meses de governo de Donald Trump, algumas cartas começam a ser colocadas na mesa, revelando as diretrizes da atual política externa americana.
— Duas grandes frentes de atuação já podem ser vistas. A primeira, com o discurso agressivo contra a Coreia do Norte, aponta para esta região da Ásia. E a segunda frente, que começa a ganhar mais força é a do Irã, também citado no discurso. A notícia da base em Israel tem relação com a ideia de reforçar essa aliança geopolítica, fortalecendo a presença dos Estados Unidos no Oriente Médio e a ligação com um parceiro tão importante para o país como Israel.

William Tyndale – Uma História que Todo.. Leitor da Bíblia e suas Traduções deve Conhecer



Resultado de imagem para iehouah



http://www.decoracaoacoracao.com.br/2013/05/william-tyndale-%E2%80%93-uma-historia-que-todo-cristao-deve-conhecer/



William Tyndale – Uma História que Todo Cristão Deve Conhecer

Depois que Alexandre, o Grande, devastou o Oriente Próximo, constituindo seu gigantesco Império, o grego tornou-se a língua dominante. No século III a.C. uma tradução grega das Escrituras Judaicas foi empreendida, e ficou conhecida como Septuaginta. Todos os livros das Escrituras Judaicas foram incluídos na Septuaginta, além de vários livros que seriam mais tarde excluídos do cânon protestante – a coleção autorizada de escritos sagrados – que foram denominados de livros apócrifos.
No século IV o latim havia substituído o grego como língua oficial do Império Romano, e surgiu então a necessidade de se ter uma Bíblia em latim. Um monge italiano de nome Jerônimo aceitou o desafio e produziu a tradução que se tornou conhecida com Vulgata, porque foi escrita em latim vulgar. Jerônimo traduziu a maior parte do Antigo Testamento a partir dos antigos textos hebraicos, em vez de trabalhar a partir da versão grega da Septuaginta, que tinha sido usada pelos cristãos desde o princípio. A Vulgata foi publicada cerca de 400 d.C., poucos anos depois de Teodósio I ter feito do cristianismo a religião oficial do Império Romano, no ano 391, e tornou-se  a versão dominante no cristianismo da Idade Média.
Durante a Idade Média a tradução, sobretudo do Antigo Testamento, foi desencorajada. O papa Inocêncio III, em 1199, proibiu versões da Bíblia sem autorização, como uma reação contra as heresias do Catarismo e dos Valdenses, e os sínodos de Toulouse e de Tarragona (1234) proibiram a posse de tais escritos.
William Tyndale, nascido em 1484 e morto em 1536, foi um acadêmico e sacerdote inglês formado mestre em Artes na Universidade de Oxford, que traduziu a Bíblia para uma versão inicial do moderno inglês. Contemporâneo e amigo de Lutero, muitos o colocam como pré-reformador, mas é inegável que ele teve uma grande participação de maneira direta na Reforma Protestante.
Tyndale nasceu em um local próximo à fronteira do país de Gales. Foi criado desde sua infância na Universidade de Oxford, onde, por sua longa permanência, cresceu tanto no conhecimento dos idiomas e das outras artes liberais, como na prática das Escrituras, às quais a sua mente estava muito apegada.
Estudando as Escrituras, começou a defender as teses da Reforma Protestante, muitas das quais eram consideradas heréticas, primeiro pela Igreja Católica e depois pela própria Igreja Anglicana. Aos 30 anos fez uma promessa que haveria de traduzir a Bíblia diretamente dos originais para o inglês, com o objetivo de que todo o povo – desde o camponês até os nobres da corte real – pudessem ler e compreender as Escrituras em sua própria língua. Mas em 1523 Tyndale teve negado seu pedido de permissão para traduzir a Bíblia para o inglês, porque seu bispo católico associou tal atividade com o protestantismo emergente. Obstinado, Tyndale partiu para a Alemanha, onde traduziu todo o Novo Testamento e partes do Antigo, para o inglês.
Certa ocasião Tyndale estava por acaso conversando com um amigo a respeito de várias questões da Escritura, quando este disse-lhe: “Você sabia que o Papa é o próprio Anticristo de quem falam as Escrituras? Mas cuidado com o que você diz. Pois, se perceberem que você tem formada esta opinião, o fato vai lhe custar a vida”. Tempos depois, conversando e discutindo com outro teólogo, Tyndale mencionou esta questão, e seu interlocutor explodiu dizendo: “melhor seria para nós não ter as leis de Deus do que não ter as leis do Papa”. Ouvindo aquilo, Tyndale cheio de santo zelo, replicou: “Eu desafio o Papa e todas as suas leis. E acrescentou que se Deus lhe desse vida, dentro de uns poucos anos ele faria até um menino que ara a terra ter mais conhecimento sobre as Escrituras do que ele”.
O ressentimento dos padres contra Tyndale foi crescendo cada vez mais. Fugindo da Inglaterra, Tyndale partiu para a Alemanha onde se encontrou com Lutero. Inflamado de carinho e zelo pelo seu país, não recusou nenhum trabalho ou esforço para, de todas as maneiras possíveis, conduzir seus irmãos e compatriotas da Inglaterra ao mesmo gosto e entendimento da Palavra de Deus e da verdade com que o Senhor o revestira, e que não havia melhor caminho para isso do que franquear a todo o povo a leitura da Bíblia. Ele percebeu que não era possível conduzir os leitores a qualquer verdade, a menos que as Escrituras fossem colocadas diante de seus olhos de forma clara em sua língua materna, para que pudessem compreender o significado do texto. Considerava que todo o mal no seio da Igreja provinha em grande medida do fato de as Escrituras não serem expostas aos olhos do povo, por isso traduzir a Escritura para sua língua materna, em benefício do povo simples do seu país, passou a ser sua prioridade. Começou pelo Novo Testamento, cuja tradução já estava completa em 1525, sendo impresso e publicado por volta de 1529. A tradução do Novo Testamento de Tyndale – revista em 1534, 1535 e 1536 – e sua tradução do Pentateuco e do livro de Jonas, foram recebidas com pesadas sanções devidas à acusação feita pela Igreja institucional de que Tyndale tinha “mudado” a Bíblia enquanto a traduzia. O Bispo de Londres e o Chanceler inglês Thomas More, sentindo-se profundamente ofendidos, buscavam formas de destruir aquela tradução, que eles chamavam de falsa e errônea, ao que ele respondeu escrevendo: “Peço a Deus que registre, para o dia em que deveremos comparecer perante o Senhor Jesus, que nunca alterei uma sílaba da Palavra de Deus contra a minha consciência. Tampouco o faria hoje, nem para ter em troca tudo o que existe na Terra, seja honra, prazer ou riqueza”.
Não obstante toda a oposição e as calúnias proferidas, em pouco tempo mais de seis mil cópias estavam nas mãos do povo, o que gerou uma grande perseguição da igreja romana contra Tyndale em toda a Europa. No fim ele foi covardemente traído por uma pessoa que, tendo conquistado sua amizade, entregou-o às autoridades, e em maio de 1535 foi preso e levado para Bruxelas. Um ano depois saiu a sua condenação como herege pelo tom protestante de suas notas bíblicas. Seus amigos se mobilizaram, fizeram um apelo às autoridades e ofereceram-lhe um advogado e um procurador, mas ele recusou o oferecimento, afirmando que faria sua própria defesa. De tal modo pregava ele aos guardas encarregados de sua custódia e àqueles que vinham conversar com ele no castelo onde estava preso, que dele diziam que se esse não era um bom cristão, eles não sabiam quem poderia ser considerado como tal. No fim ele foi condenado em virtude de um decreto do imperador, e as traduções de Tyndale foram banidas pelas autoridades.
No dia seis de outubro de 1536, sob a instigação de agentes de Henrique VIII e da Igreja Anglicana, foi levado ao lugar da execução em Vilvoorden, localizada 10 quilômetros a nordeste de Bruxelas. Trazido para o local da execução, foi amarrado à estaca, estrangulado pelo carrasco e em seguida consumido pelo fogo; na estaca, orou com fervoroso zelo, em alto e bom som, e suas últimas palavras foram, “Senhor, abra os olhos do rei da Inglaterra“.
Fontes: redes sociais e o “Livro dos Mártires”.