sexta-feira, 15 de agosto de 2014

10 Bilhões, de Stephen Emmott - Por יהוה Iehouah - E aí americofobicos? A vida humana é uma só de oeste a leste.

Ainda existem enormes reservas de petróleo e do gás. E estamos descobrindo jazidas expressivas de petróleo, gás e carvão o tempo todo, do Brasil ao Ártico. Não bastasse isso, há ainda a chamada revolução energética, com o uso do xisto betuminoso e do gás natural. Por isso não estou preocupado com o esgotamento dos combustíveis fósseis. O que me preocupa é o fato de que continuaremos a usá-los. Isso só vai acelerar ainda mais o problema do clima. Mas adivinhem: é exatamente o que está acontecendo. Em 2012, a empresa energética norte-americana Exxon - a maior produtora de petróleo do mundo - assinou um acordo com a Rússia para investir até 500 bilhões de dólares na exploração e extração de petróleo e gás bo Ártico, mais especificamente no mar de Kara, na Rússia. Por quê? Porque a mudança climática já está tornando a exploração e produção de petróleo e de gás algo economicamente viável: o mar de Kara não fica mais coberto de gelo o ano todo. E Barack Obama se comprometeu a ampliar noa Eatados Unidos a importação de petróleo das areias betuminosas de Alberta, no Canadá, por meio do desenvolvimento do projeto "Keystone XL" - fornecendo aos consumidores norte-americanos quase um milhão de barris por dia provenientes dessa região. A despeito do compromisso declarado de combate às mudanças climáticas, o governo britânico emitiu 167 novas licenças para perfurações em busca de petróleo e gás no mar do Norte - o maior número de licenças desde que foram iniciadas as atividades no mar do Norte, em 1964. O então ministro da Energia, John Hayes, descreveu o episódio como "uma grandiosa semana para a indústria do petróleo e gás. Existe um boato de que o mar do Norte já viveu dias melhores, mas isso demonstra que ainda existem muitas oportunidades. O governo está agindo corretamente para oferecer certeza e segurança aos investidores". E não é apenas o consumo mundial de petróleo e gás que não para de crescer. Também intensificamos o uso de carvão.