sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Stephen Emmott - 10 Bilhões - Nações Desenvolvidas e em Desenvolvimento Unidas em Produzir Carbono Negro

Até o Reino Unido aumentou em 31% seu consumo de carvão para a produção de energia em 2012.

Enquanto os políticos, as empresas e a nossa própria burrice parecem preparados para garantir que continuemos letalmente viciados em petróleo,  gás e carvão, vale também ressaltar que centenas de milhões de pessoa dependem diariamente da queima da lenha para sobreviver.

De fato, o uso da lenha para cozinhar é hoje uma causa expressiva de desmatamento em partes da África. Tal é o uso de lenha e de carvão vegetal na África e na Ásia que se está produzindo uma quantidade sem precedentes do chamado "carbono negro" - sobretudo fuligem. Produz-se mais carbono negro a cada ano agora do que em toda Idade MédIa.

É um problema sério em muitos países em desenvolvimento, pois conteibui de forma significativa tanto para as variações climáticas a curto prazo quanto para as mudanças climáticas a longo prazo.




Mas o carbono negro não é causado apenas por pessoas pobres em países pobres queimando lenha e carvão vegetal para garantir a sobrevivência diária. Ele também é gerado por pessoas ricas em países ricos (como o Reino Unido, a Alemanha, os Estados Unidos, o Canadá, a Austrália) quando transportam a si mesmas, e suas coisas, de avião, navio e carro.

Combinados, o carbono negro produzido pelos países em desenvolvimento (proveniente de queima de madeira) e pelos paises desenvolvidos (proveniente de carros, aviões, navios e industria) criam o que é conhecido como nuvens atmosféricas marrons.

E elas estão afetando de modo significativo a saúde humana, em termos de doenças respiratórias e mortes prematuras. Os efeitos poluentes das nuvens marrons atingem cerca de três bilhões de pessoas em todo o mundo.