segunda-feira, 8 de setembro de 2014

יהוה Iehouah Elohim יהוה Iehouah Tseva'ot pelo Judaísmo Hebraísta Convida Sionistas Cristãos ou Não, Amigos de Israel e do Judaísmo a vincular e promover interesses comerciais e sociais em dimensão local e global, àqueles que apoiam ou visivelmente permitem a estrutura positiva/construtiva do Judaísmo, Cristianismo próprio do Yeshu'a Netser, tecnocratas teocratas, humanistas democratas sadios, holísticos e libertos libertadores do antissemitismo, antijudaismo, e antisionismo. Se as Nações Árabes não forem detidas em suas politicas nazistas, imperialiatas e islamofobicas, suas doenças - a exemplo dos amaldiçoados Hamas, Hezbolah e Estado Islâmico - vão infectar todo planeta e em pouco tempo varios netos e bisnetos dos Sand's de hoje estarão sobre coleiras, escravizados, torturados, violados e assassinados. Despertem povos e escolham a vida, escolham יהוה Iehouah Elohim Adonai


http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/09/paises-arabes-acusam-israel-de-sabotar-negociacoes-com-palestinos.html



 G1  MUNDO
Países árabes acusam Israel de sabotar negociações com palestinos
Ministros das relações exteriores rejeitaram citar país como 'Estado judeu'. Também pediram que 'países amigos e irmãos' apoiem Palestina.
07/09/2014 18h06 - Atualizado em 07/09/2014 18h07
Da EFE
Os ministros das Relações Exteriores dos países árabes atribuíram neste domingo (7) a Israel o fracasso das negociações com os palestinos e reforçaram sua rejeição "categórica" de reconhecer esse país como um "Estado judeu".
Após a reunião que realizaram no Cairo, os ministros afirmaram que Israel é "totalmente responsável" pelo fracasso das negociações por sua rejeição à solução de dois Estados e de aceitar Jerusalém Oriental como capital da Palestina.
Além disso, acusaram Israel de sabotar o processo de paz por prosseguir com sua política de assentamentos e por sua recusa em libertar os presos palestinos que estão nas penitenciárias israelenses.
Também pediram aos Estados Unidos e ao Quarteto Internacional para o Oriente Médio (EUA, ONU, União Europeia e Rússia) que obriguem Israel a respeitar seus compromissos para proporcionar as condições adequadas para que sejam retomadas as negociações de paz.
Os ministros árabes exigiram também que o Conselho de Segurança da ONU assuma suas responsabilidades para conseguir uma paz justa e completa na região a partir da solução de dois Estados sobre as fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias de 1967.
Por outro lado, pediram no comunicado que todos os "países amigos e irmãos" expressem seu apoio à Autoridade Nacional Palestina (ANP) para superar as repercussões da última operação militar israelense na Faixa de Gaza, que ocorreu entre julho e agosto e na qual morreram cerca de 2 mil palestinos e 70 israelenses.
Os ministros se comprometeram a apoiar plenamente à entrada da ANP nas organizações internacionais depois que a Palestina foi aceita como membro observador na ONU, e solicitaram que todos os países proíbam a importação de produtos fabricados nos assentamentos israelenses.