terça-feira, 23 de setembro de 2014

יהוה Iehouah, sim יהוה Yehowah fortaleça os serviços de segurança israelenses, levante israelitas, bons sionistas dentro e fora de Israel. Quanto à Imprensa, está operada por ignorantes ou manipulada sobre força das armas? Já esqueceram que OS PALESTINOS ACLAMARAM E FESTEJARAM O ASSASSINATO DOS TRÊS JOVENS ISRAELENSES EM LARGA ESCALA? QUE LIDERANÇAS DO HAMAS CHEGARAM AO PONTO DE ADMITIR E DEFENDER A SITUAÇÃO? Quanto ao Povo de Israel, até quando permitirá que o Governo alimente, propague e proteja assassinos que da prisão se promovem para o mundo por assassonar israelenses, judeus, cristãos e outros; exigem libertação como se fossem heróis; planejam atos monstruosos; saem e tentam cumprir o planejado; às vezes conseguem! Até quando vocês serão contra Iehouah e a vida universal? Assassinos e hordas lideradas pelos mesmos somente podem habitar no mundo dos mortos.





http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/09/forcas-israelenses-matam-2-suspeitos-do-sequestro-de-3-estudantes-20140923041503896976.html

Israel mata 2 suspeitos do sequestro e morte de 3 estudantes

Assassinatos de jovens levaram Israel a lançar ofensiva na Faixa de Gaza. Ação deteve 3 filhos de Hussam Kawasmeh, suspeito de planejar o crime.

23/09/2014 05h14 - Atualizado em 23/09/2014 06h42

Do G1, em São Paulo
As tropas israelenses mataram nesta terça-feira (23) os dois principais suspeitos de capturar e assassinar três estudantes israelenses no último dia 12 de junho em um cruzamento próximo à colônia de Gush Etzion, na Cisjordânia.
Segundo um comunicado, ambos morreram baleados durante uma operação realizada nos arredores da cidade de Hebron na qual participaram soldados do exército e dos serviços secretos.
"Durante a madrugada, o exército israelense realizou uma operação durante a qual Marwan Qawasmeh e Amer Abu Eisheh, assassinos de três jovens israelenses, morreram em uma troca de tiros", anunciou o porta-voz militar Peter Lerner em sua conta no Twitter.
A versão da Inteligência interna (Shin Bet) assegura que unidades de elite chegaram ao local com a missão de prender os suspeitos. Porém, a chegada da tropa provocou um tiroteio no qual Amar Abu Eisha e Marwan Kawasmeh morreram.
Os dois palestinos, acusados por Israel de integrar o Hamas, foram localizados em uma casa de Hebron, que foi atacada por soldados israelenses e agentes do Shin Beth, o serviço de segurança interna.
A morte de ambos dificulta a investigação para saber se atuaram por ordem direta da liderança do Hamas, como denuncia Israel, ou se fizeram por sua própria conta, como deram a entender altos comandantes do citado movimento islamita.






A nota detalha que durante a operação também foram detidos Bashar Kawasmeh, Mahmed Kawasmeh e Taar Kawasmeh, filhos do terceiro suspeito, Hussam Kawasmeh, que já está na prisão acusado de planejar o crime.
De acordo com a acusação, Kawasmeh financiou e criou o plano junto a seu irmão Mahmoud, que foi libertado de uma prisão israelense na troca pelo soldado israelense Gilad Shalit, sequestrado em 2005.
Fontes palestinas asseguram, por sua parte, que as tropas israelenses, apoiadas por escavadeiras, abriram fogo sobre a casa entre os protestos dos moradores, que lançaram pedras contra os soldados.