segunda-feira, 13 de outubro de 2014

BIBI!!! ELE SABE DISSO! O PROBLEMA ESTÁ EM DESOBEDECER A VOZ IEHOUAH PELA OPINIÃO DE ALGUNS AMERICANOS. A AMÉRICA VERDADEIRA SABE QUE GAZA E CISJORDÂNIA É ISRAEL E QUE AS MESQUITAS SÃO MIMOS TEMPORÁRIOS. VOCÊS SEMPRE COLOCAM AS PARANOIAS DOS OPONENTES EM PRIMEIRO LUGAR E ISSO NUNCA DEU OU DARÁ CERTO. EM ISRAEL SOMENTE O GRANDE ISRAEL. OBEDEÇA E ALEGRE IEHOUAH QUE VOCÊ GANHA MAIS E MELHOR. EM TUDO.




Benjamin Netanyahu: são os extremistas palestinos "que elevam os ânimos"
Jim Hollander/AFP

MUNDO

Israel culpa extremistas palestinos por tensão em Jerusalém

AFP
 47 views
 0
Jerusalém - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, atribuiu nesta segunda-feira a "extremistas palestinos" a responsabilidade pela tensão crescente na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém.
"Não é Israel que, de uma maneira ou outra, muda o status quo, e sim os extremistas palestinos que elevam os ânimos e provocam a violência", disse Netanyahu ao lado do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.
Ao citar o "status quo", o primeiro-ministro israelense fazia referência aos acordos com os quais uma fundação islâmica controlada pela Jordânia administra a esplanada, também conhecida como Monte do Templo.
Os judeus estão autorizados a visitar o local apenas em determinadas horas e sob estrita vigilância, mas não têm o direito de rezar para evitar o que os muçulmanos considerariam uma provocação.
A esplanada abriga dois dos principais templos muçulmanos: a mesquita de Al-Aqsa e o Domo da Rocha.
"Vou manter meu compromisso, e Israel também, para que o status quo continue, como acontece há décadas". afirmou Netanyahu.
Para ele, os "extremistas palestinos" são os que espalham o boato de que o governo israelense ameaça os locais sagrados muçulmanos.
"Nada mais longe da realidade. Israel mantém escrupulosamente a proteção de todos os lugares sagrados e o direito de todas as religiões a praticar seu culto em todos os locais sagrados", disse o primeiro-ministro.
A declaração foi uma resposta direta ao secretário-geral da ONU, que durante uma visita a Ramallah mais cedo havia exigido o "fim das provocações" no local sagrado, que registrou novos confrontos entre palestinos e a polícia israelense nesta segunda-feira.
A esplanada, local de culto para judeus e muçulmanos, se tornou cenário de violência crônica.