segunda-feira, 13 de outubro de 2014

יהוה Iehouah Tseva'ot; יהוה Iehouah Dos Exércitos abençoe fartamente almas justas e corretas como o Ministro dos Transportes Israel Katz. A soberania e vitalidade sionista israelense judaica não tem como ser negociada pois ela constitui um padrão mínimo de decência global e quando aceita pelos seus contrários, beneficiará todas as partes em todos os tempos. Iehouah O Absoluto jamais aceitará nesta humanidade outra opção para este assunto.



http://observador.pt/2014/10/13/israel-diz-que-dinheiro-doado-sera-desperdicio-se-hamas-nao-renunciar-luta/

TERRORISMO
Israel diz que dinheiro doado será desperdício se Hamas não renunciar à luta
13/10/2014, 12:08


Se o movimento islâmico Hamas não renunciar à luta armada o dinheiro doado para a reconstrução em Gaza será um desperdício adverte o ministro dos Transportes israelita.

Se Hamas não parar luta armada dinheiro doado a Gaza é um desperdícioMOHAMMED SABER/EPA

Autor
Agência Lusa

Tópicos
CONFLITO ARMADO
ISRAEL
TERRORISMO


O ministro dos Transportes israelita, Israel Katz, advertiu a comunidade internacional que o dinheiro doado para a reconstrução em Gaza será um desperdício se o movimento islâmico Hamas não renunciar à luta armada.

Em declarações na noite de domingo, diante de cerca de 2.000 simpatizantes do partido Likud, o ministro avisou que o seu Governo está preparado para lançar novas ofensivas contra a Faixa de Gaza, como a que ocorreu no verão passado.

Katz, um dos homens mais próximos do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, insistiu que os habitantes de Gaza “devem escolher entre Singapura e Darfur” e “entre a recuperação económica e a guerra e a destruição”.

O ministro israelita recomendou à comunidade internacional que aprenda com seus fracassos no Iraque e na Síria, responsabilizando-os pelo auge de movimentos jihadistas como o Estado Islâmico (EI).

“Se elegem o terror, o mundo não deve gastar mal esse dinheiro. Se um só foguete for disparado (contra Israel), tudo será reduzido à ruína”, ameaçou.

“Aqueles dias em que os judeus eram massacrados e não faziam nada terminaram. Se uma operação “Margem Protetora” não é suficiente, haverá duas ou três até que o terrorismo do Hamas desapareça. Prefiro que mil mães palestinianas chorem a que uma só mãe judia o faça”, afirmou Katz, citado hoje pelo jornal “Jerusalem Post”.