quinta-feira, 30 de outubro de 2014

"Os ataques são feitos contra mim porque eu defendo o Estado de Israel", acrescentou o primeiro-ministro.



http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/premie-de-israel-rejeita-criticas-de-autoridade-americana




Ucrânia e Rússia concordam sobre fornecimento de gás

Malala doa US$ 50 mil para reconstrução da Faixa de Gaza

Boko Haram ocupa cidade no nordeste da Nigéria

Cruzeiro para elite mostra que chilenas ainda são 3ª classe

Ataques na Síria deixam mais de 221 desde 20 de outubro

Farc admite que suas ações prejudicaram população colombiana

Avião bimotor se choca contra prédio e mata 4 nos EUA

Presidente de Burkina Fasso decreta estado de sítio

Países europeus condenam eleições de rebeldes na Ucrânia

Irã neutraliza tentativa de sabotagem a programa nuclear

PróximasAnteriores

MUNDO29/10/2014 18:31
Premiê de Israel rejeita críticas de autoridade americana
RecomendeCompartilhar no TwitterCompartilhar no Google+Compartilhar no LinkedIn
0
Salvar notícia
AFP


Netanyahu: "Os ataques são feitos contra mim porque eu defendo o Estado de Israel"
Da AFP

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, descartou nesta quarta-feira qualquer concessão sobre Jerusalém Oriental, apesar das críticas americanas a sua política de colonização.

"Eu não estou pronto para fazer concessões que coloquem nosso Estado em perigo", declarou Benjamin Netanyahu em um discurso ao Parlamento.

Ele respondeu dessa forma à publicação na terça-feira pela revista "The Atlantic" de declarações de uma autoridade da administração de Barack Obama que o chama "covarde" e denuncia a sua política de colonização na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

Esses ataques pessoais anônimos, apresentados como sem precedentes por analistas, foram manchete em Israel.

"Os ataques são feitos contra mim porque eu defendo o Estado de Israel", acrescentou o primeiro-ministro.

"Devem entender que nossos interesses supremos são em primeiro lugar a segurança e a unidade de Jerusalém, o que não é a principal preocupação de quem me ataca de forma anônima", continuou Benjamin Netanyahu.

A Casa Branca rejeitou as declarações nesta quarta, ressaltando que o presidente Barack Obama e Netanyahu possuem uma "aliança eficaz".

"Isso certamente não reflete a posição da administração", disse Alistair Baskey, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional (NSC), chamando de "inoportunas e contraproducentes" as declarações sobre Netanyahu.

De acordo com a autoridade citada pela "The Atlantic", Benjamin Netanyahu "não fará nada para chegar a um acordo com os palestinos e os países árabes, e que a única coisa que o interessa é se proteger uma derrota política."

O americano também ressaltou que o anúncio da construção de novos assentamentos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental provocaram a "ira" do governo Obama.

Os Estados Unidos têm criticado fortemente a decisão de Israel de incentivar a construção de mais de 1.000 unidades habitacionais em bairros de colonização israelense em Jerusalém Oriental, considerando que tal ação é "inconsistente" com os esforços de paz na região.

Os palestinos querem fazer de Jerusalém Oriental a capital do Estado que pretendem criar.

A comunidade internacional considera ilegal a anexação e a ocupação de Jerusalém Oriental por Israel.

Tópicos: Conflito árabe-israelense, Diplomacia, Israel, Jerusalém