quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Os eventos relacionados com a revolta de Bar Kokhba são atribuídos ao reino do imperador Adriano. Ele é recordado na História judaica por ter emitido decretos impondo a perseguição e conversão forçada de judeus, referidas pelas fontes como "decretos adriânicos."


terça-feira, Outubro 21, 2014

ENORME PEDRA DE MÁRMORE COM INSCRIÇÃO DO NOME DO IMPERADOR ADRIANO DESCOBERTA EM JERUSALÉM

Para a "Autoridade para as Antiguidades de Israel" trata-se de uma das mais importantes inscrições em latim jamais achadas em Jerusalém.
Esta enorme pedra de mármore em forma de arco com palavras escritas em latim e com a gravação do nome do imperador Adriano é do ano 130 d.C. foi certamente usada para homenagear a visita do imperador romano a Jerusalém nesse mesmo ano.
Ainda que tenha sido descoberta em Julho, a pedra foi somente exibida a partir desta manhã junto ao Museu arqueológico Rockfeller, em Jerusalém, atraindo já fotógrafos, arqueólogos e uma miríade de curiosos.

Segundo as declarações da dra. Rina Avner, a arqueóloga responsável pelas escavações a Norte da Porta de Damasco, em Jerusalém oriental, esta relíquia do período romano é uma das mais importantes inscrições em latim alguma vez descobertas em Jerusalém: "Isto é muito raro" - afirmou a arqueóloga, a escassos metros da pedra. E acrescentou:"Encontrámos a inscrição incorporada à volta de uma abertura de uma cisterna muito funda."
E esclarecendo melhor o achado, a arqueóloga prosseguiu: "Na antiguidade, tal como hoje acontece, era costume reciclarem-se materiais de construção, e esta inscrição oficial foi evidentemente removida do seu lugar original e integrada no pavimento com o propósito prático de construir a cisterna. Além disso, e de forma a ligar a pedra à tampa, a parte do fundo da lápide foi serrada em forma de círculo."
Mal encontraram esta lápide, os arqueólogos responsáveis perceberam imediatamente que se tratava de um achado muito importante.
As inscrições consistem de seis linhas escritas na língua latina e gravadas em mármore e foram lidas e traduzidas por Avner Hecker e Hannah Cotton, da Universidade Hebraica de Jerusalém. A tradução em português ficará mais ou menos assim: "AO IMPERADOR CÉSAR TRAJANO ADRIANO AUGUSTO, FILHO DO DEIFICADO TRAJANO PÁRTICO, NETO DO DEIFICADO NERVA, SUMO SACERDOTE, INVESTIDO COM PODER DE TRIBUNO PELA 14ª VEZ, CÔNSUL PELA TERCEIRA VEZ, PAI DA NAÇÃO (DEDICADO POR) A DÉCIMA LEGIÃO FRETENSIS ANTONINIANA."
Ecker esclareceu que a inscrição era dedicada pela X Legião Fretensis ao imperador Adriano no ano 129/130 d.C.
"Só um pequeno número de antigas inscrições oficiais latinas é que foram descobertas em escavações arqueológicas por todo o país, e em Jerusalém em particular, e não há dúvidas de que esta é uma das mais importantes" - acrescentou Ecker.
Segundo a arqueóloga, a importância está no registo do nome do famoso imperador Adriano e da data exacta.
"A data é uma confirmação significativa e tangível do relato histórico relativo à presença da X legião romana em Jerusalém durante o período intercalar entre as duas revoltas (judaicas), e provavelmente até da localização do acampamento militar romano na cidade, e uma das razões para o rebentar da revolta liderada por Bar Kokhba alguns anos depois e o estabelecimento da Aelia Capitolina (nome dado a Jerusalém pelos romanos, na tentativa de apagar a memória da ligação dos judeus à cidade)."
"Mesmo após 2 mil anos a inscrição está num impressionante estado de conservação. Logo que os achados da escavação sejam publicados, a inscrição será preservada e posta em exibição para o público."

A REVOLTA DE BAR KOKHBA E O IMPERADOR ADRIANO
IMPERADOR ADRIANO
Os eventos relacionados com a revolta de Bar Kokhba são atribuídos ao reino do imperador Adriano. Ele é recordado na História judaica por ter emitido decretos impondo a perseguição e conversão forçada de judeus, referidas pelas fontes como"decretos adriânicos."
A história da revolta dirigida por Bar Kokhba é conhecida, dentre outros eventos, pelas obras do historiador romano contemporâneo da época Cassius Dio, que também menciona a visita de Adriano a Jerusalém nos anos 129/130, dentro do programa das visitas do imperador ao império oriental. 
Essas viagens ficaram documentadas através de moedas cunhadas honrando a ocasião e o evento e em inscrições gravadas especificamente antes da chegada do imperador às diversas cidades.
"Isto aparenta ser exactamente o que aconteceu em Jerusalém" - afirmou Avner - "A própria inscrição pode ter sido erguida no topo de um arco triunfal do tipo do arco de Tito em Roma."
E a arqueóloga elucidou ainda:"Sabemos a partir dos historiadores antigos e de inscrições em moedas que a nova cidade que Adriano estabeleceu recebeu o estatuto de 'colónia', ou seja: uma cidade cujos cidadãos e deuses são romanos, sendo o nome da cidade mudado para Aelia Capitolina, ou COLÓNIA AELIA CAPITOLINA em latim."
"Não há dúvida de que a descoberta desta inscrição irá contribuir muito para responder à velha questão sobre as razões que conduziram ao romper da revolta de Bar Kokbha: terão a construção de Aelia Capitolina e o estabelecimento de um templo pagão no sítio do Monte do Templo sido a razão para a rebelião? Ou terão antes sido o resultado em si da rebelião, portanto, uma acção punitiva de Adriano contra aqueles que se rebelaram contra o governo romano?"

Shalom, Israel!

Sem comentários: