quinta-feira, 30 de outubro de 2014

RON PROSOR ESTÁ BONDOSO E AMOROSO NA RESPOSTA. O CORRETO É: VÃO CRIAR UMA NAÇÃO DE TERRORISTAS FANÁTICOS ESPANCADORES DE MULHERES NO QUINTAL DE VOCÊS E SEUS FILHOS. TENTAR MEXER COM A JERUSALÉM HEBRAICA UNIFICADA É ESFAQUEAR O CORAÇÃO DA HUMANIDADE E CRIAR UM COVIL DE NAZISTAS ISLÂMICOS DENTRO DE ISRAEL DÁ NO MESMO QUE ENTUPIR O PULMÃO DE GÁS LETAL


Palestinos pedem a ONU ação contra colonização israelense
Jordânia pediu reunião após Israel anunciar a construção de mil casas. Obras serão em área considerada capital de futuro estado palestino.
29/10/2014 21h23 - Atualizado em 29/10/2014 21h23
Da France Presse
Os palestinos pediram nesta quarta-feira (29) ao Conselho de Segurança das Nações Unidas uma posição firme para que Israelreverta de imediato seus planos de construção de novas casas nos territórios ocupados, durante uma reunião de emergência convocada para abordar a tensão no leste de Jerusalém.
Os quinze integrantes do Conselho se reuniram a pedido da Jordânia, após Israel anunciar, na segunda-feira, planos para a construção de mil residências para colonos no leste de Jerusalém, que os palestinos consideram ser a capital de seu futuro estado.
"Israel, a potência ocupante, deve se exigir a suspensão imediata e completa de suas atividades sobre assentamentos ilegais no território palestino ocupado, incluindo Jerusalém Oriental", disse o embaixador palestino, Riyad Mansur.
Não há planos para a adoção de uma resolução e diplomatas estimam que uma declaração do Conselho de Segurança condenando Israel é pouco provável devido à posição dos Estados Unidos a favor de seu aliado israelense.
O governo de Barack Obama utilizou seu poder de veto no Conselho de Segurança apenas uma vez, em 2011, exatamente para bloquear uma resolução condenando os assentamentos de Israel.
Falando ao Conselho, Jeffrey Feltman, subsecretário-geral para assuntos políticos da ONU, disse que a prática israelense de colonizar os territórios palestinos é uma "violação do direito internacional" e vai contra a solução de dois estados, palestino e israelense.
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, está "alarmado" com os últimos planos de colonização de Israel, que "uma vez mais lançam graves dúvidas sobre o compromisso de Israel para obter uma paz duradoura", disse Feltman.
Feltman pediu a redução das tensões, afirmando que as partes "não podem se dar ao luxo" de inflamar a situação após a recente e devastadora Guerra de Gaza, que matou mais de 2.000 palestinos.
O embaixador de Israel na ONU, Ron Prosor, reagiu negando que os novos assentamentos possam afetar a paz e acusou a ONU de "fazer o jogo da campanha de difamação" de seu país promovida pelos palestinos.
"Há muitas ameaças no Oriente Médio, mas a presença de lares judeus não é uma delas", afirmou Prosor.
Mundo
versão clássica
Globo © 2001-2014
princípios editoriais