domingo, 16 de novembro de 2014

Excelente artigo da Veja denuncia de forma simples que nazistas no oriente-medio são as lideranças palestinas e que Israel brinca com sua sobrevivência ao praticar misericórdia contra sua segurança. Também denuncia que há um grave desequilíbrio psicológico em quem diga "a Veja só publica lixo, não leio aquilo", enquanto que um sionista declarado como eu por exemplo se digna a escutar, ver ou ler as versões e aberrações de declarados inimigos da humanidade. O 247 on-line se faz de anti-sionista quando é antissemita, mas ainda é humano e não é um lixo, por exemplo. Levante-se Grande Israel.


Veja SP
Veja RJ
Exame
Info
Contigo!
MdeMulher
Modaspot
Capricho


Revistas e sites
Assine
Clube
SAC
Grupo Abril


VEJA




Notícias
Temas
Vídeos
Fotos
Colunistas
Assine VEJA
Reinaldo Azevedo
Lauro Jardim
Augusto Nunes
Ricardo Setti
Fernanda Furquim
Todos os colunistas
Veja SP


ACERVO DIGITAL


VEJA INTERNATIONAL








/ Blogs e Colunistas



Coluna
Rodrigo Constantino


Análises de um liberal sem medo da polêmica





Assine o Feed RSS | Saiba o que é












26/07/2014 às 19:01 \ Guerras, Históriag


Comparar o que faz Israel hoje com o Holocausto é simplesmente absurdo!





“Viajamos até aqui nos vagões chumbados; vimos partir rumo ao nada nossas mulheres e nossas crianças; nós, feito escravos, marchamos cem vezes, ida e volta, para a nossa fadiga, apagados na alma antes que pela morte anônima. Não voltaremos. Ninguém deve sair daqui; poderia levar ao mundo, junto com a marca gravada na carne, a má nova daquilo que, em Auschwitz, o homem chegou a fazer do homem.” (Primo Levi, “É isto um homem?”)


As palavras importam. Devemos ter cuidado ao usá-las. Por exemplo: quando alguém chama de “escravo” um trabalhador rural que recebe salário acima do mínimo, que pode ir embora quando quiser pois ninguém o força a permanecer ali, que jamais levou uma chibatada de um capataz qualquer, só porque um dos mais de 200 itens da legislação trabalhista não é atendido – talvez a espessura do seu colchão – isso não parece ofensivo com os verdadeiros escravos do passado?


Pois bem: quando acusam Israel de praticar hoje aquilo de que os próprios judeus foram vítimas nos tempos do nazismo, isso é uma grave ofensa a todas as vítimas do Holocausto e aos judeus em geral. É fruto ou de muita ignorância ou pura má-fé, parida pelo ódio antissemita. As duas coisas são completamente diferentes; simplesmente não há como sequer colocá-las em categorias próximas.


Para começo de conversa, havia a intenção: os nazistas deliberadamente pretendiam aniquilar os judeus, apenas por serem judeus. Quem fala em genocídio ou “higienização” na Faixa de Gaza não sabe do que está falando. Os soldados israelenses jamais demonstraram qualquer desejo de eliminar palestinos apenas por serem palestinos.


Pelo contrário: há toda a evidência de que fazem o máximo possível para evitar a morte de civis inocentes, chegando inclusive a avisar com antecedência dos ataques que visam à destruição dos armamentos em posse dos terroristas do Hamas, que cavaram dezenas de túneis na região e instalaram armas perto de escolas e hospitais. Como disse o professor Jacob Dolinger em artigo publicado hoje no GLOBO:


Gostaria que nosso chanceler explicasse como ele mede “proporcionalidade” no campo bélico. Saberia ele que se Israel enviasse o mesmo número de mísseis que o Hamas lançou sobre Israel nos últimos anos, Gaza estaria totalmente destruída?


Sabe ele os cuidados que Israel tomou na semana passada avisando centenas de milhares de palestinos para abandonarem suas residências, possibilitando com isso que o Hamas soubesse exatamente onde o Exército israelense se preparava para atacar e causando assim quedas que não ocorreriam se os ataques fossem realizados de surpresa? Ou seja, Israel colocou em perigo seus soldados, sacrificando alguns deles, no esforço de minorar ao máximo as vítimas civis do inimigo.


Têm Sua Excelência e a presidente que ele serve a menor noção da barbárie dos dirigentes de Hamas forçando seu povo a permanecer em casa, enviando mísseis de hospitais e de áreas residenciais, para conseguir que a reação defensiva israelense cause vítimas civis entre o povo palestino?


Aliás, conhece o ministro alguma guerra que não causou vítimas civis? E que sempre houve desproporcionalidade entre o número de vítimas das partes envolvidas no conflito?


Não compreende o chefe do Itamaraty que em Israel praticamente não caem vítimas civis porque o Estado protege seus cidadãos, com o mais sofisticado sistema de alarme e refúgio?


Não está evidente aos olhos do governo brasileiro que esta, como as anteriores guerras entre Israel e Hamas, foi provocada pelos terroristas fanáticos que governam a Faixa de Gaza como déspotas medievais?


Como ignorar esses fatos? Alguém tem alguma dúvida de que se Israel realmente quisesse exterminar palestinos a esmo o país seria capaz disso amanhã? E alguém acha que o Hamas, se tivesse o mesmo poder, deixaria de utilizá-lo? Por que Israel sempre entra em guerra para se defender?


Se há alguma coisa semelhante ao nazismo na região é justamente o desejo patológico que muitos palestinos alimentam de eliminar os judeus do mapa. Não por acaso Hitler encontrou em muitos grupos islâmicos aliados importantes para a sua “solução final”: ambos, nazistas e radicais islâmicos, tinham o mesmo objetivo, que era exterminar os judeus. Estes, por sua vez, jamais demonstraram interesse algum em exterminar palestinos ou muçulmanos.


Claro que em uma guerra será inevitável a perda de civis inocentes. É uma droga que seja assim. É uma lástima. Muitos têm inclusive o direito legítimo de criticar e condenar o governo de Israel, julgando que a reação é inadequada e que coloca em risco vidas demais.


Esses deveriam, ao menos, tentar oferecer alguma alternativa realista de como Israel pode se defender do terrorismo do Hamas, que lança mísseis o tempo todo em sua população. Mas acusar Israel de deliberadamente almejar a morte dessas pessoas por questões étnicas é uma infâmia, uma mentira grotesca, que expõe o antissemitismo de quem a profere.


Os judeus sob o nazismo foram transformados em cães desalmados, em animais sem honra e dignidade. Quem quiser um bom relato do dia a dia dos campos de concentração, sem sensacionalismo, recomendo a leitura de É isto um homem?, do italiano Primo Levi. É impossível acabar a leitura e ainda insistir em uma comparação com a Faixa de Gaza hoje, acusando Israel de praticar aquilo que sofreu antes. Esdrúxulo demais!


Israel permite inclusive que palestinos vivam e trabalhem em seu território, tentando garantir sua segurança. O maior inimigo dos palestinos de bem não são os israelenses, mas os palestinos terroristas, os islâmicos radicais. Como pode alguém em sã consciência e conhecedor de um mínimo de história falar que os judeus é que pretendem um Holocausto invertido hoje? Como não sentem vergonha de uma acusação tão vil dessas?


Agora mesmo Israel aceitou a trégua temporária proposta, mas o Hamas continuou lançando ataques sobre israelenses. Como negociar com um grupo terrorista que não quer nada além de sua destruição completa, que não mede esforços para isso, que usa as próprias crianças como escudo? Como alguém pode ter a cara de pau de inverter tudo e acusar os judeus de desejarem o extermínio de outro povo, quando são justamente eles que não têm a permissão de simplesmente existir ali?


Que grupos radicais de esquerda, encantados com a “causa palestina” e alimentados pelo antissemitismo disfarçado de anti-sionismo, adotem esse discurso odioso, tudo bem; estamos acostumados e já vimos até deputados do PSOL queimando a bandeira de Israel. Mas que o próprio governo brasileiro acabe, na figura asquerosa do “chanceler de fato” Marco Aurélio Garcia, fazendo a mesma coisa, acusando Israel de genocídio deliberado, isso é abjeto.


Nosso governo foi elogiado por ninguém menos do que o próprio Hamas, grupo terrorista da pior espécie. Só isso deveria ser sinal de alerta, um aviso de que a postura não está adequada, que o Itamaraty errou feio o alvo. Mas o que esperar de um governo que se alinhou à escória da humanidade, que sempre afagou os piores tiranos do mundo?


Rodrigo Constantino


Tags: Hamas, Hitler, Holocausto, Israel, Primo Levi









Share on Tumblr


Links Patrocinados


Investimentos no RJ


Conheça os 4 Motivos para Investir na Maior Rede de Hotéis do Mundo!


www.holidayinnportomaravilha.com.br

Deixe o seu comentário


Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.




» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA





Nome


Email (não será publicado)









62 Comentários


1 2 Próximo »







geroldo zanon -


6/10/2014 às 9:51




Eu já fiz um comentario no BLOG do tio REINALDO la vai a DILMA e o LULA já foram para ISRAEL dar uma bronca em todos os membros que compõem o governo de ISRAEL porque estão só matando seus amigos terroristas ISLAMICOS







Maria Inez Medeiroelarminos B -


25/9/2014 às 9:05




CONCORDO PLENAMENTE COM VOCÊ, MEU CARO RODRIGO. CONCORDO EM TUDO E PEÇO PERDÃO AO POVO DE ISRAEL POR TÃO ABSURDA DECLARAÇÃO. CREIAM QUE ESTA NÃO É A OPINIÃO DO POVO BRASILEIRO. SOMOS IRMÃOS. SOMOS UM SÓ POVO.







Daniel -


16/8/2014 às 11:56




Esse relativismo moral “podre” a que muitos estão submetidos é a causa que está levando a humanidade à destruição. Sem o mínimo de ordem nunca se chegará à lugar algum e muito menos à paz. Quando apoiam loucos que querem destruir não só Israel mas toda civilização ocidental que não segue o extremismo (nem todos os árabes-muçulmanos são extremistas)dão à eles o espaço de que precisam para de maneira lenta e dissimulada e paradoxalmente em guerras abertas aniquilarem qualquer forma de cultura e modo de vida democráticos. Não podemos colocar em jogo todo o bem-estar e estabilidade que conquistamos por causa da desinformação, desonestidade e hipocrisia que tem permeado grande parte de nossa sociedade. Está mais do que claro que a verdadeira liberdade e cidadania não está em programas sociais, vandalismo e propaganda esquerdista e sim na atitude de respeito, educação, trabalho sério e valorizado e tolerância que devem ser vistos como essenciais por nós hoje e repassados com diligência e compromisso verdadeiros às próximas gerações.







'Maria Aparecida Bernardo -


4/8/2014 às 16:20




Obrigada Rodrigo, por ser tão claro em suas posições! É impossível não entender e apoiar tudo o que você escreve!!! Você me representa e como seria bom se pudéssemos trazer à luz àqueles que estão na completa escuridão!!! Acho que se o número de pessoas alienadas não fosse tão grande, e tivessem esse mesmo pensamento, o facebook seria repleto de posts indignados com essa barbárie!!!







Everton Antunes -


31/7/2014 às 21:56




Bom a maiorias dos comentários que vi é pró israel, o meu não é e espero que publiquem mesmo assim, e me desculpe Rodrigo Constantino mas da pra comparar sim com o nazismo( não sei se você é judeu,mas parece pelo seu texto)imagine se um assassino super perigoso entrar numa creche e fazer crianças reféns, isso justifica a policia entrar atirar e matar algumas crianças pra pegar o bandido, claro que não, é desprezível e desumano achar que pode-se matar inocentes e ficar por isso mesmo, claro que os integrantes do Hamas são terroristas, mas o que os difere dos assassinos de Israel, o apoio dos EUA?







marcos st -


28/7/2014 às 15:45




Somente pelo motivo de os palestinos resistirem mais que os judeus.







GEROLDOZANON -


28/7/2014 às 8:33




ISRAEL só esta se defendendo de terroristas brincou com eles é morte na certa







Odnanref, Seraos -


27/7/2014 às 20:06




Que tal usar as ferramentas dos ativistas de esquerda contra eles mesmos?


https://secure.avaaz.org/po/petition/Fathi_Hamad_Lider_Politico_do_Hamas_na_Palestina_Deixe_de_usar_Civis_como_armamento_belico/







Vera Lúcia de Oliveira Bastos -


27/7/2014 às 18:42




Nós estamos somente diante do velho e bem alimentado anti-semitismo. Em Israel vivem muitos palestinos. Se o estado israelense quisesse eliminar palestinos não seriam muito difícil. Palestinos vão aos hospitais como todos os outros. Não precisaria gastar muito dinheiro para fazer sosfisticado sistema antimísseis, refúgios subterrâneos para a população (também para os palestinos que lá vivem) etc, etc. Ademais Isreal poderia invadir a Paletina a qualquer hora e acabar com tudo. Ao contrário, se mantem na defesa.
A propósito, eu falei de palestinos que vivem em Israel. Vivem, porque na Palestina eles não podem fazê-lo.







Cedar32 -


27/7/2014 às 17:45




O que dava para perceber bem foi a quantidade de bandeiras do PSOL e PSTU aproveitadores….







Cláudio -


27/7/2014 às 17:26




Excelente artigo, como de praxe!
Quanto a proporcionalidade, Israel poderia mandar a mesma quantidade de foguetes e mísseis, nas mesmas condições e circunstâncias, independentemente de onde poderiam cair.
Quanto a diplomacia brasileira, o que esperar destes petistas??







Carmo Vicentini -


27/7/2014 às 16:50




Se aliou a escória da humanidade por questões de afinidade e semelhança. Onde amarramos nossa égua? Será que algum dia poderemos nos livrar desses anões morais?







sérius -


27/7/2014 às 13:13




O governo PETRALHISTA apóia TODAS as ditaduras sem excessão. HAMAS, HEZBOLAH, FARCs não poderiam ficar de fora, seria uma ofença à política petralhista.
.
FATOS :
.
ISRAEL : misséis são detectados, alarmes soam, civís se refugiam em bunkers em plena órdem, fruto de treinamento.
.
PALESTINA : Israel avisa por telefone, RÁDIO, panfletos jogados de aviões etc… com dias de antecedência antes de bombardear.
.
Autoridades palestinas NÃO contróem BUNKERS nem abrigos para a população.
.
Não se ouvem sirenes qdo “atacados” (contra atacados!), antes CONCLAMAM a população a subir nos prédios abarrotados de armazenamento.
.
Juntam CRIANÇAS em torno dos lançadores de foguetes.
.
Os TERRORISTAS fazem ESCUDOS HUMANOS para ISRAEL :
.
1 – Se constranger e NÃO bombardear, como acontece na MAIORIA DOS CASOS.
.
2 – Mostrarem as vítimas na tv, como se ISRAEL fosse culpado.
.
A CONTRADIÇÃO DAS CONTRADIÇÕES !!!!!
.
TERRORISTAS esperam COMPAIXÃO DE ISRAEL PELOS PALESTINOS FEITOS DE ESCUDOS (mulheres e crianças), mas NÃO TEM COMPAIXÃO DO PRÓPRIO POVO.
.
.
.







Samuel -


27/7/2014 às 12:27




Não dá para discutir com quem só olha para uma direção. Ninguem fala nada da China no Tibet, a coisa lá é pior do que a gente imagina, nem fala nada da Síria e Iraque. Aliás a esquerda elogia e admira a Coréia do Norte. Mas de Israel!
Na real Israel tem o direito de se defender. Imagina se Israel não se armasse rápido? Nem Estado seria hoje.







SILVIO -


27/7/2014 às 11:10




e se israel não tivesse investido num moderno e preciso sistema de defesa contra os mísseis do hamas ? quem iria chorar os milhares de mortos pelas ruas de israel ? ou, como suportar milhares de mísseis lançados a esmo ? em porto alegre, uma radialista auto-declarada petista vociferava: “como pode alguém se defender enviando mísseis contra seu inimigo ?” e emendou: “assim, nunca haverá paz !” ou seja, israel tem a obrigação de estabelecer a paz, os terroristas do hamas, não ! além do mais, não é terrorista que cava túneis invadindo o país israelita para atacar de surpresa ?







netinho -


27/7/2014 às 10:46




Excelente, Rodrigo.Sugiro que voce coloque um glossário no final de seus textos, explicando o que é Holocausto, nazismo, antissemitismo, sionismo,caso um esquerdista bocó o leia.
R: Não me interesso por bocós esquerdistas como meus leitores…







Marcelo -


27/7/2014 às 10:21




Este vídeo abaixo foi liberado por uma ONG pró-palestina, MAS, ele mostra os oficiais do Hamas andando de ambulâncias, com coletes de ajuda humanitária, e eles vão armados para as áreas que Israel avisou que atacaria, e eles expulsam as pessoas de casa, para ficarem expostas ao bombardeio e morrerem.
http://www.youtube.com/watch?v=A1KBX7sezoA


Veja que os cidadãos foram imediatamente expulsos de casa pelos homens de colete da ambulância, e são forçados a ir para a rua e ficam desorientados em meio ao bombardeio, e os homens de colete guiam o povo para os locais em que as bombas estão caindo, e o cinegrafista (que também é um homem de colete), se afasta, crendo que vai conseguir filmar o flagrante de uma bomba acertando o grupo, mas não consegue. É chocante. As tropas de Israel param de atacar o local onde o amontoado de pessoas está, e passa a atacar outro local da rua, e então, os homens de colete guiam o povo para o local do bombardeio, enquanto o cinegrafista se afasta novamente.
Em todo o momento, é visível que o objetivo deles é colocar os civis no mesmo lugar em que as bombas estão caindo, e cinegrafistas para filmar tudo. É o cúmulo da canalhice.







Paulo Lima -


27/7/2014 às 9:41




O que esperar de um governo nazipetista? Nada sensato, nada inteligente, nada racional, nada se pode esperar de um governo que venera Fidel Castro e elogia o governo venezuelano. O Brasil eztá entregue a ratos e , tudo indica, ira afundar nos próximos 4 anos.







Eduardo -


27/7/2014 às 9:34




O top top Garcia não é só anão diplomático.É sobretudo, anão moral.







Eduardo -


27/7/2014 às 9:32




Brilhante, Constantino. Você disse tudo o que eu gostaria de dizer se me fosse dado tal capacidade intelectual. Quanto a Marco Aurelio Garcia, como esquecer sua infâmia ao fazer um “top top” ao analizar aquele desastre aéreo. Se Dilma tivesse um pingo de dignidade, já teria enfiado o pé na bunda (perdão, mas não encontro outro termo,) desse crápula.







Monica -


27/7/2014 às 9:27




Rodrigo, obrigada pelo seu texto enobrigada pela sua sensatez! Se todos os jornalistas tivessem a sua responsabilidade, nao estaríamos hoje ouvindo tanto asneira e sendo tão odiados! Parabéns por dizer A VERDADE!







Alberto Linhares -


27/7/2014 às 9:01




Concordo plenamente com o governo Israelense, e acrescentaria:
Anão na educação
Anão na saúde
Anão na infra-estrutura
Anão na segurança, etc.







arie robinson -


27/7/2014 às 9:00




um artigo maravilhoso
deveria ser traduzido para muitos idiomas para que todos possam compartilha-lo







CK -


27/7/2014 às 8:51




Perfeito, Constantino. Bravo!







David -


27/7/2014 às 8:04




O palácio do planalto é um antro de terrorista e ladrões a começar por Dilma esperar o que dessa gentalha.
o povo brasileiro não suporta mais essa escória.
FORA DILMA E LEVA OS PIGMEUS DO ITAMARATY COM VOCÊ.







eliosir -


27/7/2014 às 7:59




Brilhante e emocionante o seu artigo Rodrigo.A melhor resposta e derrotar os petralhas nas urnas.







Rangel Camargo -


27/7/2014 às 7:31




Os deputados do PSOL queimando a bandeira de Israel não me causa espanto.
Numa manifestação na Praça da Sé,representantes dos partidos de esquerda queimaram a bandeira do Brasil.
Eu torço por uma Intervenção Militar para por fim na escória vermelha que se apossou do Brasil.







Danielle -


27/7/2014 às 7:00




Mais uma vez parabéns por não ser mais um insano no meio desta mídia tão tendenciosa







ÂNGELO SANTOS -


27/7/2014 às 2:24




Déspotas anti Israel ! Para estes, tudo contra Israel é legítimo ! Apóiam terroristas contra o Estado judeu ! Força Israel creio eu só perder para os Estados Unidos em número de inimigos ! O sucesso faz mal !







Fbr -


27/7/2014 às 1:47




http://jfjfp.com/?p=62111


Concordo com o artigo mais claramente existe gente que quer ver os palestinos mortos em Israel


Eu não sou um estrategista militar mais eu acredito que um jeito de evitar as mortes é uma ofensiva terrestre mesmo, pra tirar o hamas do poder e colocar um partido menos agressivo







Gustavo -


27/7/2014 às 0:52




Rodrigo, comente a fortuna do Michael Moore revela por seu divórcio!







João Victor -


27/7/2014 às 0:40




Eis uma notícia que seria suficientemente capaz de esclarecer a moral subversiva da facção terrorista Hamas:


https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&cad=rja&uact=8&ved=0CCkQFjAB&url=http%3A%2F%2Fg1.globo.com%2Fmundo%2Fnoticia%2F2011%2F05%2Fhamas-condena-assassinato-de-osama-bin-laden-pelos-eua.html&ei=qlDUU4u_IdW3yASQqIKABw&usg=AFQjCNGmLi15C20FCZp1vlU9bfzrVaGwNQ&sig2=HwK6wbyNbcSG0Ng5N8LOeQ


https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=4&cad=rja&uact=8&ved=0CD4QFjAD&url=http%3A%2F%2Fwww.nytimes.com%2F2011%2F05%2F03%2Fworld%2Fmiddleeast%2F03gaza.html&ei=qlDUU4u_IdW3yASQqIKABw&usg=AFQjCNHSrqWWH4Y6V6B0qzNnhv_maoKjPg&sig2=g-AbvL3wNuo5XPn46_FXew







Adely -


27/7/2014 às 0:38




Infelizmente a midia tem grande culpa nisso pois de maioria tendenciosa e antisemita, divulga apenas um lado da história e omite o que poderia ser usado em defesa de Israel. Parabens pelo seu texto e por ser quase exclusivo nesse país e na maioria dos meios de comunicação. Hitler se utiliziu da engengaria social e dos meios de comunicação para avançar com seu plano diabolico e infelizmente não estamos livres de que essa loucura aconteça novamente.e por esse motivo mais do que nunca Israel tem o direito de se defender.







Joe Diwan -


27/7/2014 às 0:27




Caro Rodrigo Constantino, segue abaixo o conteúdo da carta que protocolei dia 25/07 no gabinete paulista da Presidência da República:


São Paulo, 25 de Julho de 2014


Excelentíssima Presidenta da República
Sra. Dilma Rousseff


Sou brasileiro e amo o meu país. Sou judeu e amo o Estado de Israel.


O que muitas pessoas não sabem é que, na história de Israel, um brasileiro tem um papel de destaque. Trata-se do diplomata Osvaldo Aranha. Ele foi uma peça importantíssima na criação do Estado judeu.


Em 29 de novembro de 1947, no exercício da Presidência da Assembleia Geral das Nações Unidas, Osvaldo Aranha declarou: “33 votos a favor, 13 contra, 10 abstenções e uma ausência”.


Aranha foi reconhecido pelo povo judeu como um dos articuladores para a criação do Estado. No dia 14 de Maio de 1948 nascia Israel.


Brasil e Israel compartilham longa história de cooperação nas áreas técnica, científica e tecnológica. Desde os anos 1960, Israel contribui para o desenvolvimento da agricultura do semiárido, por meio da difusão de técnicas de irrigação em regiões do Nordeste brasileiro. Além da cooperação interestatal, registra-se intenso diálogo entre instituições brasileiras e israelenses, privadas ou governamentais.


É importante ressaltar que as relações entre Brasil e Israel se pautam em fortes vínculos humanos e culturais, tendo em vista a multissecular presença judaica no Brasil, primeiramente com as comunidades de cristãos-novos, em tempos coloniais, e, posteriormente, com a vinda de imigrantes judeus, nos séculos XIX e XX.


Baseando-se no histórico dos relacionamentos entre Brasil e Israel, confesso que fiquei muito preocupado e desapontado com a atitude do nosso Ministério das Relações Exteriores, na qual se evidenciou uma abordagem unilateral do conflito na Faixa de Gaza, ao serem feitas duras criticas a Israel e praticamente ignoradas as ações do grupo terrorista Hamas.
Por que não foi dita sequer uma palavra sobre os mais de 9.000 foguetes lançados contra Israel e por que não foi questionada a postura do Hamas em não aceitar ou respeitar um cessar-fogo?


E o que dizer da política dos escudos humanos adotada pelo Hamas, claramente caracterizada como um crime de guerra?


Alguma preocupação por parte do Ministério das Relações Exteriores com os mais de 20 mil brasileiros que vivem em Israel, cujas vidas estão ameaçadas diariamente por conta dos foguetes do Hamas?


Ou com os brasileiros que vivem na Síria, onde já morreram mais de 170 mil pessoas, sendo 15 mil crianças, inclusive com armas químicas. O embaixador brasileiro em Damasco foi chamado de volta?


Presidenta Dilma, sinto que falta sensibilidade e clareza para analisar os fatos, se compararmos com as visitas e o franco apoio da primeira-ministra da Alemanha a Israel, do ministro do Exterior da Inglaterra, do secretário de Estado dos Estados Unidos, da ministra da Exterior da Itália. O próprio Secretário-Geral da ONU visitou Israel e declarou que o país tem todo o direito de se defender do ataque de um grupo terrorista (Hamas).


Como provas irrefutáveis foram mostrados inúmeros crimes cometidos pelo Hamas, como a utilização de escolas da ONU para abrigar foguetes e materiais bélicos, colocação de bases de lançamentos de foguetes em escolas, hospitais e áreas densamente povoadas.


Além da construção de túneis voltados para ações criminosas e de destruição, em vez de prover melhores condições de vida para o povo que vive na Faixa de Gaza.


Excelentíssima Presidenta, o Brasil perde a oportunidade de manter a sua legítima figura como mediador no complexo conflito do Oriente Médio.


Como brasileiro, espero do fundo de minha alma judaica que meu país reconsidere sua atitude, que prevaleça o bom senso e que se defendam os povos de bem, afinal de contas Israel é o único país democrático do Oriente Médio, e o valor que damos a uma vida é imensurável.


Termino esta carta com uma frase que é a verdadeira expressão do judaísmo dita por um grande sábio da antiguidade, Rabi Akiva:


¨Veahvtá Lereachá Camocha¨ Ama a teu próximo como a ti mesmo.


É uma pena que os outros povos não pensem assim…


Joseph Diwan







Joe Diwan -


27/7/2014 às 0:24




Parabéns novamente, seus textos são de uma clareza de ideias e verdades que muito nos orgulham!







Fabio -


27/7/2014 às 0:11




Parabéns Rodrigo por mais um excelente artigo. Eu tenho muita dificuldade em acreditar na ignorância quando utilizam o termo genocídio ou então quando comparam a resposta do IDF com o nazismo. A dificuldade reside na quantidade de informação disponível atualmente e pela formação das pessoas que propagam tais asneiras. Fico, pois, com sua segunda opção. Cumpre ainda ressaltar o histório de ajudas humanitárias de Israel junto a países como Sudão, Somália, Sri Lanka, Turquia, Kosovo, Filipinas, Gaza, dentre inúmeros outros. O histórico já diz tudo.


Em relação ao antissemitismo travestido de anti-sionismo, os atos violentos na Europa atualmente, já falam por si só. A falácia da legitimidade da resistência junto à política expansionista e colonialista cai por terra. Na verdade já havia caído em 2005, com a saída unilateral de Gaza.


Parabéns novamente! Continue “remando contra maré” nos mais diversos assuntos, a despeito de todas as dificuldades. Abraços







Carlos -


26/7/2014 às 23:17




Com esse governo, o Brasil só está tendo motivos para se envergonhar.







Johnny Ipa -


26/7/2014 às 23:12




Parabéns pelo artigo Rodrigo


Sinto que vivemos uma total inversão de valores,não vejo ser uma questão cultural,econômica ou de educação,pois assisto todo dia pessoas educadas,com boa condição financeira,bons empregos ou que lutam por “suas questões culturais” falarem ou agirem como bárbaros e muitas vezes invertendo uma realidade,simplesmente por seguir o seu grupo na qual fazem parte ou por interesses próprios (manutenção do emprego,favorecimentos econômicos,família,religião,etnia,relações,amorosas,negócios).
Acredito que o mundo perde muito com a “democracia global” (todos querem se meter nos problemas dos outros), onde lugares menos privilegiados financeiramente com problemas religiosos/étnicos tendem a contaminar lugares melhores financeiramente, que levará a humanidade a uma guerra generalizada, necessitando o uso de força maior por parte das grandes potências mundiais.
Frt abraço







Ivens -


26/7/2014 às 23:07




De um lado há um povo que se acha no direito de pilhar, matar e destruir um outro povo porque está escrito em um livro de fábulas que lá é a terra prometida por deus. Dou outro, extremistas (não poderia ser ao contrário), que defendem o seu direito de permanência, de morar, de viver.
Misture tudo isso com religião, instrumento de resistência de ambos os lados: ” A terra prometida” x “jihad islâmica”. Adicione os anseios econômicos dos EUA na região com o auxílio do sionismo.
Nunca haverá trégua e acordo na região, assim já sabia e disse Ben Gurion.







sarah grossmann -


26/7/2014 às 22:50




Sr Rodrigo
parabens pela sua coragem e honestidade
obrigada







Gustavo -


26/7/2014 às 22:49




Eixo do mal, podem acreditar, a história do Brasil está sendo manchada







Telma -


26/7/2014 às 22:43




Parabéns, artigo excelente!







Augusto Paiva -


26/7/2014 às 22:22




Muito pertinente abordar esse tema nesse momento em que se discute o conflito palestino-israelense. Eu leio muitos comentários fazendo tais ‘‘comparações’’. É muito comum flagrar isso de alguns esquerdistas, que sem pejo nenhum chamam o holocausto de ‘‘holoconto’’ e afirmam que os judeus descontam nos palestinos o que sofreram com o nazismo, havendo até quem evoque por um segundo Hitler na Terra. No mesmo momento em que negam o holocausto, se contradizem ao dizer que os judeus descontam o sofrimento do passado nos palestinos. Esdrúxulo demais é pouco, é o cúmulo da aberração cognitiva quando um esquerdopata chama de nazista quem expresse em favor de Israel defender-se. Isso nada mais é do que um anti-semitismo de cabeças quentes e confusas. O ódio é cegueira e confusão. Chamar Israel de nazista é a velha e falida artimanha de Lênin do ‘‘xingue-os do que você é, acuse-os do que você faz’’. Quem tem parte com o nazismo na história: 1)http://nottupy.wordpress.com/2007/11/29/o-crescente-e-a-suastica/. 2) http://www.beth-shalom.com.br/artigos/isla_nazismo.html.







Clayton -


26/7/2014 às 22:13




Iane Kestelman – 26/07/2014 Recentemente voltei a assistir A Lista de Schindler (versão blu-ray) depois de mais de 15 anos, e me emocionei com as cenas fortíssimas, impactantes do filme. As cenas que vemos em Gaza são lamentáveis, mas o holocausto foi de uma atrocidade talvez sem precedentes.







Rafael -


26/7/2014 às 22:06




Excelente. Texto irretocável. O que estamos vendo é o mais perfeito retrato da guerra assimétrica, onde um lado pode tudo, absolutamente tudo, ao passo que o outro lado tem limites de ação. O lado que pode tudo é o Hamas, organização TERRORISTA e que por sua própria natureza violará sempre e sempre os direitos humanos, ainda que de seu próprio povo. Do outro, as forças armadas israelenses, que, ainda que dona de uma superioridade militar acachapante, não pode agir sem limites. Para os que vociferam que Israel está reagindo de forma “desproporcional”, afirmo que se assim fosse a Faixa de Gaza já teria sido riscada do mapa da região. Israel já mostrou desde sua fundação que é invencível no campo militar, tendo demonstrado a todos os países que o atacaram desde o dia seguinte à sua fundação que é um adversário de força acima do normal. A grande mídia não mostra as imagens de cidades israelenses, inclusive Tel-Aviv, sendo atacada dia e noite por chuvas de foguetes lançados a partir de Gaza pelo Hamas. As sirenes que alertam a população que um ataque de foguetes foi lançado são tão comuns como o barulho do vento. Milhares e milhares de foguetes contra o solo israelense. Um dia a Estrela de Davi tem que tomar uma atitude mais violenta e assim o faz. O mundo, que não dá a mínima para os ataques sofridos por aquele país, agora lhe aponta o dedo porque se defende. “Civis estão morrendo”, dizem os críticos. Sim, estão morrendo porque os Hamas os usa como escudos humanos, fato este que não merece crítica igual. O povo israelense sobrevive há mais de cinco mil anos, da escravidão no Egito ao holocausto nazista. Eles continuarão vivos. A Estrela de Davi é mais forte que seus inimigos.







alberto santo andre -


26/7/2014 às 21:54




o que talvez sirva de comparaçao com gaza ,seja o uso de moradores por traficantes que os usam assim omo os terroristas ,como escudos ,e que por terem o controle destas pessoas ,ainda fazem propaganda contra as forças da lei e ainda justificam suas barbaries ,como retaliaçoes por terem assassinos presos ou mortos ,na realidade o governo brasileiro faz com o estado de israel o mesmo que faz contra governos que lutam contra os traficantes ,assassinos, ladroes, principalmente se menores o que lhes da o direito de assassinar pais de familia ,estrupar mulheres e assassinar jovens que tem toda a vida pela frente simplesmente porque sao vagabundos ,e nao querem trabalhar e estudar e querem ter as mesmas coisa daqueles que se sacrificaram ,trabalhando ,estudando e perdendo parte de sua juventude para que pudessem ter um nivel de vida melhor depois ,,,,que justiça e governo federal,que falam em democracia ,e que coloca no mesmo saco vagabundos assassinos e safados , com trabalhadores estudantes e honestos , ejulgam que todos teem o mesmo direito…vagabundos so sustento os que sao sustentados pelo governo federal que me espolia em meus rendimentos ,pois meus filhos eu e minha esposa os educamos trabalhadores ,estudiosos ,e sobretudo honestos ,tanto mais que, assim como eu, jamais votaram em bandidod petistas.







Arnaldo Arnolde -


26/7/2014 às 21:48




Mohammad Deif, chefe do Hamas disse: “As Brigadas al-Qassam estão melhor preparadas para continuar com nosso caminho exclusive ao qual não há outra alternativa, o caminho da jihad e da luta contra nossos inimigos da ação muçulmana e do mundo. Dizemos a nossos inimigos: vocês estão no caminho da extinção e a Palestina vai se tornar nossa, desde o Mar Mediterrâneo até o R i o Jordão, do Norte ao Sul. Vocês não têm direito a um centímetro dela” – qual seria a resposta “proporcional” a isso?


Tenho mostrado essa declaração do chefe do braço armado do Hamas pq ela sintetiza a situação.
Irã, Catar e Síria q estão por trás do Hamas querem a EXTINÇÃO dos judeus.
É essa a “proporcionalidade” q Israel enfrenta.
Os árabes estão rachados pela primeira vez, apenas os 3 citados mais a Turquia defendem o Hamas, o restante não.
Não estão do lado de Israel, claro, mas, combatem o Hamas e querem uma solução por acordo, da forma q Israel assinou com o Egito e Jordânia, e com o Líbano apesar de ñ ser oficial.
É uma sensível melhoria no quadro para Israel.
Em compensação a multidão de alienados politicamente corretos ocidentais q ñ tem noção nem histórica nem atual do q acontece no OM, aumentou.
Uma coisa importante para a gente entender a dificuldade de Israel em resolver a situação militar é q ñ existem apenas túneis para passar por baixo da fronteira e entrar em Israel, existem tb bunkers para lançamento de mísseis em mísseis ao lado das casas, mas, o acesso ao bunker é feito de dentro das casas.
O chefe do Hamas deu uma entrevista no Catar, onde reside, apertado pelo entrevistador ele deixou escapar isso para se vangloriar
É por isso q Israel ñ abre mão da destruição ñ apenas dos túneis, mas, tb das instalações subterrâneas para lançamento de mísseis.
Esperemos q dê tempo para Israel destruir esses bunkers antes da “opinião pública” ocidental forçar Israel a parar essa operação.







Guilherme -


26/7/2014 às 21:44




O maior absurdo que ouvi até agora foi: “será que os judeus não aprenderam nada com o Holocausto?”.







Daniel -


26/7/2014 às 21:42




Eu fiz as contas!! Contando as mortes de 17 dias de conflito, Israel precisaria de apenas 130 ANOS para dizimar a população de Gaza. Isso se nenhum habitante de lá ter filho durante esse tempo.
Falar que Israel odeia árabe é muita ignorância, sendo que 20% da população de Israel (1,5 milhão) é árabe/muçulmana e tem os mesmos direitos de judeus, cristãos, gays, etc.







Marcos -


26/7/2014 às 21:07




Caro Rodrigo boa noite
O que mais falar depois de um artigo tão brilhante? Não sei se primeiro te cumprimento ou se te agradeço por ter o dom maravilhoso da escrita e poder amenizar as críticas injustas que Israel vem sofrendo.
Pena que seu conhecimento e seu bom senso não possam chegar a tantas pessoas que deveriam ouvir e acabam como massa de manobra da mão de pessoas sem comprometimento com a paz
GRANDE ABRAÇO E PARABÉNS !!


1 2 Próximo »








Recomendados para você











De Adam Smith para Dilma. Ou: A maldição do ouriço: um paralelo entre Eike Batista e Dilma







Geraldine Chaplin: ‘Acho que a atriz teve asco de mim’







Katy Perry se declara ao vivo para jogador de futebol americano universitário










Arquivo

NOVEMBRO 2014


S

T

Q

Q

S

S

D


« out








1

2


3

4

5

6

7

8

9


10

11

12

13

14

15

16


17

18

19

20

21

22

23


24

25

26

27

28

29

30




Serviços
Tablet
Android
Facebook
Foursquare
Twitter
Google+
RSS
Newsletter
Anuncie
Tempo
Cotações
iba clube
Assine



Assinaturas








Nome: Nasc.: E-mail: CEP:

Apenas 8x R$ 64,50



Notícias
Brasil
Ciência
Economia
Educação
Entretenimento
Esporte
Mundo
Saúde
Vida Digital
RSS
Infográficos
As Listas de VEJA
Saber +
Na História
Em profundidade
Perguntas e Respostas
Conheça o país
Cronologia
Quem é Quem
Testes
Vídeos e Fotos
Vídeos
Galerias de fotos
Galerias de vídeos
Revistas
VEJA
Os livros mais vendidos
Edições especiais
Expediente
VEJA São Paulo
VEJA Rio
Comer e Beber
VEJA na Sala de Aula
Temas
Reportagens, vídeos,
infográficos e cronologia
de assuntos em
destaque no noticiário

Blogs e colunistas
Antonio Ribeiro, de Paris
Augusto Nunes, coluna
Caio Blinder, de Nova York
Felipe Moura Brasil, blog
Fernanda Furquim, séries de TV
Geraldo Samor, mercados
Isabela Boscov, cinema
Lauro Jardim, Radar on-line
Leonel Kaz, cultura
Lucia Mandel, dermatologia
Patrícia Villalba, Quanto Drama!
Paula Pimenta, Fazendo meu blog
Reinaldo Azevedo, blog
Ricardo Setti, coluna
Rodrigo Constantino, coluna
Sérgio Rodrigues,
livros e escritores

Cidades Sem Fronteiras,
Mariana Barros

Parceiros
Contas Abertas
Excelências
Blogs da redação
Impávido Colosso, infográficos
Viver Bem, saúde
VEJA nas Olimpíadas
Maquiavel, política
VEJA Acompanha
VEJA Meus Livros,
literatura

Dez Mais, variedades
Vida em Rede, internet
Acervo Digital, história
+ Tech, tecnologia
Sobre palavras,
Sérgio Rodrigues

Enquetes, opinião
Sobre Imagens, fotografia
Imperdível, variedades
Conversa em Rede, internet
Testes,
conhecimentos gerais

Serviços
Assine VEJA
iba
Busca
RSS
Twitter
Facebook
iPhone
Celular
Newsletter VEJA
Fale conosco
Para anunciar
Abril SAC
Aponte erros
Tempo
Cotações
Redes Sociais
Termo de uso
Política de
Privacidade



Editora AbrilCopyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados