sábado, 1 de novembro de 2014

http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=4213724&seccao=Leonídio+Paulo+Ferreira&tag=Opinião+-+Em+Foco&success=1






INÍCIO
POLÍTICA
DESPORTO
CARTAZ
VÍDEOS
ESPECIAIS
GALERIAS
ARQUIVO
NOTÍCIAS MAGAZINE

benaiah c... | logout




DN Mobile|
Iniciativas DN|
Assine o DN|
Classificados|
Loja do Jornal
Portugal
Globo
Economia
Ciência
Artes
TV & Media
Opinião
Pessoas



No fim, se ficarem só dois, será Israel e a América


por LEONÍDIO PAULO FERREIRAHoje3 comentários







Um responsável americano terá chamado "cobarde" ao primeiro-ministro israelita e a Casa Branca teve de apressar-se a pedir desculpas. Depois, foi o próprio secretário de Estado John Kerry a descrever como "vergonhoso, inaceitável e danoso" o comentário sobre Benjamin Netanyahu, segundo o Jerusalem Post. Há uns meses tinha sido o mesmo Kerry a fustigar Israel por o ministro da Defesa, Moshe Yalom, tê-lo apelidado de "messiânico" e ainda acusado de fraqueza a Administração liderada por Barack Obama. Significa isto que Estados Unidos e Israel estão em rota de colisão? Que a relação especial velha de décadas está ameaçada?


Basta notar que uma vez mais, este ano, a ajuda americana a Israel ultrapassará os três mil milhões de dólares para se ter a certeza que não. Nenhum país recebeu até hoje mais dinheiro dos Estados Unidos que Israel, e quase todo destinado aos militares, prova de que a América vê no país o seu mais sólido aliado no Médio Oriente. Mais confiável até do que a Turquia, membro da NATO, ou a Arábia Saudita, parceira desde a década de 1930, quando os Saud negociaram a proteção americana em troca de abundância de petróleo no mercado.


"O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou estar sob ataque de críticos "anónimos" simplesmente porque defende Israel e os seus interesses de segurança nacional, mas salientou "acarinhar" a aliança de Israel com os Estados Unidos apesar das divergências", pode ler-se no Haaretz. Em causa um artigo na revista The Atlantic em que um alto responsável americano acusa o dirigente israelita de pensar só na sua sobrevivência política. A coberto do anonimato, a mesma figura diz que "a única coisa boa em Netanyahu é que tem medo de iniciar guerras" e acrescenta que este "não é um Rabin, não é um Sharon e certamente não é um Begin", tudo referências a antigos primeiros-ministros israelitas com currículo de general vitorioso.


Por um lado, a América critica Israel por insistir em construir mais colonatos judaicos na Cisjordânia e impedir assim avanços no processo de paz com os palestinianos. Por outro, Israel receia ver os Estados Unidos a serem complacentes com o projeto nuclear iraniano agora que a prioridade no Médio Oriente parece ser o combate ao Estado Islâmico, o grupo jihadista que controla vastas porções da Síria e do Iraque. Ambos têm razão. E se já se percebeu que entre Obama e Netanyahu o diálogo não é fácil - o próprio New York Times fala de "uma relação azeda"-, as suspeitas de quem é mais culpado da situação só podem recair sobre aquele a quem a imprensa israelita trata por Bibi. Na primeira passagem pelo governo, entre 1996 e 1999, também foi incapaz de criar cumplicidade com Bill Clinton, destruindo o legado de entendimento entre israelitas e palestinianos que os americanos se tinham esforçado por construir com os Acordos de Oslo de 1993. Há dias, o Politico citava o ex-presidente Clinton a dizer que Netanyahu "não é homem para fazer a paz".


É mais complexa do que parece a relação entre americanos e israelitas e isto desde o início. Apesar de Harry Truman se ter antecipado em três dias a Estaline no reconhecimento do novo Estado em 1948, os Estados Unidos não foram de grande ajuda nesses primeiros tempos difíceis. Basta lembrar que foram armas da Checoslováquia que permitiram aos combatentes judeus resistirem aos exércitos árabes e que na década seguinte a assistência militar a Israel veio de França. Os americanos não hesitaram mesmo em unir-se aos soviéticos para o ultimato a israelitas, franceses e britânicos em 1956 quando tentavam impedir que o canal de Suez passasse para controlo do Egito.










INÍCIO
POLÍTICA
DESPORTO
CARTAZ
VÍDEOS
ESPECIAIS
GALERIAS
ARQUIVO
NOTÍCIAS MAGAZINE








| | |

benaiah c... | logout




DN Mobile|
Iniciativas DN|
Assine o DN|
Classificados|
Loja do Jornal
Portugal
Globo
Economia
Ciência
Artes
TV & Media
Opinião
Pessoas


No fim, se ficarem só dois, será Israel e a América


por LEONÍDIO PAULO FERREIRAHoje4 comentários




Só com a Guerra dos Seis Dias, em 1967, a aliança entre os Estados Unidos e Israel se solidificou. Todos os presidentes a partir de Lyndon Johnson estreitaram a cooperação com o Estado Judaico, apoiados por uma opinião pública com manifesta simpatia por Israel. Claro que existe também um poderoso lobby judaico, compreensível num país que conta com seis milhões de judeus, alguns com raízes na América desde o século XVII, quando famílias expulsas de Portugal chegaram a Nova Amesterdão (hoje Nova Iorque) depois de passagens pela Holanda e pelo Nordeste brasileiro ocupado pelos holandeses.

Entende-se melhor essa influência da comunidade judaica nos Estados Unidos se em vez dos 2% de população se destacar que integra 12 dos cem senadores, três dos nove juízes do Supremo Tribunal e um terço dos americanos que ganharam um Nobel. Uma sondagem da Gallup, feita quando Gaza estava a ferro e fogo em agosto, dava 42% dos americanos a apoiar as ações israelitas contra o Hamas e apenas 12% as do grupo palestiniano contra Israel.

É nas votações nas Nações Unidas que essa solidariedade americana mais se evidencia. Ainda em julho o Times of Israel se interrogava: "Por que ninguém exceto os Estados Unidos votou contra a resolução anti-israelita da ONU?" O jornal referia-se a uma sessão em Genebra, no Conselho dos Direitos Humanos, em que dos 29 países com direito de voto apenas um se opôs a uma responsabilização de Israel pela guerra em Gaza. Como contrapartida, nesta semana, quando a Assembleia Geral reunida em Nova Iorque votou o fim do embargo a Cuba, só Israel esteve ao lado dos Estados Unidos. Dos 193 Estados membros, 188 votaram a favor, três abstiveram-se.

Não será a atual animosidade entre a equipa de Obama e Bibi que estragará uma aliança que já no passado provou ser sincera e útil a ambos os lados, a ponto de os Estados Unidos arriscarem a sua posição junto dos aliados árabes e até tolerarem que Israel insista em ter espiões na América.

Ler Artigo Completo (Pág.2/2)



PATROCÍNIO





2374 Visualizações
0 Impressões
4 Comentários
0 Envios


FERRAMENTAS


Enviar por Email Partilhar

Imprimir

Comentar este Artigo





FERRAMENTAS









PARTILHAR NOTÍCIA

0 0 0




EM FOCO





Os dias da interrogação

ANSELMO BORGES


Hoje

15 comentários


Qual é a constituição da razão, que inevitavelmente põe perguntas a que depois não sabe responder? Essas perguntas, diz Kant, têm a ver com a liberdade: somos livres ou estamos inseridos na cadeia do...







A pesada herança

NUNO SARAIVA


Hoje

32 comentários



A 16 de Junho de 2011, por ocasião da assinatura do acordo de coligação com o CDS, Pedro Passos Coelho reafirmava aquilo que já tinha repetido algumas vezes em jeito de promessa eleitoral: "Não usaremos...








No fim, se ficarem só dois, será Israel e a América

LEONÍDIO PAULO FERREIRA


Hoje

4 comentários


Um responsável americano terá chamado "cobarde" ao primeiro-ministro israelita e a Casa Branca teve de apressar-se a pedir desculpas. Depois, foi o próprio secretário de Estado John Kerry a descrever como...







Gritos e bocejos

FERREIRA FERNANDES


Hoje

50 comentários



Ontem, as televisões eram um horror. Quero eu dizer, ainda mais. Além de todo o noticiário sobre as comemorações do Halloween, os filmes: O Último Exorcismo - Parte II (TVC4), Bem-Vindo à Zombieland (AXN)...





JORNALISMO DO CIDADÃO


A cidade e o nexo*

por Brassalano Graça, licenciado em Jornalismo


O DN está aberto à participação dos leitores. Use o emailjornalismodecidadao@dn.pt para publicar online os seus artigos, fotos ou videos. Publique os seus SMS usando o número 96 100 200
ComentáriosReacções no Twitter


3 Comentários
Página 1/1

Ordenar por:
Data
Nº de Respostas
1


Benaiah Cabral
01.11.2014/13:19


Responder

Partilhar: Email | Facebook | Twitter
denunciar este comentário »

Sim. Excelente




Benaiah Cabral
01.11.2014/13:17


Responder

Partilhar: Email | Facebook | Twitter
denunciar este comentário »

Artigo no mínimo. Excelente




vguerra
01.11.2014/10:56


Responder

Partilhar: Email | Facebook | Twitter
denunciar este comentário »

Israel está rodeado por inimigos que querem,à boa maneira islâmica,o seu desaparecimento.De resto esta é a única bandeira comum a todos eles.Vivem nos USA mais de 6 milhões de judeus,todos eles bem situados nas escalas financeiras e intelectuais do país.Não há mais nada a dizer.Israel continuará,bem acima dos seus vizinhos medíocres



Página 1/1
1

Comentar

Caracteres disponíveis: 750
Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo





Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nosTermos de Uso e Política de Privacidade. O DN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Receber alerta de resposta - será enviado um alerta para o seu e-mail sempre que houver uma resposta ao seu comentário. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.


Legenda


Utilizador Registado Utilizador Não Registado












CRONISTAS





Adriano Moreira

Alberto Gonçalves

Ana Sousa Dias

André Macedo
Diretor

Anselmo Borges

António Perez Metelo
Redactor principal




NOTÍCIAS MAIS VISTAS


Mourinho diz que não merece a Bola de Ouro e "responde"...


Talisca defendeu a liderança "à bomba" na Luz


Eles pedem, elas enviam fotos nuas. E os pais ficam...


"Ganha-se demasiado nesses lugares. É tudo excessivo"


Golo anulado ao Rio Ave: há ou não fora-de-jogo?


Fenómeno não para de crescer. Nem os salários


"Nani é extraordinário, não devia ter saído de Manchester"


Uma aposta direta para a lista dos mais ricos do país


Caças portugueses não intercetavam aviões militares...


Pai de prematuro internado no Dubai promete "fazer...


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10



PUB
I LIGA - ÉPOCA 2014/15 - JORNADA 9
BENFICA 1 - 0 RIO AVE
OS RESUMOS DA JORNADA









LEGENDA
Liga (9ª J): Resumo Benfica 1-0 Rio AveO Benfica recebeu e venceu o Rio Ave, por 1-0, em jogo de abertura da jornada nove do campeonato. O tento solitário da partida foi apontado por Talisca, aos 60 minutos, com um forte remate, de pé esquerdo. As duas equipas tiveram oportunidades para dilatar o marcador, mas as dificuldades na finalização foram comuns aos dois conjuntos, com a partida a terminar mesmo com o 1-0 favorável ao Benfica.













ESPECIAIS








CIDADES

Reestruturação da Colina de Santana



Mundo

Eleições Europeias 2014













últimas

+lidas

+comentadas

+pesquisadas



Técnicos internacionais dão nota positiva à resposta portuguesa em simulacros de casos de ébola


TAP cancelou mais de 100 dos 291 voos programados


Protestos de militantes pró-democracia após serem comparados aos escravos


Pelo menos 100 jihadistas do Estado Islâmico morreram em Kobane nos últimos 3 dias


Se voltasse a haver referendo, a Escócia votaria agora "Sim" à independência


Richard Branson garante que programa de turismo espacial é para continuar




PUBLICIDADE






Inquérito DN


Pensa que Jorge Jesus devia entrar na lista para o prémio de Melhor Treinador do Mundo?
Sim
Não
VER RESULTADOS






TAGS MAIS POPULARES


V. Guimarães Halloween Marco Silva Taça das Nações Africanas ébola Ucrânia Ucraniana Televisão Penafiel media Sérgio Conceição Vitória de Guimarães Vit. Guimarães Nova Iorque voos Sporting de Braga greve Espanha Estoril Praia Burkina Faso




DN

Epaper
















VOLTAR AO TOPO
INÍCIO
POLÍTICA
DESPORTO
CARTAZ
VÍDEOS
ESPECIAIS
GALERIAS
ARQUIVO
NOTÍCIAS MAGAZINE


Portugal
Globo
Economia
Ciência
Artes
TV & Media
Opinião
Pessoas


Diário de Notícias, 2009 © Todos os direitos reservados | Termos de Uso e Política de Privacidade | Ficha Técnica | Publicidade | Contactos





































VOLTAR AO TOPO
INÍCIO
POLÍTICA
DESPORTO
CARTAZ
VÍDEOS
ESPECIAIS
GALERIAS
ARQUIVO
NOTÍCIAS MAGAZINE




Portugal
Globo
Economia
Ciência
Artes
TV & Media
Opinião
Pessoas






Diário de Notícias, 2009 © Todos os direitos reservados | Termos de Uso e Política de Privacidade | Ficha Técnica | Publicidade | Contactos