terça-feira, 18 de novembro de 2014

NÃO HÁ LUGAR MAIS PRA MESQUITAS NO MONTE DO TEMPLO E JAMAIS PODERÁ EXISTIR ESTADO PALESTINO DENTRO DO GRANDE ISRAEL. A EUROPA DEVE SER RESPONSABILIZADA


AS MESQUITAS PRECISAM SER DEMOLIDAS IMEDIATAMENTE E TODOS APOIADORES DA CAUSA PALESTINA TEM QUE SER PRIVADOS DE JERUSALÉM OU ANDAR SOBRE VIGILÂNCIA OSTENSIVA E MORTAL. ISRAEL REQUER MEDIDAS MARCIAIS INEGOCIÁVEIS 

  • g1
  • gshow
  • vídeos
  • ENTRE
MUNDO
Homens com facas e machados matam fiéis em sinagoga em Israel
4 pessoas foram mortas pelos agressores, mas nº de vítimas pode aumentar. Homens supostamente palestinos foram baleados e mortos pela polícia.
18/11/2014 05h17 - Atualizado em 18/11/2014 06h15
Do G1, em São Paulo
Pessoal de segurança israelense corre para sinagoga atacada por dois homens. (Foto: Ronen Zvulun / Reuters)Pessoal de segurança israelense corre para sinagoga atacada por dois homens. (Foto: Ronen Zvulun / Reuters)
Pelo menos quatro israelenses morreram depois que dois homens supostamente de origem palestina invadiram uma sinagoga em Jerusalém Ocidental, Israel, com facas e machados, nesta terça-feira (18), informam as agências internacionais de notícias Efe e France Presse (AFP).
Ao atacarem as vítimas, os dois suspeitos foram baleados por policiais e morreram.
"Dois terroristas entraram na sinagoga do bairro de Har Nof. Atacaram com machados, facas e uma pistola. Quatro fiéis morreram. Os policiais que chegaram ao local abriram fogo e mataram os dois terroristas", disse a porta-voz da polícia, Luba Samri.
De acordo com a porta-voz, quatro fiéis e os dois policiais que atiraram contra os autores do ataque ficaram feridos.
Os criminosos eram palestinos de Jerusalém Oriental, informou Samri.
A sinagoga fica no bairro ultraortodoxo judaico de Har Nof, em Jerusalém Ocidental.
Na semana passada, palestinos também fizeram um ataque com facas e mataram uma mulher e um soldado israelense.
Ação palestina
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que o ataque é o 'resultado direto' da incitação feita pelo presidente palestino Mahmud Abbas.
"Isto é o resultado direto da incitação feita pelo Hamas e por Abu Mazen (Abbas), incitação que a comunidade internacional ignora de maneira irresponsável", afirmou Netanyahu em um comunicado.
Os grupos Hamas e Jihad Islâmica, as duas principais forças islamitas palestinas, elogiaram o atentado contra a sinagoga.
O ataque, o mais violento dos últimos anos na Cidade Sagrada, "é uma resposta ao assassinato do mártir Yusef Ramuni", um motorista de ônibus palestino encontrado morto na segunda-feira em seu veículo em Jerusalém Ocidental, afirmou o Hamas em um comunicado.
O porta-voz do grupo, Sami Abu Zuhri, afirmou ainda que o ataque é uma "resposta à série de crimes do ocupante (Israel) em (mesquita de) Al-Aqsa".
Os palestinos consideram uma provocação as visitas nas últimas semanas de extremistas judeus ao local sagrado da Esplanada das Mesquitas, cenário de tensão nos últimos dias.
A Jihad Islâmica considerou o ataque à sinagoga uma "resposta natural aos crimes do ocupante".
saiba mais
  • Motorista de ônibus palestino é encontrado enforcado em Jerusalém
  • Muçulmanos terão acesso ilimitado à Esplanada das Mesquitas nesta sexta
  • Acesso à Esplanada das Mesquitas é reaberto em Jerusalém
Mundo
  • Homens com facas e machados matam fiéis em sinagoga em Israel4 pessoas foram mortas pelos agressores, mas nº de vítimas pode aumentar. Homens supostamente palestinos foram baleados e mortos pela polícia.
  • Incêndio em casa noturna mata 5 no CambojaMortos são três mulheres e dois homens, entre eles um turista europeu. Boate não tinha janelas e só uma porta de saída.
  • Compromisso das Farc com a paz na Colômbia está 'em teste', diz SantosPresidente fez pronunciamento em rede de televisão nesta segunda-feira. No fim de semana, cinco pessoas, dentre elas um general,foram raptados.
versão clássica
Globo © 2001-2014
princípios editoriais