quarta-feira, 12 de novembro de 2014

PORQUE SE TRATA DE DIVIDIR PARA DOMINAR, SE HÁ JUDEUS DENTRO E FORA DE ISRAEL COM ISRAELENSES CONTRÁRIOS A ISRAEL COMO ESTADO OU A FAVOR DA POLÍTICA DE DOIS ESTADOS? PARABÉNS A ISRAEL POR MAIS ESTE ATO EVOLUÍDO E DEMOCRÁTICO


Israel reconhece etnia aramaica. Justiça ou tentativa de dividir os árabes?




Cristãos no Médio Oriente aguardam a chegada do Papa Francisco Foto: EPA


Alguns cristãos no Médio Oriente rejeitam a etnia árabe, mas os líderes religiosos tendem a desvalorizar factores que possam separar os fiéis dos seus vizinhos.


12-11-2014 15:02 por Filipe d’Avillez



SAIBA MAIS
“Cristãos serão o sal e a luz do mundo árabe”
E se nascesse um território para os cristãos no Médio Oriente?


Israel acaba de reconhecer uma nova etnia entre a sua população, os arameus. A alteração foi o resultado de uma campanha que representa algumas centenas de cristãos na aldeia de Jish, perto da fronteira com o Líbano, que reclamam esta identidade.




Recentemente o jovem Yaakov, de dois anos, e filho de um dos líderes da campanha pelo reconhecimento, tornou-se o primeiro cidadão de Israel a ser reconhecido como arameu nos seus documentos oficiais.




Para os defensores da medida, todos concentrados em Jish e membros da Igreja Maronita, que tem a sua sede no Líbano, esta é uma questão de justiça. Eram definidos como árabes, um adjectivo com o qual não se sentem identificados: “Temos preservado a nossa própria língua que ainda usamos na Igreja. Temos território, tradições, casamentos, tudo é diferente daquilo que se faz nas comunidades árabes e muçulmanas”, explica Shadi Halul, pai de Yaakov, que fez carreira nas Forças Armadas de Israel, em declarações à revista “Forward”.




Mas a medida, que para uns é uma mera questão de justiça, faz parte de uma disputa intensa que divide os cristãos da região e surge precisamente na altura em que muitos, sobretudo na região do Iraque e da Síria, procuram reforçar as suas raízes étnicas que são historicamente diferentes das dos árabes.




Mesmo em Jish nem todos os cristãos maronitas concordam com a opção da família Khallul. “Eles têm vergonha da sua etnia. Eu sou árabe, um cristão maronita árabe, e tenho orgulho nisso. As minhas raízes são palestinianas”, diz à agência Reuters Marvat Marun.




Dividir para conquistar?Para pessoas como Marvat a medida de Israel não passa de uma tentativa cínica de criar divisões entre a população árabe de Israel, que já representa cerca de 20% da população do Estado que é oficialmente judaico.




As alterações não contam com o apoio de qualquer líder político ou religioso cristão da Terra Santa. Os bispos e patriarcas, em particular, tendem a enfatizar a sua identidade árabe e já pediram aos que se consideram arameus para “ganharem juízo”.




Até há muito pouco tempo a esmagadora maioria dos cristãos na Terra Santa identificava-se como árabe e com a causa palestiniana. Isto era particularmente verdade no início da revolta contra Israel. Dois dos primeiros grupos armados que combateram Israel eram mesmo liderados por cristãos palestinianos.




Mas à medida que o Islamismo ganhou peso entre a população árabe, os cristãos começaram a sentir-se perseguidos e marginalizados. A actual disputa em Jish pode ser entendida como uma manifestação deste sentimento.




Por outro lado, historicamente, quase todos os cristãos do Médio Oriente descendem, de facto, de povos diferentes dos árabes. No Iraque e na Síria, sobretudo na sua terra ancestral do Vale do Nínive, muitos identificam-se como assírios e alguns até reclamam uma terra própria, algo que a maioria dos líderes religiosos rejeita firmemente.




Numa entrevista recente à Renascença, o Patriarca da Igreja Melquita, uma das maiores da região, desvalorizou esta tendência de reclamar identidades distintas: “Quem é árabe? Onde está o puro sangue árabe? O ser árabe é difícil de definir, há muitos grupos linguísticos e geográficos diferentes, é uma mistura, não podemos diferenciar. O que é um assírio? Assírio, sírio, caldeu, hebraico, cananeu, filisteu, estas pessoas estão mais próximas umas das outras que os europeus, porque as nossas línguas estão mais ligadas que as da Europa”.




No Líbano, por exemplo, onde os maronitas constituem um dos maiores grupos demográficos, não existe qualquer tradição de se identificarem como arameus.




Mas a um canal de televisão israelita, Shadi Khallul insiste que a decisão de Israel não tem nada a ver com a vontade de dividir a comunidade árabe: “Não há qualquer tentativa de dividir para conquistar. Israel fez justiça para com aqueles que procuram a sua identidade pessoal, quem se opõe a isto são racistas que negam a existência de minorias étnicas na região”.




Numa área do mundo em que questões como a etnia e a religião são motivo frequente para desentendimento e até guerra, a discussão promete continuar a acicatar paixões.


Share on facebookShare on twitter


Share on emailMore Sharing Services





PARTILHAR







Mais notícias de Religião





RELIGIÃO


Francisco quer bispos humildes e colaboradores com o povo





RELIGIÃO


Fátima vai ter um "Vale de Lágrimas"





RELIGIÃO


Cardeal recusa presidência interina no Burkina Faso


RELIGIÃO


Francisco condena “violência absurda” nas perseguições contra cristãos





RELIGIÃO


Fome e desemprego favorecem "recrutamento de terroristas"





RELIGIÃO


Astrónomo jesuíta vence medalha Carl Sagan




Comentários (1)



» Luis, Lisboa, 12-11-2014 16:47


^ topo





Um dia na terra santa habitará apenas cristãos como está escrito na Biblia Sagrada, levará o seu tempo mas já esteve mais longe e esse dia chegará.


PUB




Comentar


Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

















Tem 1500 caracteres disponíveis



Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.














Legionella faz sete mortos. Focos de contaminação eliminados










Os melhores cavalos do mundo são portugueses





Agência Espacial Europeia a caminho de fazer História





"Não podemos esperar que a nossa qualidade resolva todos os problemas"





Ministra diz que "Não há bode expiatório nenhum" para o "crash" do Citius





José Fonte: "Demorou a surgir a minha oportunidade na selecção"





Francisco condena “violência absurda” nas perseguições contra cristãos





Passos Coelho nega negligência do Estado na prevenção da legionella





Caso BES é "deplorável, chocante e cria danos enormes à banca"





Surto de legionella em "desaceleramento", diz ministro da Saúde








































INFORMAÇÃO BOLA BRANCA PROGRAMAÇÃO MÚSICA MULTIMÉDIA OPINIÃO





© 2014 Rádio Renascença. Todos os direitos reservados.

Rua Ivens, 14 – 1249-108 LISBOA | Telef.: 213 239 200 | mail@rr.pt

Site optimizado para as versões do Internet Explorer 7, 8 e 9, Google Chrome e Firefox