sexta-feira, 14 de novembro de 2014

PORQUE SUÉCIA, PARLAMENTO INGLÊS, FRANÇA E EQUIPE DE OBAMA INSISTEM EM TENTAR DESTRUIR O BOM ISRAEL COMEÇANDO EM JERUSALÉM E PARTINDO DO MONTE DO TEMPLO AO INVÉS DE SE PREUCUPAREM COM AS POPULAÇÕES MASSACRADAS PELAS MUITAS FORMAS DE ISLAMISMO? - Tem mãe ou teve? É mulhe? Aprecia ou respeita o sexo feminino? Então investigue e verá que tanto o Islã como a causa palestina forçada pela onu é contrária e abominável ao sexo feminino. Assuma seu mundo, no tempo certo as forças celestiais entram em cena





  • Israel critica Suécia por reconhecer Estado palestino ...

    internacional.estadao.com.br/.../geral,isra...
    30/10/2014 - Israel critica Suécia porreconhecer Estado palestino independente. OEstado de S. Paulo ... faca seu login no estadão ... Não é à toa que o antissemitismo cresce no mundo todo... porque o  ...
  • Suécia reconhece Estado da Palestina - Mundo - Jornal Tudo BH

    www.jornaltudobh.com.br/.../suecia-reco...
    30/10/2014 - Enquanto os palestinossaudaram a iniciativa sueca, Israel convocouseu embaixador  ...
  • SUÉCIA RECONHECE ESTADO DA PALESTINA; ISRAEL ...

    democraciapolitica.blogspot.com/.../sueci...
    01/11/2014 - O governo da Suécia reconheceu na quinta-feira 30, por ... a iniciativa sueca, Israel convocou seuembaixador no país ... Israel insiste que ospalestinos só podem ter status de Estado pormeio  ...
  • "Israel está doente": Cerco a Al-Aqsa, racismo e crimes de guerra

    www.diarioliberdade.org/.../52205-israel-...
    31/10/2014 - Um Estado onde os palestinosteriam os mesmos direitos que ... na "reação ao antissemitismo" para a mobilização em prol ... É certo que o reconhecimento doEstado da Palestina pela Suécia  ...
  • Lei Islâmica em Ação: Boletim de Anti-Semitismo

    infielatento.blogspot.com/.../boletim-de-a...
    29/04/2013 - Estado Islâmico diz que Sotloff não era inocente, "pois este homem era .... deseus meios de comunicação ou por meio de mídia social. ... Enquanto palestinos festejam o bombardeio de Israel,  ...



  • quinta-feira, 21 de julho de 2011


    Estupro e Escravidão Sexual

    Lendo este texto voce vai compreender porque o estupro e a escravidão sexual são permitidos no Islão: por serem práticas que seguem o exemplo de Maomé (ou seja, são sunna). Você vai saber também sobre duas das mulheres de Maomé, Juwairiya, que foi forçada a se casar com ele, e Rayhanah, que foi escrava sexual de Maomé. (Quando você se encontrar com um muçulmano, diga que você sabe da história de Juwairiya e de Rayhanah, e pergunte a ele porque ele usa como inpiração espiritual uma pessoa (Maomé) que foi um pervertido sexual.)
    Alguns fatos recentemente noticiados na imprensa internacional (e também no Brasil) chamaram a atenção para um fato que poucos se dão conta, de que o estupro e a escravidão sexual de mulheres não-muçulmanas é algo intrisicamente ligado ao Islão e ao seu profeta Maomé.

    ·    O caso da jornalista americana Lara Logan, estuprada por uma gangue de cerca de 200 em plena Praça Tahir, no Cairo, durante manifestações contra o governo egípcio de Mubarak. O estupro múltiplo durou meia hora até que um grupo de mulheres e soldados a resgataram. Durante o estupro a gangue ficou chamando-a de judía, o que alimentava mais o ataque. O fato dela não ser judía não era importante, mas sim o fato dela ter sido tratada com uma judía pela gangue [1].

    ·    Soldados egípcios fazendo teste da virgindade em mulheres que participavam das manifestações na Praça Tahir, no Cairo [2].

    ·    O caso da mulher líbia Iman Al-Obeidi, assaltada sexualmente por 15 guardas durante os dois dias em que ela ficou em custódia. Esta mulher entrou no hotel onde a imprensa internacional estava para denunciar os estupros, sendo imediatamente presa pelas autoridades líbias, que diziam que ela estava alucinada [3].

    ·    A acusação de que o regime de Kadafi está usando estupro como arma [4].

    ·    Os vários relatos da prática de estupro nas prisões iranianas, onde os guardas estupram mulheres antes delas serem executadas. Além disso, como existe a crença de que mulheres que morrem virgens vão diretamente para o céu, meninas virgens são casadas à força e estupradas, “impedindo” que elas sigam diretamente para o céu (ou seja, além do estupro, tortura mental) [5], [6].

    ·    O caso da ativista e candidata ao parlamento do Kuait, Salwa al Mutairi, que defendeu o retorno da prática da escravidão sexual, como históricamente praticada pelo Islão. Ela disse, entre outras coisas, que a escravidão sexual deveria ser novamente legalizada e que mulheres aprisionadas em zonas de guerra seriam ótimas concubinas. Segundo ela, um Imã (clérigo) saudita disse que a condição para que tal aconteça é que uma nação muçulmana deve estar em conflito (jihad) com uma nação não-muçulmanada, como na Chechênia [7]. Mutairi sugere o estabelecimento de agencias para vender escravas, semelhantes a agencias de empregadas, onde a escrava ganharia 50 dinares por mês para cozinhar, limpar a casa e tomar conta das crianças, sendo escrava das esposas de dia. E de noite, o marido não iria para fora de casa para dar as suas “voltinhas” pois é halal (permitido) ao marido ter sexo com sua(s) escrava(s) sexual(is) sem necessidade de matrimonio ou qualquer outra burocracia para satisfazer seus desejos sexuais. Melhor fazer isso em casa sob os olhares das esposas e por apenas 50 dinares! Bom negócio e bom para “preservar o casamento.” As escravas preferidas são as mulheres russas louras (árabes preferem escravas louras). Não pense que Mutairi é uma desmiolada. Na verdade, é comum encontrar mulheres muçulmanas tão radicalizadas que defendem a poligamia (praticada apenas pelos homens) e os casamentos temporários (permitidos apenas aos homens) mas se calam quando o assunto é açoitamento e apedrejamento de mulheres adúlteras [8].

    Para terminar, repare que as mulheres bem comportadas também são sujeitas a estupro, por exemplo, a lei no Afeganistão que regulamenta estupro das esposas [9].

    Estes acontecimentos são decorrência de pessoas pervertidas, ou de pessoas que se perverteram por um mal exemplo? Quando o assunto é Islão, existe sempre a possibilidade destes atos serem decorrência do comportamento considerado como exemplar, o comportamento do profeta Maomé. Vejamos alguns exemplos [10].  

    Maomé permitia o estupro de mulheres presas após as suas incursões militares:

    Ao final da Ghazwa (incursão militar comandada por Maomé) contra a (rica) tribo dos Banu Al-Mustaliq, Maomé viu seus seguidores estuprando as prisioneiras, fazendo coitus interruptus. Ao ver isso, Maomé perguntou por que eles estavam fazendo isso. Os seus seguidores disseram que eles não queriam que as prisioneiras engravidassem, pois isso reduziria o valor delas no Mercado de Escravos. Maomé brigou com os seus seguidores dizendo que era besteira ejacular fora da vagina, pois se for o desejo de Alá, as prisioneiras ficariam grávidas independete de onde a ejaculação ocorre [11].

    Veja que Maomé não condena o estupro de prisioneiras, mas o incentiva [12]. Além disso, Maomé não condena a escravidão, mas a pratica. E isso se solidifica no Alcorão:
    Alcorão 4:3 se refere às "mulheres que a sua mão direita possuir"; Alcorão 4:24 proibe o homem muçulmano de ter sexo com uma mulher já casada, exceto aquelas que a sua "mão direita possuir"; Alcorão 33:50 diz claramente quem são as "mulheres que a sua mão direita possuir": elas são aquelas conquistadas como espólio de guerra. 
    Juwairiya:

    Juwairiya era a filha do chefe dos Banu Al-Mustaliq. Os Banu Al-Mustaliq foram atacados sem aviso, pela manhã, quando davam de beber ao gado. Ao final do ataque de surpresa, todos os homens dos Al-Mustaliq estavam mortos, suas possessões roubadas, e as mulheres escravizadas e divididas entre os seguidores de Maomé. Juwairiya tinha sido aprisionada por um seguidor de Maomé. Porém, Maomé a comprou dele e “se casou” com ela, por ser ela a filha do chefe. Maomé ficou comovido com este seu gesto de generosidade[13].

    Maomé atacou a tribo, sem aviso, matou todos os homens, roubou suas posses, e aprisionou as mulheres. Depois disto, ele se “casou” com a mulher do chefe. Isso é semelhante a um grupo de traficantes invadir uma casa, matar os homens e estuprar as mulheres. E o chefe dos traficantes ainda ter a audácia de tomar a filha do dono da casa como esposa e se sentir comovido por este seu ato de generosidade. Eu chamo isso de estupro.

    Fonte islâmicas dizem que estes atos seguiam as “práticas prevalentes.” Práticas prevalentes? Mas, não era a função de Maomé a de mostar ao seu povo o modo correto de conduta? Porque ele deveria seguir as “práticas prevalentes” de um povo que ele chamava de “ignorante”? Ao agir como ele agiu, ele definiu o exemplo e aquelas “práticas prevalentes” tornaram-se as práticas padrão para o muçulmanos, para sempre.

    Safiyah:

    Safiyah era uma bela jovem judia de 17 anos, filha do chefe da tribo judáica dos Banu Nadir. Maomé havia expulsado-os de Medina dois anos antes, confiscando os seus bens, e, durante o processo, o pai de Safiyah foi decapitado, junto com todos os homens de outra tribo judáica de Medina, os Banu Quriaza. O restante dos Banu Nadir conseguiram refúgio no oásis de Kaibar. Safiyah se casou com seu primo, Kinana, que se tornou o chefe em Kaibar.  Maomé e os seus seguidores atacaram o oasis de Kaibar, de surpresa, matando os homens e escravizando as mulheres, e roubando as posses que os Banu Nadir tinham conseguido obter nos últimos dois anos. Roubados novamente por Maomé. Semelhante a o que aconteceu com Juwairiya, Maomé se casou do Safiyah. Maomé tinha 60 anos. Naquela noite, Safiyah foi lavada e vestida pelas mulheres muçulmanas e levada para a tenda de Maomé, onde foi estuprada. Durante a noite, um muçulmano, Muhammad saw Abu Ayyub, ficou de prontidão do lado de fora. Ele disse: “Eu estava temeroso por você, sozinho na sua tenda com esta jovem menina. Você matou o seu pai, o seu marido e muitos dos seus parentes. Eu estava mesmo com medo da reação dela.” No dia seguinte, Maomé colocou a sua capa sobre Safiyah, indicando que ela a tinha tomado como esposa[14].

    Teria isto sido estupro? Eu acho que sim. É muito improvável que uma jovem mulher gostaria de se atirar na cama com um homem velho que tinha assassinado o seu pai, e matado o seu marido e muitos dos seus parentes no dia da “noite de núpcias.” Aquela pobre mulher não teve escolha, e o “casamento” foi uma zombaria.

    Rayhanah:

    Rayhanah, uma menina de 15 anos da tribo judáica dos Banu Quraiza, foi outra vítima de Maomé. Maomé massacrou os Banu Quraiza em Medina, decapitando todos os homens (600 ou 800 dependendo da fonte) em uma única noite. As mulheres foram trazidas para Maomé que escolheu a mais bela de todas, Rayhanah (as outras foram distribuídas entre os muçulmanos). Rayhanah nunca se casou com Maomé, recusando-se a se tornar uma muçulmana para ter uma vida melhor. Ela foi forçada a ser uma escrava sexual do homem que matou o seu pai, irmãos e tios [15]. Maomé tinha 58 anos.

    Islão significa “submissão” e os muçulmanos são aqueles que se submetem. Se você quer saber o que realmente significa submissão, coloque-se no lugar de Rayhanah, constantemente estuprada pelo homem que matou seu pai, irmãos e tios.

    Em 2005, o blogueiro Fjordman acusava as autoridades e a imprensa suecas de silêncio diante do aumento de estupros na Suécia, correlacionado com o aumento no número de imigrantes muçulmanos. Esta situação tem se deteriorado desde então [16]



    Referências

    [1] 'They raped me with their hands': Reporter Lara Logan reveals terrifying details of mob sex attack in Egypt. Daily Mail.http://www.dailymail.co.uk/news/article-1381710/Lara-Logan-reveals-terrifying-details-mob-sexual-assault-Egypt.html



    [4] Rape in Libya: The Crime That Dare Not Speak Its Name. The Time.http://www.time.com/time/world/article/0,8599,2076775,00.html#ixzz1OqLd7DY3






    [11] Vários Hadith narram esta história bem como oferecem outros exemplos de Maomé apoiando o estupro de escravas: Bukhari 5. 59. 459; 3.34.432; 3.46.718;5.59.4597.62.1357.62.1367.62.137;8.77.6009.93.506; Sahih Muslim 8.3383;8.33888.33768.3377.

    [12] Qur’an, 4:24; Qur’an, 33:50; Qur’an, 4:3

    [13] Bukhari 3.46.717 ; Muslim 019. 4292.

    [14] Ibn Ishaq, p. 766.

    [15] Ibn Ishaq, p. 466.

    [16] Muslim rape wave in Sweden http://majorityrights.com/weblog/comments/muslim_rape_wave_in_sweden/


    15 comentários:

    1. umm
      ninguem para defender o islmismo :)
      Responder
    2. Ninguém com um pingo de bom senso defenderia os cabeça de toalha.
      Responder
    3. esse Maomé era um puto safado um porco.
      Responder
    4. Porco, nojento, como tem gente que admira uma pessoa assim, esse Maoḿé era um demônio, desgraçado, é assustador como o Islã cresce a cada dia.
      Responder
    5. socorrrrrrrrrrrrrrrrrrrooooooooooooo!!!!!!!! sou mulher!!!!!! quem olhara por nos se o isla dominar o mundo???
      Responder
    6. Socorrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrooooooooooooo!!! Sou mulher!!!! Se essa loucura se espalhar pelo mundo, o que sera de nos? Ja nao basta vivermos num pais sem lei , sem saude, sem respeito por partes das autoridades e sem saude ... Aqui no Brasil so faltava essa... Vou rezar a Deus que erradique o Isla, e todos os seguidores doentes! Foda-se Maome! Viva a liberdade de expressao!
      Responder
    7. Você é um louco, que não tem temor a Deus. Primeiro leia um Alcorão Sagrado, e conheça seu conteúdo, depois comente.
      Quanto ao profeta Muhammad ( que a paz e a misericórdia de Allah sejam com ele) , você não é digno de sequer pronunciar o seu nome.
      Que Deus se compadeça de você porque é um ignorante!
      Responder
    8. Prezado Anônimo

      Antes de mais nada, alguns esclarecimentos.

      1. O alcorão não é um livro sagrado, mas apenas um livro. Muito mal escrito por sinal, os capítulos estão fora de ordem, o texto é repetitivo, cheio de contradições, e, se lido na ordem correta leva os votários do islão a fazerem mal aos não-muçulmanos, mulheres e gays.

      2. Eu conheço o alcorão de traz pra frente, de modo que eu agradeço a sua sugestão em lê-lo, mas já o fiz e faço constantemente, porém sem me deixar poluir por ele.

      3. Maomé, ou Muhammad (ou seja lá como voce desejar dar a grafia a "mhmd") não é um profeta. Ele é uma figura semi-histórica (porque na verdade, não existem indicações concretas que ele tenha existido) a quem se atribui a criação de um sistema político-religioso.

      4. Com respeito a você me chamar de ignorante, obrigado, pelo menos você não está me ameaçando. Mas me diga o que está errado para que eu possa esclarecer. Talvez quem realmente tenha poucos conhecimentos seja você.

      Então, se você tiver algo mais específico para perguntar ou comentar, estamos às ordens. 
      Responder

      Respostas


      1. Qualquer religião q pregue segregação, humilhação e violência, não deve ser seguida, tão pouco considerada fé. Deus não é vaidoso. Simplesmente caridade e amor. Diante seus ensinamentos, somos todos iguais. Parabéns pela serenidade e clareza.
    9. Maomé era um pervertido esperto, adaptava as leis de acordo com seus interesses. O mais interessante é essa horda de ignorantes, que tem conhecimento disso, acham que o cara recebia ordem de Deus. Para mim ele era o 171 perfeito, inventava as leis ao seus interesses. Ainda tem aquela passagem que ele cobiçou a mulher do filho e mudou a lei para poder casar-se com ela.
      Responder
    10. Gostaria de saber por que a ONU E OS DIREITOS HUMANOS NÃO FAZEM NADA PARA MUDAR ESSA ABERRAÇÃO DA LEI ISLAMICA. ISSO É PURA IGNORÂNCIA, SÃO TODOS UNS PEDÓFILOS. QUE DEUS TENHA MISERICÓRDIA DE TODOS QUE CRUZAREM COM ESSES ESTÚPIDOS E SEM CORAÇÃO.
      Responder
    11. Meu Deus quantas injustiças!
      Temo que em alguma reencarnação num país desses.
      Não dá para acreditar que existam tantas maldades.
      Como essa gente do Islã é desalmada, que gente sem coração. que monstros!
      Por isso que eles não são abençoados. Só se ouve desgraças no meio dessa gente.
      Esse Maomé era um tirano então, igual ou pior que Sadan Runsen ou Muammar Kadafi. como eu demorei para sacar.
      Responder
    12. Nem o demônio quer Maomé lá no inferno, para não ter concorrência, que Deus, o nosso Deus soberano, faça justiça!!!
      Responder
    13. jeová era o mesmo... leia sua bíblia
      Responder
    14. Unknown: vamos supor que você esteja correto, que "jeová era o mesmo."

      E daí?

      Isso revoga as prescrições legais de estupro e escravidão sexual que estão em vigor na lei islâmica, e são postas em prática nos dias de hoje?

      Claro que não! 
      Responder