quinta-feira, 13 de novembro de 2014

SIM BIBI. TEM RAZÃO. SÃO ASSUNTOS BEM INTERNOS. OS LÍDERES DA SEGURANÇA TÊM UM COMPROMISSO SUPERIOR ÀS SUAS VIDAS, PAIXÕES E CRENÇAS. E TAMBÉM DEVEM OPERAR SOBRE SUA TOTAL SUPERVISÃO. DORAVANTE TODOS OS SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA DEVEM REPORTAR QUESTÕES GRAVES AO GABINETE SIONISTA E SUA PESSOA E VOCÊ DEVE DECIDIR ENTRE URGÊNCIA, EMERGÊNCIA, IMPORTÂNCIA E RELEVÂNCIA


Ofensiva em Gaza gera polêmica entre comandantes de Israel
Premiê israelense repreendeu chefes de segurança por divergências. Para ele, questões devem ser resolvidas entre os serviços de segurança.
13/11/2014 10h26 - Atualizado em 13/11/2014 10h26
Da France Presse
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, repreendeu o comandante do Estado-Maior e o chefe da Segurança Interna, ao afirmar que os dois não devem demonstrar em público as divergências sobre o recente conflito em Gaza.
Netanyahu afirmou que as questões devem ser resolvidas entre os serviços de segurança e não em público, durante uma reunião na quarta-feira com o comandante do Estado-Maior, Benny Gantz, e o diretor do Shin Beth (a agência de segurança israelense), Yoram Cohen, na presença também do ministro da Defesa, Moshe Yaalon
O premiê lembrou que os dois têm a "responsabilidade nacional" de manter a segurança dos israelenses e de uma cooperação total para alcançar o objetivo.
As tensões que já existiam entre o exército e o Shin Beth chegaram à opinião pública na segunda-feira, depois da exibição de uma reportagem no Channel 2.
No programa, vários diretores do Shin Beth afirmaram, sob anonimato, que advertiram em janeiro que o movimento islamita Hamas, que controla a Faixa de Gaza, preparava uma ofensiva para julho, o que acabou acontecendo.
De acordo com as fontes, o exército não levo as advertências a sério.
O comandante do Estado-Maior escreveu uma carta ao primeiro-ministro, publicada nesta quinta-feira pelo jornal Yedhiot Aharonot, na qual nega as acusações e denuncia "falhas éticas e morais" do Shin Beth.
A polêmica coincide com a onda de violência em Jerusalém, Israel e Cisjordânia nas últimas semanas, o que provoca o temor de uma nova intifada.
Mundo
versão clássica
Globo © 2001-2014
princípios editoriais