quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Gaza e Cisjordânia sempre serão responsabilidade militar e política de Israel.





Israel reforça presença na Cisjordânia após morte de dirigente palestino
Exército anunciou envio de mais tropas para área ocupada. Ministro foi morto em confronto com soldados israelenses nesta quarta.
11/12/2014 06h22 - Atualizado em 11/12/2014 06h22
France Presse
Da France Presse
Ministro palestino Ziad Abu Ein briga com guarda de fronteira israelense perto de Ramallah pouco antes de ser morto nesta quarta-feira (10) (Foto: Mohamad Torokman/Reuters)Ministro palestino Ziad Abu Ein briga com guarda de fronteira israelense perto de Ramallah pouco antes de ser morto nesta quarta-feira (10) (Foto: Mohamad Torokman/Reuters)
O exército israelense anunciou o envio de reforços nesta quinta-feira (11) para a Cisjordânia ocupada, para enfrentar eventuais manifestações um dia depois da morte de um dirigente palestino em confrontos com soldados de Israel.
"Decidimos mobilizar nesta quinta-feira um reforço de dois batalhões de soldados e duas unidades de guardas de fronteira na Cisjordânia", declarou à AFP uma porta-voz do exército.
O presidente palestino, Mahmud Abbas, anunciou na quarta-feira que todas as opções estavam "abertas", em referência a uma eventual suspensão da cooperação em termos de segurança entre Israel e a Autoridade Palestina.
Abbas reagiu desta maneira à morte de Ziad Abu Ein, um alto dirigente da Autoridade Palestina, vítima na quarta-feira de confrontos com soldados israelenses durante um protesto contra o confisco de terras palestinas em benefício dos colonos israelenses.
Os manifestantes foram parados por um cordão de isolamento militar e vários soldados israelenses empurraram brutalmente Abu Ein, que foi agarrado pelo pescoço.
Imagens do conflito mostram uma discussão confusa e um vídeo mostra a explosão de uma bomba de gás lacrimogêneo ao pé do dirigente palestino, que parece não conseguir respirar. Alguns minutos depois, o Abu Ein cai no chão.
Abu Ein, de 55 anos, era o dirigente da Autoridade Palestina responsável por lidar com a colonização israelense.
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, enviou uma mensagem a Abbas na qual destacou a "necessidade de acalmar as coisas e agir de forma responsável".
Pouco depois do anúncio da morte de Abu Ein, confrontos explodiram no campo campo de refugiados de Jelazoun, na Cisjordânia ocupada, onde um adolescente de 14 anos foi gravemente ferido na cabeça por um tiro do exército israelense.
Mundo
versão clássica
Globo © 2001-2014
princípios editoriais