quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Netanyahu não pode subestimar os esforços educados e perigosos da Livini e pessoas semelhantes e os israelenses devem escrever a ferro fogo que seja em Março de 2015, antes ou depois, não estão no oriente-médio para ser presas tão caçadas e arrastadas ao matadouro como comunidades judaicas inteiras foram durante séculos. Que ela, Lapid, Sand e os frustrados neuróticos da esquerda viajem pra se dar de cardápio em qualquer parque terrorista. Se Netanyahu não fizesse o que fez e está fazendo, caberia ao Povo Soberano de Israel dissolvem um parlamento truncado por inimigos velados da nação, enxotar supostos humanistas irresponsáveis do poder, priorizar a identidade sionista, judaica d bíblica ao custo que se venha requerer. Tsipi teve uma boa folha de serviços, mas infelizmente se perdeu pelo caminho e se agora respeitar seu Povo e Nação, que se aposente em paz. Contudo tanto ela, como Lapid e ou camaleões do poder precisam ser observados cuidadosamente dentro e fora de Israel. Ao teu Elohim Israel, pois יהוה Iehouah age através de vossas ações próprias da plenipotencia dEle


3/12/2014 às 12h16

Premiê de Israel pede “mandato claro” em eleição antecipada

Reuters
Por Jeffrey Heller
JERUSALÉM (Reuters) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pediu nesta quarta-feira um “mandato claro” dos eleitores na eleição antecipada que convocou, e as pesquisas de opinião mostram que o líder de direita ruma para um quarto mandato à frente do governo.
Um dia depois de Netanyahu demitir membros centristas de sua coalizão de governo, líderes de partidos no Parlamento concordaram com a data de 17 de março para a eleição, e os legisladores aprovaram a dissolução do Congresso em uma votação preliminar.
Duas pesquisas divulgadas na terça-feira previram que o partido de Netanyahu, o Likud, seria o maior vitorioso no pleito, mas sem a maioria absoluta no Parlamento de 120 cadeiras, se a votação fosse realizada agora.
Isso deixaria Netanyahu em boa situação para formar o que provavelmente será o governo mais direitista dos 66 anos de história de Israel, composto por seus atuais parceiros ultra-nacionalistas e possíveis aliados dos judeus ortodoxos – mas sem a presença dos moderados, até então aliados.
O governo de cinco partidos de Netanyahu, que assumiu no ano passado, vem se desentendendo por conta de uma série de desavenças, como o orçamento de 2015 e um projeto de lei para declarar Israel um Estado judaico, o que críticos dizem discriminar cidadãos árabes.
“A eleição a caminho trata de uma questão: quem irá liderar o país diante dos tremendos desafios que Israel enfrenta – segurança, economia, regionais”, afirmou Netanyahu em um discurso público aos parlamentares do Likud.
Ele pediu que se evite o tipo de divisão na votação da direita da eleição passada, de janeiro de 2013, que deixou sua legenda com 18 assentos no Parlamento, comparados aos 13 e 12 conquistados por partidos ultra-nacionalistas que mais tarde se juntaram à sua coalizão.
“Todo aquele que deseje oferecer um mandato claro para que um primeiro-ministro do Likud lidere o país precisar dar muitos votos ao Likud”, afirmou Netanyahu. “Esta é a principal lição de nossa experiência nos últimos anos. Este é o desafio desta campanha eleitoral”.
Israel não deveria realizar uma eleição antes de 2017, mas Netanyahu, acusando o ministro da Fazenda, Yair Lapid, e a ministra da Justiça, Tzipi Livni, de o sabotarem, repudiou ambos na terça-feira e anunciou querer desmontar o parlamento “assim que possível”.
Assim que uma votação final para a dissolução da legislatura for realizada na semana que vem, Netanyahu irá conduzir um governo agora de minoria até a posse de um novo gabinete após o pleito.
Lapid e Livni vinham ridicularizando os direitistas que predominam no gabinete e a política internacionalmente criticada de incentivar a construção de assentamentos judeus em terras ocupadas que os palestinos desejam para seu Estado.
No Facebook, Livni disse que a próxima eleição será um teste para a vontade dos israelenses de derrotar o “extremismo”.