domingo, 7 de dezembro de 2014

Só no Estado Judeu De ISRAEL


sexta-feira, Dezembro 05, 2014

COMUNIDADE MESSIÂNICA YAD HASHMONAH CONDENADA POR OBEDECER À BÍBLIA

Um Tribunal distrital de Jerusalém rejeitou o recurso apresentado pelamoshav de judeus messiânicos Yad Hashmonah, condenando-a até a pagar uma indemnização de 15.000 dólares a duas lésbicas, por se recusar a realizar uma recepção de "casamento" das duas mulheres nas suas instalações.
O juiz Moshe Hacohen deliberou de acordo com a decisão anterior, segundo a qual, uma vez que a casa de hóspedes Yad Hasmonah é uma área hoteleira aberta ao público, a comunidade não pode impôr a sua fé religiosa sobre indivíduos ou grupos que queiram fazer uso das suas instalações.
"Não há contradições neste caso" - alegou o juiz, acrescentando: "Yad Hashmonah recusou permitir a recepção de casamento por as mulheres serem lésbicas. Na sua apelação, a comunidade alega que tem autoridade para recusar a recepção por causa das suas crenças. A maior parte dos membros da comunidade são judeus messiânicos que fundamentam a sua fé em elementos do judaísmo e do cristianismo evangélico, uma fé baseada nas Escrituras hebraicas e no Novo Testamento como Palavra de Deus."
Na sua apelação, Yad Hashmona alegou que "o estilo de vida destas lésbicas está em absoluta contradição com as Escrituras hebraicas e com o Novo Testamento. As leis que regulamentam a liberdade de religião devem proteger-nos de permitirmos uma cerimónia no nosso jardim que está em completa contradição com a nossa fé."
O Tribunal de Jerusalém determinou no entanto que a recusa do Yad Hashmona em permitir a celebração das lésbicas vai contra a lei que declara ser "proibido agir de uma forma que se discriminem pessoas por serviços prestados ou pelo acesso a lugares públicos." O juiz assinalou ainda que a sala de reuniões da comunidade messiânica está completamente separada da casa de hóspedes, e que é um espaço turístico secular.
Os advogados da Yad Hashmonah recorreram da primeira instância, defendendo os princípios e valores pelos quais se rege a comunidade messiânica, explicando que os crentes messiânicos defendem com apego a importância do casamento tradicional entre um homem e uma mulher.
O tribunal concordou que os residentes de Yad Hashmonah têm todo o direito de praticar a sua fé. No entanto, e visto estarem a administrar um negócio regular e secular, é-lhes requerido aderirem à lei que proíbe a discriminação com base na religião ou preferências sexuais. Se a Yad Hashmonah quer abrir o seu negócio ao público em geral - determinou o juiz - tem então de estar disponível para providenciar serviços até mesmo a pessoas ou grupos que não se enquadram nos seus gostos ou preferências.
Há muitas casas de hóspedes e negócios em Israel que são pertença e geridos por organizações messiânicas ou cristãs. Esta decisão do tribunal é um aviso a todos os estabelecimentos orientados pela fé bíblica em todo o Israel de que não poderão recusar o uso das suas facilidades, desde que abertas ao público em geral.

Este é também um alerta a todos os que, segundo as palavras da Bíblia, quiserem obedecer às leis de Deus. Esta será talvez a primeira forma de perseguição aos verdadeiros crentes, aqueles que não se deixam comprometer com os pérfidos valores da nossa sociedade decadente, e que por tal terão de pagar um preço. Terão no entanto o seu galardão, aquele que ninguém lhes pode tirar, concedido pelo próprio Deus!

Shalom, Israel!

4 comentários:

  1. Nossa! Se em Israel está assim imagina no resto do mundo... Lamentável, né? E, sabe por que eu acho este caso lamentável? Porque é quase certo que estas lésbicas não estão nem aí para a Comunidade Messiânica Yad Hashmonah... O que elas e os militantes do mundo inteiro querem é confrontar! Confrontar a sociedade, a igreja, a família, o sistema educacional... Imagina se um grupo de evangélicos ou judeus messiânicos quisessem fazer suas pregações num ambiente exclusivamente gay e, público? Será que gays e lésbicas se tornaram a elite da sociedade e, estão acima do bem e do mal? Ou, é a história caminhando para trás à época dos grandes impérios babilônico, romano, grego... Que aliás, diga-se de passagem, ruíram!!!!
    Antes agradar a Deus do que aos homens e, mesmo que Deus não existisse a natureza tem sua sabedoria! Como poderia existir evolução se não existisse vida? Para que haja vida somente a união do macho e da fêmea. Alguns podem até dizer: E, quem falou que sexo é só para procriar... Mas, os que pensam assim estão muito empenhados em se casar da forma tradicional e adotar filhos. Será por quê? Mas, uma vez porque querem se escarnecer das coisas de Deus! Mas, Dele ninguém se escarnece!
    Paz Yad Hashmonah: "CONFIA NO SEU DEUS SEMPRE!"
    Shalom, Israel!
    Olga
    Responder
  2. A indenização de 15 mil dólares vai beneficiar e muito as duas mulheres. Concordo com o juiz de que o estabelecimento abriu as portas a sociedade e pelo fato da opção sexual das moças ser diferentes eles optaram pela proibição da festa no recinto. Esta atitude foi vista como discriminação, daí a multa. No entanto, dois conceitos podem servir de observação. Primeiro as duas moças nao podem deixar de ser consideradas como ser humano, como pessoas que tem deveres mas também tem direitos. Será que se fossem médicas alguém recusaria receber tratamento ou ser operado em caso de emergência por causa da opção homoafetiva delas???
    Segundo: A alegação de estarem cumprindo a Bíblia me parece contraditória, pois é nítido o preconceito. O amor ao próximo só Vale dentro dos parâmetros pré estabelecidos? A fé tem que ser protegida? Do que? Concordo que uma festa dessas num ambiente de adoração a D-us entra em choque com os Mandamentos, mas não vejo o episódio como uma perseguição aos "crentes" . Normas e conduta devem ser estabelecidas e um regimento interno bem elaborado. Mas acredito que uma desculpa esfarrapada como "estamos em obras" ou não temos data disponível, sairia bem mais barato. Shalom.
    Responder
  3. Ultimamente estes grupos têm se empenhado muito em frequentar igrejas e ambientes cristãos... Será por que uma vez que a maioria não acredita em Deus? Pelo menos não o Deus destas entidades e igrejas que perseguem de forma implícita! A justiça tem se mostrado muito eficaz em defender tais causas, como que para servir de exemplo para a sociedade mundial...
    Acredito que a lei realmente tem que ser para todos mais uma vez que o estado é laico cada um no seu quadrado... Da mesma forma que eu não frequento sauninhas gays, nem boates glsmpqwtz..., gays e lésbicas não precisam frequentar ambientes que não compactuam das suas "crenças"... As pessoas falam em liberdade mas é aquilo que chamam de liberdade que querem impor para todos... Tenho certeza que em Israel há ambientes mais adequados para a festa deste casal de lésbicas... No Brasil mesmo há milhares, mas tenho certeza que o exemplo daí já foi exportado, até a sentença dos justos juízes...
    O que a bíblia fala mesmo da justiça dos homens? Não é nada bonito! Por isso não precisamos de desculpas enfarrapadas. Farrapo/trapo é esta "justiça"... Aliás, será que a mídia, ONU, militantes, defensores dos "direitos humanos" sabem o que está acontecendo com cristãos ao redor do mundo? Estão sendo torturados, escravizados, presos, mortos... Ás vezes, pela própria família... Se for mulher então... Será que estas lésbicas iriam querer casar-se numa mesquita no Irã, por exemplo?
    Vamos ser mais coerentes. as futuras gerações agradecem!!!!!!!
    Responder
  4. http://www.cbn.com/tv/3879370412001
    Shalom!
    Olga
    Responder