segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

DEZ BILHÕES - STEPHEN EMMOT - CONSCIÊNCIA DA INTELIGÊNCIA IEHOUAH - ISRAEL, MESMO COM NECESSIDADES MILITARES E TECNOLÓGICAS OBRIGATÓRIAS, É UMA NAÇÃO MODELO EM ECOLOGIA, SUSTENTABILIDADE, ECOSSISTEMA E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL ASSIM COMO COMUNIDADES JUDAICAS PELO MUNDO; MAS E O QUE DIZER DA MAIORIA DAS NAÇÕES E PESSOAS ANTISSEMITAS, ANTIJUDAICAS E ANTI-SIONISTAS? BASTA OLHAR PARA ATENTADOS PRÓ ISLAMITAS E A GESTÃO DE NAÇÕES EUROPÉIAS SOBRE VIZINHOS MENORES... BASTA VER OU OUVIR TUDO QUE FAZEM POR AQUILO QUE LIMITAMOS EM PROL DO BEM-ESTAR DE TODOS. AINDA ASSIM ESSA DÍVIDA É MINHA, SUA E DE TODOS.




O ciclo global do carbono é o sistema vasto e altamente complexo que processa o carbono da Terra – centenas de bilhões de toneladas por ano. Vale dizer que o ciclo global do carbono presta um enorme favor a toda a nossa população de sete bilhões ao retardar a mudança climática. As plantas e os oceanos do planeta absorvem cerca de 50% de toadas as nossas emissões de CO2 (e vêm fazendo isso desde a revolução industrial). Os outros 50% do CO2 que produzimos permanecem na atmosfera, e é esse CO2 que é predominantemente responsável pela mudança climática.

No entanto parece que esse favor está prestes a acabar.

É provável que uma das consequências do aumento da atividade humana – como o desmatamento e as mudanças climáticas induzidas pelo homem, por exemplo – seja o ciclo global do carbono deixar de ser um escoadouro (absorvedor) para se tornar uma fonte de carbono (produtor), acelerando ainda mais a mudança climática.

E agora estamos mudando de forma radical cada um de seus componentes.

Até mesmo a revista The Economist chamou atenção para o fato de que, ao que tudo indica, o preço a pagar pela mudança climática e pela exploração de recursos (como a mineração e a extração de petróleo e gás) – sobretudo no Àrtico, que por si só irá acelerar o ritmo da mudança climática – será o de danos inimagináveis a ecossistemas inteiros, com custos inconcebíveis em termos de comida, água e serviços ecossistêmicos no futuro. A conclusão da revista era algo assim:
“Ninguém quer ser o único responsável, mas todos ficam felizes de lucrar com isso. É um caso clássico da tragédia de espoliação de recursos que é a mudança climática.”

Toda a ciência aponta para o inevitável:
estamos em apuros. E o problema é muito sério.   

Neste exato momento, caminhamos em terreno completamente desconhecido conforme a nossa população continua a crescer em direção aos dez bilhões.

Mas se há algo que podemos prever é que as coisas vão piorar.


Que desafios enfrentaremos nos próximos anos em decorrência do crescimento da população e das nossas atividades?


http://info.abril.com.br/noticias/tecnologias-verdes/fotonoticias/as-10-potencias-mundiais-em-tecnologia-limpa-israel-lidera.shtml