segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Que o palestino nasça e cresça forçado ou induzido a apoiar e ou praticar terrorismo já é lamentável amiúde real, porém isso ser apoiado por populações célebres da França, Suécia, Espanha, Grã Bretanha, Irlanda e partes da Alemanha...? Isso é incompreensível! Nem sequer o abominável antissemitismo entra como sólida desculpa, pois o terrorismo é crescente, degenerador e auto-destrutivo.


Forças de Israel desarticulam célula vinculada ao EI na Cisjordânia
Três integrantes do comando jihadistas foram presos em novembro. Informação só foi divulgada neste domingo (4) após suspensão do segredo.
05/01/2015 01h48 - Atualizado em 05/01/2015 01h48
Agencia EFE
Da EFE
Forças de segurança de Israel prenderam em novembro do ano passado três palestinos integrantes de um comando filiado ao Estado Islâmico, informou neste domingo (4) a imprensa local após o segredo sobre o caso ter sido suspenso.
De acordo com o serviço de segurança secreto Shin Bet, que auxiliou o Exército na operação, a célula tinha como base a cidade de Hebron, na Cisjordânia.
Um dos presos teria confessado às autoridades que estavam sendo planejados ataques contra alvos do país e, em uma ocasião, o trio chegou a colocar um explosivo em um soldado israelense.
A ideia era usar a arma e o uniforme do soldado em outro ataque armado, revelaram os detidos em interrogatório. No entanto, o grupo se arrependeu antes de executar a ação.
Os membros do comando, também vinculado à Jihad global, são os primeiros palestinos conhecidos relacionados com o EI até o momento. Eles foram identificados como Ahmad Shehadeh, de 22 anos, Muhammad Zaru, de 21, e Qusai Masawdeh, de 23.
Zaru foi acusado há duas semanas por um tribunal militar de Israel de pertencer e realizar atividades em organizações ilícitas. Os outros serão processados nos próximos dias.
Mundo
versão clássica
Globo © 2001-2014
princípios editoriais