domingo, 8 de fevereiro de 2015

10 BILHÕES - STEPHEN EMMOTT - ÁGUAS, SAÚDE HUMANA E OS ECOSSISTEMAS




Eis o problema da água.

Até o final deste século, em grandes partes do planeta a quantidade de água utilizável não chegará nem perto de ser o suficiente.

É provável que bilhões de pessoas vivam em condições de extrema escassez de água devido ao aumento das mudanças climáticas, da população e da demanda por alimentos.

Em primeiro lugar, transformações em grande escala e inéditas no "ciclo hidrológico" mundial (o ciclo d água do planeta) já estão em curso, como resultado da atividade humana e das mudanças climáticas provocadas pelo homem, e a previsão é que sofram um aumento significativo neste século. Essas alterações terão um impacto negativo muito expressivo e sem precedentes na disponibilidade de água.

Em segundo lugar, o uso de águas subterrâneas (essencial para a irrigação) aumenta rapidamente, em ritmo muito mais acelerado do que o seu reabastecimento real ou possível. Estamos diante de uma escassez muito perigosa e crescente das águas subterrâneas. E todos os esforços para encontrar uma "solução tecnológica" para esse problema - através de propostas como o desvio de água, a reposição artificial das águas subterrâneas e teconologias de irrigação "eficientes" - fracassaram.

Além disso, estima-se que a água doce armazenada nas geleiras do planeta e na neve diminuirá expressivamente neste século.

A expectativa é que até mesmo pequenas elevações na temperatura da água, além do aumento de eventos climáticos extremos (que provocam secas e inundáveis), junto com a poluição crescente da água por fertilizantes, metais e substâncias químicas industriais, afetem de modo significativo a qualidade da água - tornando-a inutilizável.

Temo que seja inevitável que o problema da água venha a ter consequências extremamente negativas para a agricultura, a saúde humana e os ecossistemas.