domingo, 22 de fevereiro de 2015

Judeus devem prorizar a vida em Israel por fatores particulares ideológicos ou sagrados e diante da necessidade imposta, mas não podem ser privados de viver em nenhum lugar do mundo. Esta é uma luta de todos nós.




Atentado mata 2 pessoas durante marcha na Ucrânia
Papa Francisco se retira hoje para exercícios espirituais
Triplo atentado do EI deixa 44 mortos e 37 feridos na Líbia
Nova tempestade de neve atinge costa leste dos EUA
Estado Islâmico tenta vender corpos de soldados curdos
Cristina Kirchner critica passeata em memória de promotor
Grupo armado sequestra 89 adolescentes no Sudão do Sul
EUA: greve em refinarias ganha força neste final de semana
Cristina Kirchner critica marcha em homenagem a procurador
Papa recebe Merkel no Vaticano e fala sobre Ucrânia

PreviousNext

MUNDO18/02/2015 11:22

Em vídeo, jornalista expõe a perseguição de judeus em Paris


20733 views
84

Reprodução/YouTubeZvika Klein: jornalista caminhou pelas ruas da capital francesa para mostrar as agressões aos quais estão submetidos os judeus. Registrou olhares de ódio, cusparadas e xingamentos
Gabriela Ruic, de Exame.com



São Paulo – Quase um mês após um fanático religioso ter matadoquatro judeus em um mercado deParis (França), o jornalista Zvika Klein, também judeu, resolveu realizar um experimento: usando acessórios religiosos (um quipá, uma espécie de chapéu, e o tzitzit, franjas mostradas por baixo da roupa) ele caminhou durante dez horas pelas ruas da cidade.

Klein desejava mostrar ao mundo a perseguição, as agressões verbais e os gestos ofensivos (como até cusparadas) aos quais os judeus estão diariamente submetidos na capital francesa. Para tanto, contou com o auxílio de um fotógrafo, que ficou responsável pelos registros, e de um guarda-costas, que o monitorou a distância para prevenir qualquer situação de violência.

“Bem-vindos a Paris de 2015”

O vídeo começa na Torre Eiffel, cartão postal parisiense, e, em seguida, mostra a jornada do jornalista em áreas centrais da cidade e também nos subúrbios.

“As regiões turísticas foram relativamente calmas, mas na medida em que eu me distanciava delas, ficava cada vez mais ansioso por conta dos olhares de ódio que recebi”, relatou Klein em artigo publicado no site de notícias NRG.

O experimento resultou em dez horas de áudios e imagens que foram reduzidas em um vídeo de cerca de dois minutos de duração. Vale lembrar que o conteúdo editado não mostra todas as manifestações (positivas ou negativas) registradas ao longo do dia e privilegia cenas em áreas majoritariamente muçulmanas.

Um dos trechos que ficou de fora da edição mostrava o comportamento de uma criança ao se deparar com ele. “Olha mamãe”, disse o menino para uma mulher usando um hijab, vestimentas islâmicas, “o que é que ele está fazendo aqui? Será que não sabe que pode ser morto?”, questionou ele.

O experimento foi postado por Klein no YouTube no início desta semana e já contabiliza mais de três milhões de visualizações. Segundo ele, a ideia de produzi-lo veio depois da divulgação do vídeo da americana Shoshana Roberts, no qual ela registrou uma caminhada de dez horas em Nova York para mostrar o assédio sofrido por mulheres no dia a dia.

Veja o vídeo abaixo (em francês, mas com legendas em inglês).





Tópicos: Europa, França, Países ricos,Judeus, Paris, Metrópoles globais,Religião
E-mail



Comentários
Sugestões dos EditoresPor falta de feedback, empresas perdem melhores funcionários
As puxadas de tapete típicas de chefes invejosos e ciumentos
4º Sanduweek leva sanduíches de dar água na boca a SP. Veja


Recomendamos para você

FROM THE WEBAtingimos nossa maior produção mensal histórica de petróleo no BrasilPetrobras


Brasileiros invadem Miami e americanos fogem para Porto Rico | EXAME.comEconomia


A nova cara do Brasil com 40 estados e territórios | EXAME.comEconomia

Recomendado por

Versão Desktop


Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados