sábado, 7 de fevereiro de 2015

Judeus Ucranianos. Excelente abordagem de Caio Blinder e boa cooperação de alguns leitores imparciais. Mas o assunto é tão urgente quanto massacres que estavam por ocorrer na Ásia e África e agora estão acontecendo, quase que esperança de contenção. Seja na Ucrânia, França ou Inglaterra, milhares de judeus religiosos cooperadores do poder local vigente ou mesmo o mais neutros que queiram ser, são responsabilizados pelas decisões de poucas pessoas, muitas das vezes indiferente aos mesmos, ainda que identificadas com os mesmos. Tanto líderes russos como ucranianos são suficientemente descarados e nocivos em usar as pessoas judaicas como bode expiatório porque antissemitismo é um produto fácil de vender para multidões chicoteadas e manipuladas. A liberdade israelita, judaica, judia, hebreia e hebraica não está com estes demagogos assassinos - bestas prenhas de outros assassinos -. A liberdade do judeu está em Iehouah, na sua consciência, em um Estado Judeu Sionista, Comunidade Mundial Judaica Sionista e no Sionismo Bíblico visível entre bons cristãos e cidadãos construtivos deste planeta. É interessante imaginar os 500.000 judeus da França, (300.000 da Grã-Bretanha), 200.000 da Ucrânia e... por ainda Um Milhão de uma só vez em um Israel Totalmente Sionista. Mas e depois? E as centenas de milhares que se identificam com os judeus mesmo em outra religião/filosofia ou nenhuma? Os retardados antissemitas e anti-sionistas não percebem que trucidar judeus aos milhões jamais derrota a herança judaica? Com ou sem dinheiro, armas, fama, beleza ou força, Yehudah sempre prevalece! Porém neste momento algo é certo e concreto: SE PUTIN TENTAR MANDAR TANQUES E ARMAS PESADAS PARA A UCRÂNIA, OS NORTE-AMERICANOS E SEUS MAIS ÍNTIMOS ALIADOS DEVEM OCUPAR FRONTEIRAS RUSSAS E ALIADAS, ANTES QUE CENTENAS DE MILHARES SEJAM ESFACELADOS. A CRIMÉIA TOMOU UMA DECISÃO PACÍFICA E CONSCIENTE QUE É TOTALMENTE DIFERENTE DO QUE ATUAIS SEPARATISTAS UCRANIANOS ESTÃO PROMOVENDO. Sim Israel; zele pelos seus. A qualquer custo. ( E que os judeus ucranianos se mobilizem para se defender de todos os lados com toda intensidade requerida. )


Veja SPVeja RJExameInfoContigo!MdeMulherModaspotCaprichoRevistas e sitesAssineClubeSACGrupo Abril
VEJA
Notícias
Temas
Vídeos
Fotos
Colunistas
Assine VEJA Reinaldo Azevedo Lauro Jardim Augusto Nunes Ricardo Setti Fernanda Furquim Todos os colunistas Veja SP ACERVO DIGITAL VEJA INTERNATIONAL Veja - Capa

Assine VEJA

/ Blogs e Colunistas
Caio Blinder
De Nova York
Civilização, direitos humanos, geopolítica e outras picuinhas
Assine o Feed RSS | Saiba o que é

06/03/2014 às 6:00 \ Ucrânia
Na Ucrânia de Putin, até os judeus são nazistas

Kerry com o rabino Bleich (de pé à dir.) no improvisado memorial das vítimas da insurreição em Kiev
Kerry com o rabino Bleich (de pé à dir.) no improvisado memorial das vítimas da insurreição em Kiev
A máquina de propaganda de Vladimir Putin acusa o governo interino na Ucrânia de ser ilegítimo, nazista e antissemita. É uma agitprop tosca, mas funciona para os incautos, coisa digna de um script de Sacha Baron Cohen (o nosso querido Borat). São muitas mentiras desta agitprop, mas nesta coluna vou me concentrar no antissemitismo.
Timothy Snyder, professor da Universidade de Yale e autor do livro Bloodlands (sobre a tragédia de países como a Ucrânia, sob o stalinismo e sob o nazismo) tem sido infatigável para desmascarar a agitprop. Basta lembrar que judeus (praticantes ou não) estão entre os líderes do governo interino em Kiev. Estamos, portanto, diante de uma conspiração nazista liderada por judeus. Para quem tiver tempo e inglês razoável, aqui está entrevista com Snyder na rádio americana, desconstruindo a farsa de Putin.
Sem dúvida que a situação é complexa. Há inclusive uma confusão sobre a origem judaica do primeiro-ministro interino Arseney Yatsenyuk, do partido Pátria, da ex-primeira-ministro Yulia Tymoshenko. Uma teoria é que ele esconde sua origem judaica, pois a base partidária fica no oeste do país, onde o nacionalismo ucraniano é mais forte, assim como o antissemitismo. O perigo antissemita é real, assim como sua manipulação por Putin, hoje paladino conservador de um nacionalismo étnico de alta combustão, mas, ao tempo tempo, abusador da narrativa de resistência soviética contra o nazismo.
Com esta complexidade, existe terreno fértil para a disseminação da agitprop, tanto por muitos militantes de extrema esquerda (silenciosos diante das diatribes dos aiatolás iranianos ou do regime chavista nessta questão), como por sites ligados a figuras da direita bizarra americana, como Lyndon LaRouche e Ron Paul, obcecados com o besteirol de uma nova ordem mundial, que vai levar a um governo da ONU, da qual Barack Obama e lideres da União Europeia são sinistros advogados.
Ninguém nega a presença de uma extrema direita neonazista e antissemita na insurreição ucraniana que levou à queda do governo de Viktor Yanukovich no mês passado (e infelizmente ela integra o governo interino), mas a mobilização foi multipartidária e multiétnica, contando com diferentes correntes cristãs, judeus, muçulmanos e também gays. Na repressão, o governo Yanukovich instruía sua tropa de choque que a oposição era liderada por judeus, enquanto dizia ao mundo que os oponentes eram neonazistas.
Há um terrível histórico de antissemitismo na Ucrânia (e falo isto com visceral conhecimento de causa por ser descendente de judeus ucranianos). Metade dos 900 mil judeus ucranianos foram exterminados pelo nazismo, com cooperação da população local, mas este histórico não deve ser manipulado por Vladimir Putin.
Esta semana, o rabino-chefe da Ucrânia, Jacob Dov Bleich, foi no ponto. Ele acusou a Rússia de propagar a cantilena neonazista e de encenar “provocações antissemitas” na Crimeia para justificar a invasão desta república autônoma da Ucrânia. O rabino Bleich, que é vice-presidente do Congresso Judaico Mundial, esteve reunido com o secretário de Estado americano John Kerry, ao lado de outras lideranças religiosas da Ucrânia na terça-feira, em Kiev, como parte do esforço de neutralizar a propaganda russa.
Claro que as lideranças judaicas no mundo expressam preocupação com antissemitismo na Ucrânia e fazem muito bem. A situação no país é tensa, frágil e caótica. Nestas horas, sobra para os judeus. E setores da comunidade judaica que vivem na área russa do país, submetidos à histérica propaganda da TV russa, embarcam na onda sobre um governo interino nazista e antissemita. Leia aqui a carta aberta de líderes da comunidade judaica ucraniana a Putin
Enquanto isto em Moscou, a figura-chave do Kremlin para a questão ucraniana é Sergei Glazyev, que, como o bizarro cientista político Aleksandr Dugin, é adepto de um troço chamado nacional-bolchevismo, uma combinação de nacionalismo radical com nostalgia bolchevista.
Glazyev foi membro do Partido Comunista e com o fim da URSS foi cofundador de um partido de extrema direita chamado Rodina, ou pátria-mãe. Em 2005, alguns dos seus deputados assinaram uma petição enviada ao ministério da Justiça pedindo que todas as organizações judaicas fosses banidas na Rússia Ainda em 2005, o partido foi proibido de participar de eleições, acusado de incitar o ódio racial.
No entanto, gente como Glaziev fala pelo Kremlin para denunciar nazismo e antissemitismo na Ucrânia.
***
Colher de chá para Ney do MS (dia 6, 11:26). Leiam!
  Share on Tumblr
Links Patrocinados
Hotel Campos do Jordão
Campos do Jordão, Fique Mais um Dia no Hotel Vila Inglesa, Confira!
hotelvilainglesa.com.br/promocao
Deixe o seu comentário
Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.
» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA
 Nome
 Email (não será publicado)


303 Comentários
1 2 3 … 7 Próximo »
Jefferson Correia - 18/8/2014 às 12:25
O texto não surpreende; teórico. E pela descendência do ‘textualizador’… Resvala para o velho vitimismo muito comum no discurso hebreu…
Alex Augusto - 21/4/2014 às 16:05
Para quem não sabe qual a relação entre o sionismo e o nazismo, sugiro pesquisar o que foi o Acordo Haavara!
Also Sprach - 16/4/2014 às 10:09
https://www.youtube.com/watch?v=1ShZJWWwt6w
Rodrigo - 18/3/2014 às 21:21
A aberração que é o nazismo defende o ultra-nacionalismo. Defende que o país deve possuir uma nação única em detrimento das demais. A BBC mostra e entrevista os nazistas que deram o golpe na Ucrânia https://www.youtube.com/watch?v=5SBo0akeDMY#t=107
Marcelo - 16/3/2014 às 14:08
Para quem pensa que Rússia é antítese de nazismo, fica a dica: https://www.youtube.com/watch?v=xW9O90GbbYo Os Comunistas ensinaram os nazistas, vejam e comprovem.
Tom - 15/3/2014 às 10:15
Considerando que todo judeu e comunidade judaica, pela lógica deveria ser sionista, já que o Estado Judeu, representa desde sua criação em 1948, até a atualidade, a garantia de vida e principalmente dos direitos de todo povo judeu. Fica o desejo de que realmente o Autor se judeu, seja Sionista.
Espero todos aqui, ao fazer seus comentários, possam estar isentos de influência étnica, politica ou até mesmo religiosa, deixando de lado as suas diferenças, nesse momento possamos não mais julgar o todo contexto, e sim aquilo de proveitoso que podemos tirar.
É preciso estarmos atentos, a qualquer tipo de ódio ou intolerância, esse episódio de antissemitismo é fato na Ucrânia. Resta agora saber na prática, o que o Governo de Israel vai fazer pelo seu povo!
Ano - 13/3/2014 às 16:53
autor deste artigo Caio Blinder e um judeu-sionista…entao , tem que ficar bem claro quem ele apoia..
Cadeia para os mensaleiros - 13/3/2014 às 14:23
Mas existem judeus nazistas. Lembra do filme ( baseado em fatos reais ) Tolerância Zero ?
Jose Luis - 12/3/2014 às 11:05
Então o rabi Reuven Azman, de Kiev pediu para os Judeus deixarem a capital, por causa de que? Russos judeus neonazistas???
Fabius Maximus Sanguinis - 9/3/2014 às 18:43
Os representantes (uns 8 gatos pingados) dessa ideologia nojenta e totalitária chamada de «4ª Teoria Política» (Eurasianismo de Dugin) aqui no Brasil, são elementos neonazistas dos subúrbios de São Paulo (ABC paulista). Todos eles mantinham até pouco tempo atrás páginas antissemitas, racistas e de negacionismo do Holocausto no finado orkut, tais como “Holocausto Verdades e Mitos”, “Orgulho Branco”, “Irminismo” (esoterismo nazista), “Sabedoria Hiperbórea”, (também esoterismo nazista), dentre outras. Participavam também do site antissemita “Stormfront”. Há muito tempo estou de olho nessa gente. Aqui no Brasil, essa ideologia NÃO VAI tomar corpo, nem que para isso eu tenha que intervir pessoalmente de forma contundente e definitiva.
carlos silva - 9/3/2014 às 11:14
Bom dia
Entendo o ponto de vista, porém não concordo aos nacionalistas ucranianos pesa o fato de colaborarem ativamente com o s nazista na Segunda Guerra, os sentimentos antissemitas dos nacionalistas ucranianos não deve ser mitigado. O massacre dos judeus ucranianos com a colaboração dos nacionalistas deve servir de alerta. O argumento que a realidade foi distorcida é tênue, quando vemos os nacionalistas com saudações nazistas e pichando sinagogas ucranianas.
Paulo - 8/3/2014 às 0:17
http://www.youtube.com/watch?v=efkaaNgNI_c
Sem comentários …
Pedro Bouvetiano - 7/3/2014 às 18:55
“Emerson – 06/03/2014 às 12:12″
Uma vez eu disse a mesma coisa sobre o Clinton aqui no blog. Foi um comentário rápido, mas foi algo do tipo: uma coisa foi é onde ele mete o charuto dele, outra é a política dele, que teve coisas que ele fez que eu considero boas, e outras que foram de puxar os cabelos (como aquela muquiranagem/pouca vergonha que foi a compra da CITI). Daquela vez o Caio me deu até uma colher de chá pelo pragatismo. Porque não o mesmo poragmatismo com o Putin, mesmo que seja 99% lixo, e 1% bom?
Pedro Bouvetiano - 7/3/2014 às 18:50
“Ronaldo – 06/03/2014 às 13:56″
Eu não “li errado”, somente enganchei.
rodolfo - 7/3/2014 às 17:37
Caio, Rubens e demais leitores, este vídeo então é surreal: http://www.youtube.com/watch?v=yCzIIFAsGk4
Reparem que é um vídeo da própria tv oficial de Putin. Ela mesmo afirma: “Police firing live ammo in Kiev clashes”. Na descrição do vídeo ele volta a afirmar que é a “Ukrainian riot police” utilizando AK-47.
Curiosidade: Se alguém conseguir me explicar o porquê do corte na imagem aos 7 segundos ficaria agradecido.
-
Outro vídeo: Atirador com crachá(pra que o crachá? crachá de manifestante?) e outro com rifle que nunca conseguimos escutar o barulho do tiro para saber se é falso(foi cortada a imagem), pode muito bem ser uma arma de pressão. http://www.youtube.com/watch?v=j0kTv_8lwiQ
-Curiosidade: supondo-se que você esteja com um rifle real, você imediatamente viraria um alvo a ser morto. Entretanto, é curioso e até cômico ver a proximidade dos enviados da televisão russa em relação a estes indivíduos (eles não tem medo de levarem tiro de verdade?).
-
Não quero justificar a violência por parte dos manifestantes, que realmente houve (existem dezenas de vídeos mostrando), mas estes cortes e interferências nas transmissões da tv do putin sempre de maneira “levemente” parcial…Não é à toa que a jornalista americana da TV russa se demitiu ao vivo.
-
Para fechar com chave de ouro, uma trolagem a meu ver bem ao estilo Rickrolling: “O melhor discurso de Putin (sem censura)” http://www.youtube.com/watch?v=EQr9FamvfB0
Caro Rodolfo, obrigado por suas contribuicoes, esta merece muita atencao, vamos ver a resposta do bando da agitprop, hehehe, abs, Caio
Fernando Weiss - 7/3/2014 às 17:34
muita encenação e blefe. Há mais de 30 anos que falam de estabelecer uma Nova Ordem Mundial hegemônica. O que há no momento são 2 forças globalistas – Eurasianismo x Elite ocidental- jogando xadrez. Haverá concessões, pois ninguém quer pôr em risco seu poder parcial no globo.
Marcia Costa - 7/3/2014 às 15:47
Coluna imprescindível para o entendimento da situation, obrigada, agora aos comentarios…
Abs.
Iuri - 7/3/2014 às 12:35
Se ainda tem dúvida da natureza antissemita deste novo governo Ucraniano, dê uma assistida neste vídeo da BBC: http://www.bbc.com/news/world-europe-26398112
Quer dizer que há judeus no novo governo? Oh… com uma “Schutzstaffel” destas, seria muito fácil expulsar
Lucio - 7/3/2014 às 4:28
Para melhor entendimento deste fato vale a pena rever o debate entre o Prof.
Olavo de Carvalho e o próprio Alexandr Dugin :http://www.debateolavodugin.blogspot.com/
Marcel - 7/3/2014 às 4:27
Mr Putin é um raio de luz de esperança para um mundo em decadência de valores tão hedonistas, baixos, vis, representando pela união das repúblicas européias e os EUA, uma população que sofreu engenharia social pelos meios de comunicação de massa e nem sabe disso, e que hoje só preserva como virtude o que antes era vício, Mr Putin gurda seu país incólume a essa sujeira da Europa e dos EUA, não que a Rússia seja pura, mas é intransponível a se tornar tão degradante. Que Deus abençoe Putin.
Mauro - 7/3/2014 às 0:46
O Caio já pediu desculpas no caso que o Lucas citou.
Magno Adão de Souza - 7/3/2014 às 0:39
O autocrata Vladimir Putin seguramente não está nem um pouco preocupado com as sanções que a Casa Branca anunciou horas atrás contra a Rússia por conta dos recentes acontecimentos que tiveram lugar na Crimeia, pois elas não poderiam ter sido mais inócuas. Aparentemente alheio ao fato de o governo americano ter reconhecido a independência da província de Kosovo sem levar em conta a opinião dos sérvios, Barack Obama mostrou-se claramente incoerente ao proclamar um tanto cinicamente que qualquer referendo destinado a chancelar a incorporação da Crimeia à Rússia só terá validade à luz do direito internacional se auscultar toda a população ucraniana. Ciente de que os russos da Crimeia não aceitarão voltar a se submeter formalmente à soberania de Kiev, Obama sabe que mais cedo ou mais tarde terá que se resignar com a reintegração daquela república autônoma à Rússia, a essa altura um fato consumado. De toda sorte, a perda de um aliado estratégico como Kiev constituiu um duro revés para Putin, pois ela dificulta sobremaneira a concretização dos sonhos expansionistas acalentados por ele e sua camarilha, que consistem basicamente na reconstituição do antigo império dos czares, mantido e ampliado pelo regime soviético – malgrado as concessões que Lênin teve que fazer para firmar o Tratado de Brest-Litovsk, mediante o qual obteve da Alemanha uma paz em separado pouco depois de os bolcheviques tomarem de assalto o poder na Rússia, que claramente não tinha forças para continuar a se engajar nos combates da Primeira Guerra Mundial. As atitudes reacionárias tomadas pelo governo de Putin – as quais chegaram ao cúmulo do absurdo de sancionar penalmente pessoas que assumem publicamente sua homossexualidade – não causaram maior surpresa a analistas atentos da conjuntura internacional, pois nenhum deles ignora que ex-agentes da KGB normalmente não nutrem grande disposição de transigir com veleidades libertárias nem se mostram particularmente talhados para a tarefa de celebrar acordos com adversários políticos, corriqueiros em qualquer regime democrático.
Fabricio Juliano - 7/3/2014 às 0:20
Desculpe Caio, mas não pude deixar de perceber ao abrir o site principal de sua coluna que mostra os artigos separados, do lado direito as 5 notícias mais lidas aqui no site da veja: 2ª, 3ª e 5ª posição relativas ao BBB14. Devo dizer que, não sei quanto você ganha para lidar com isso aqui, mas você merece um aumento.
Ricardo - 7/3/2014 às 0:06
Um governo mundial que obrigará crianças de 0 a 4 anos a aprender tópicos de masturbação… A União Européia, modelo desta governança, já publicou um manual de educação infantil com essa “recomendação”… São os tais valores ocidentais vigentes desde a década de 60.
Putin tem razão quando acusa o Ocidente de centro de corrupção e degradação.
Thiago2 - 6/3/2014 às 23:09
Sorales 06/03/2014 às 15:35
Esse tal governo do mundo somente pode ser discutido dentro de uma escala de valores que foge ao conhecimento do “profano”. É isto que eu defino como conspiracionismo consciente!
se vc fosse um cidadão europeu sob a ocupação nazista na segunda guerra vc saberia o que é um plano de governo mundial ou nova ordem mundial.
tentar impor seus valores a força a outros povos é errado, e gerou conflitos ao longo da história, e é isso que paises como a antiga união soviética a Russia de hj e até os EUA fazem no mundo comtemporaneo.
Daniel - 6/3/2014 às 22:55
Os representantes da UE vao aplicar serias sanções aos russos. Torcerão contra eles na Copa… O discurso era muito bonito, mas… os trabalhadores alemães começam a ficar preocupados com seus bons empregos; os cidadãos franceses estão saturados de pagar impostos; os ingleses nao querem nem pensar em perder o dinheiro dos comunistas que ela depositam fortunas… Enquanto isso o presidente americano vai dando trela para as bolsas de apostas: qual a fala mais risível contra os russos ?
Lucas - 6/3/2014 às 22:35
Cara chato, ja publiquei sua bobagem, algo mais? Caio
Lucas - 6/3/2014 às 22:27
Em abril de 2011, durante o programa Manhattan Connection, totalmente embriagado, chamou Rania, embaixadora da ONU e Rainha da Jordânia, casada com o Rei Abdullah II, de “piranha”.
Cara, eu só me embriago com agua mineral com gas.
Voce ja tinha mandado este comentario esperto, nao? Agora publico, satisfeito? Caio
maisvalia - 6/3/2014 às 22:15
A compreensão da Rússia, do que esta é e do que representa, está bem distante para os brasileiros alienados.
-
E uma segunda, leia os comentários todos.
Ninguém é idiota aqui sabichão.
O Icaro postou isso em outra coluna dos russos, vale a pena repetir:
-
Icaro sem penas – 04/03/2014 às 14:06
Um aviso aos novos ( velhos ) russos.
O resultado pratico dos seus comentários propagandistas por aqui é zero.
Vocês acham que falando sem parar as abobrinhas que falam irão angariar novos adeptos para a sua seita.
Negativo.
Já disse uma vez e repito, o pessoal que está aqui é muito, mas muito bem informado,é inteligente, e portanto imunes a patéticas “pregações” se é que se pode chamar assim a sopinha de letrinhas com que inundam esse espaço democrático e civilizado.
(aliás, os sites petistas também defendem Putin e um novo totalitarismo,apaixonadamente. Por acaso?)
Enfim,se vocês pretendem influenciar, distorcer, mentir, usando a internet, lamento, melhor entrarem rapidinho em um cursinho na KGB para aprender como se faz.
As opiniões aqui são divergentes, graças a Deus.
Sabemos lidar com nossa diferenças.
Com idéias, opiniões, ásperas ás vezes,jamais, como vocês, com propaganda nível C, típica de adolescentes tardios.
De minha parte vou continuar colocando vocês no banquinho.
Apelidei esse lugarzinho de ” sereias sem voz ( inteligencia) e sem marinheiros ( bobos que se deixam seduzir) ”
Aqui só tem Ulisses minhas despetaladas flores do mal.
Valeu, hehehe, abs, Caio
maisvalia - 6/3/2014 às 22:11
A compreensão da Rússia, do que esta é e do que representa, está bem distante para os brasileiros alienados.
-
Cara, depois diz que não ofende ninguém.
Alienado é você, que para justificar sua posição idiota, traz um artigo do Kissinger, aquele amigo do Allende, lembra dele?
Coerência com vermelhinho esquerdopata é só na hora de ser contrauzamericanuz.
Um espanto de memória e moral seletiva, né miliciano?
O sanduíche de mortadela tava bom? A tubaina tinha gás?
Ricardo - 6/3/2014 às 22:00
O Caio errou tudo na questão ucraniana.
Fabricio Juliano - 6/3/2014 às 21:56
Os norte americanos, apesar das rivalidades históricas óbvias, tem um profundo respeito e admiração pelos russos. Natural quando se tem um adversário digno de respeito e admiração, mesmo que o conflito ideológico e disputa de poder tenha sido, e possa estar voltando a ser, tão marcante. Vejam a Alemanha na primeira guerra mundial, perdeu, foi arrasada economicamente, humilhada, e pouco tempo depois voltou a ser a primeira economia europeia. Na segunda guerra idem, dessa vez foi devastada por completo, algumas décadas depois…primeira economia europeia novamente. Não tem como não respeitar e admirar o povo alemão. Vejam o Japão, igualmente aniquilado na segunda guerra, e é o que é hoje, um povo, assim como o alemão, extremamente disciplinado, digno, respeitoso, capaz, trabalhador patriota e FORTE! Evidente que os bajuladores, moradores do limbo (alguns já até se denominam americanos antes de brasileiros), os velhos e saudosos makakitos devotos, ao lerem isso já vem na ânsia de dizer que tudo isso se deu pela ajuda dos EUA no pós-guerra e é óbvio que o Plano Marshall e a ajuda econômica ao Japão ajudaram no pós-guerra. Porém, os líderes norte-americanos jamais investiriam em países que não pudessem fazer render o dinheiro, os americanos sabiam onde estavam colocando o dinheiro e a capacidade dos povos de tais países iria compensar, assim como compensou, trazendo para sua órbita países de suma importância. Realmente um grande investimento e grande jogada estratégica. O que Alemanha e Japão, quando falavam por si próprios, sempre tiveram em comum em suas maiores fases de crescimento econômico e militar? A unidade nacional. Unidade nacional que é simplesmente impossível no Brasil que vive até hoje como uma colônia misturada com província. Uma colônia moderna, mas ainda uma colônia, com grande resistência da política de casa grande e senzala, com pensamentos coloniais óbvios de que alguém tem que nos dizer o que fazer e o que pensar pois não temos condições de fazer por si próprios. Uma verdadeira lástima dentre as piores. As relações externas sempre foram regidas por interesses, e a falta de respeito próprio, mesmo nas relações pessoais, é porta aberta para ser usado da maneira como o outro quiser.
O artigo que o ícone da política externa norte americana, Henry Kissinger, escreveu, algumas partes citadas pelo site da folha.com (http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/03/1421548-ex-secretario-de-estado-henry-kissinger-analisa-situacao-da-ucrania-em-artigo-no-washington-post.shtml), demonstra que mesmo na “Era da Informação” as conjecturas loucas atuais acabam por ter uma verdadeira aula de sensatez e conhecimento de um idoso bem sabido do que fala e sobre quem fala. A compreensão da Rússia, do que esta é e do que representa, está bem distante para os brasileiros alienados.
Yes, We Scam - 6/3/2014 às 21:50
Patricia,
não liga não.
O Caio decidiu partir para a histeria.
O mais cômico é que ele sempre critica a Guerra do Vietnam, disputada na periferia dos centros geopolíticos, mas está disposto a subir as tensões na Ucrânia até chegar o ponto de conflito e guerra bem no meio do tabuleiro, onde os riscos de conflito global são infinitamente maiores.
O Caio considera mais “racional” e menos perigoso investir num confronto com a Rússia junto as suas fronteiras do que um confronto bem longe das fronteiras americanas e russas.
É a retórica sobrepujando a racionalidade.
Eu já escrevi naquele longo comentário de anteontem que o realismo político de antanho foi jogado de lado e o pensamento político que impera hoje é o histerismo.
Uma citação d’”aquele cujo nome não deve ser pronunciado, o monstro de Richmond”:
“A retórica move o mundo desde sempre, e, se ele vai para o abismo, é levado pelos retóricos. Pelos retóricos, e não pelos teólogos, pelos filósofos, pelos homens de ciência, pelos contemplativos e indagadores da verdade. Mesmo a força das armas permanece adormecida e inofensiva se não é despertada por uma boa retó­rica.”
..
O histerismo político sempre leva à destruição em larga escala.
Que o diga Hitler, o sujeito mais histérico que já assumiu uma nação. Juntou reclamações justas sobre os excessos do Tratado de Versalhes com um um monte de loucuras, mania de grandeza, vontade de ter poder de vida e morte sobre todo mundo, imputações delirantes contra todos os judeus e húbris megalomaníaca. Deu no que deu. Destruiu sua nação e mergulhou seu povo na ignomínia genocida criminosa, o que até hoje persegue o povo alemão, que ainda não compreende completamente como se tornou cúmplice daquela loucura, se deixando seduzir pela retórica inflamada do cabo austríaco.
rubem - 6/3/2014 às 21:40
Cc rinndo nao. Se vivo darwin ia era estar chorando com esses absurdos.
Felipe Goltz - 6/3/2014 às 21:20
Magno Adão de Souza – 06/03/2014 às 19:41
——–
Boa, Magno. Nosso homem de Arcádia.
Felipe Goltz - 6/3/2014 às 21:18
Ó, Marcelo, procê que andava excitado com a tal jornalista hoje cedo:
“What the US Media’s Celebration of Protesting RT Anchors Conveniently Ignores”
http://dissenter.firedoglake.com/2014/03/06/what-the-us-medias-celebration-of-protesting-rt-anchors-conveniently-ignores/
Ricardo - 6/3/2014 às 21:13
Rodrigo (20:48), é porque os EUA são a lei…
Yes, We Scam - 6/3/2014 às 21:01
Ivan,
Você nos promete que quando começar a troca “amistosa” de mísseis nucleares, você avisa para nós com antecedência?
Como eu estou no Brasil, até posso me considerar “privilegiado”.
Quem é que liga para essa porcaria de América Latina?
Enquanto EUA, Frnaça, Intlaterra, Rússia, China, Índia, Paquistão e Israel tentam matar uns aos outros (as bombinhas de fundo de quintal da Coréia do Norte devem dar “chabú” e causar suicídio, haha), sobra menos tempo (e menos bombas) para enviar para lugares distantes, como essas terrinhas bananeiras ao sul do Caribe.
Mas, é claro, uma ou outra nuke devem “imigrar” para São Paulo e outras grandes cidades brasileiras, argentinas, colombianas, chilenas etc.
Ivan, só me avise com antecedência, para que eu possa me deslocar para a relativa segurança do interior antes.
Vou contar com você, hein.
Carlos Cezar - 6/3/2014 às 21:00
Darwin deve estar rindo muito, além de qualquer lugar do inferno, do purgatório e do paraíso (para citar Dante e as fantasias bíblicas), diante dessa exploração étnico/tribal/religiosa.
Henrique - 6/3/2014 às 20:54
Ivan I – 06/03/2014 às 19:00
.
Sucesso nas recuperações, Ivan – a física e, principalmente, a espiritual!
Carlos Cezar - 6/3/2014 às 20:50
Temos que demolir alguns termos. Antissemita. O que é isso? Você é contrário a um povo que surgiu há cinco mil anos. Tá.
Antigay. Você é contrário a um gênero que existe desde o início. Tá. Antinegro. Você é contrário a existência de outros povos que não sejam brancos. Tá. A humanidade é cada vez mais escura.
Podemos eliminar o antigaysismo, o antinegrismo e o antissemitismo? Pode ser. Primeiramente, temos de eliminar o termo antissemitismo. É o mais moderno. Apenas seis, ou cinco mil anos, de acordo com suas fantasias nos livros hebraicos tradicionais. Contos de fada, como dizia Einstein. Mas e o antinegrismo? Talvez mais acentuadamente nos últimos séculos.
Percebe o ridículo?
rodrigo - 6/3/2014 às 20:48
É realmente um absurdo,caio, que ousadia, isso é pura provocação, afinal o privilégio de desrespeitar leis internacionais e decisões da ONU pertence apenas e somente aos EUA…
Ricardo - 6/3/2014 às 20:45
Nazistas e judeus do mesmo lado na Ucrânia? Pergunto quem é o pato na história…
Ricardo Salazar - 6/3/2014 às 20:45
A invasão não é invasão em tudo: http://journal-neo.org/2014/03/06/georgian-background-to-the-western-invasion-hysteria/ , http://journal-neo.org/2014/03/04/us-attempts-to-vilify-russia-are-astounding-hypocrisy/
Alexandre F - 6/3/2014 às 20:39
Bom texto da coluna, e vários comentários interessantes hoje.
Com este tema eu não consegui deixar de lembrar do filme Everything Is Illuminated dirigido pelo Liev Schreiber, com o Elijah Wood. Pois trata exatamente disso : Ucrânia, comunidade judaica e os horrores passados. Com um final surpreendente. Um filme excelente, mas imensamente triste. Infelizmente poucas pessoas assistiram na época (2005). Com certeza o Putin não foi um deles.
maisvalia - 6/3/2014 às 20:36
Fernando Carreiro Albuquerque
-
Mandou bem mas poderia acrescentar que o reaça Olavão deu um baile no Dugin em debate conhecido na internet.
—–
O Magno vai na linha do Diogo e acho que é o que vai acontecer. Um racha, de preferência pacifico.
—–
Ivan I
Boa recuperação procê.
Abs
Ricardo Salazar - 6/3/2014 às 20:27
Fontes não russas: http://www.worldpolicy.org/blog/2014/03/03/fears-anti-semitism-spread-ukraine , http://www.timothyeastman.com/uncategorized/an-interview-with-mira-andrei-and-sascha-of-antifascist-action-ukraine/ , http://www.nybooks.com/blogs/nyrblog/2010/feb/24/a-fascist-hero-in-democratic-kiev/ , http://www.apimages.com/metadata/Index/Ukraine-Nationalist-Rally/3a1b0b69c9584436931937fa9a2fa09a/42/0 , http://www.spiegel.de/international/europe/ukraine-sliding-towards-civil-war-in-wake-of-tough-new-laws-a-945742.html , http://www.jta.org/2014/02/24/news-opinion/world/east-ukraine-synagogue-hit-by-firebombs , http://www.haaretz.com/jewish-world/jewish-world-news/.premium-1.576372# , http://www.haaretz.com/jewish-world/jewish-world-news/1.575732 , http://forward.com/articles/193488/ukraines-unfinished-revolution-sparks-hope-for-jew/ , http://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/178078#.UxUp04WmWnM , http://www.slate.com/blogs/the_world_/2014/02/20/russia_says_the_ukrainian_protesters_are_fascists_and_nazis_are_they.html , http://www.ibtimes.com/euromaidan-dark-shadows-far-right-ukraine-protests-1556654
Ricardo - 6/3/2014 às 20:27
Ivan I (18:50), o que assusta é que a mídia e o estabilishment americano compartilham da sua visão.
Diga, o senhor quer a III Guerra?
rodolfo - 6/3/2014 às 20:21
Não vi rifle nenhum nas mãos destes ucranianos que morreram aqui. Reparem que atiram em um homem que estava levando uma maca para recolher o corpo de outro. http://censor.net.ua/cnPlayer.swf?vf=institutskayapodobstrelom
Ricardo - 6/3/2014 às 20:19
Timothy Stanley: “We are dealing with a major power with nuclear weapons that has the capacity to reduce the world to so much irradiated ash. The West needs to be careful with its words”
edition.cnn.com/2014/03/05/opinion/stanley-hillary-clinton-hitler/index.html?iref=obinsite
1 2 3 … 7 Próximo »
1 Trackback

Na campanha quixotesca contra a agitprop | De Nova York - VEJA.com


Últimas notícias
  Flamengo e Botafogo vencem e lideram o Carioca
◄ ● ● ● ● ● ►
+ Lidas
1O bandido e seu labirinto
2Acuada, Dilma pede mobilização contra 'golpismo'
3O homem da mochila
4Xuxa vira meme de novo -- agora pela ida para Record
5Conheça a candidata presidencial 'mais sexy do mundo'
Blogs e colunistas

Radar on-line
Lauro Jardim

Coluna do
Ricardo Setti
◄ ● ● ● ● ● ● ►


Categorias
2014 2015 Abbas Abe Abismo fiscal Aécio Neves Afeganistão África África do Sul Ahmadinejad Alabama Alberto Nisman Alemanha Alois Brunner Amanda Knox América Latina Anders Breivik Anthony Weiner Antissemitismo Arábia Saudita Argélia Argentina Ariel Sharon Ásia Assad Auschwitz Austrália Bachelet Barbárie Bassem Youssef Belarus Bélgica Benghazi Bento XVI Bergdahl Berlim Berlusconi Bersani Bielorrússia Bili de Blasio Bill Clinton Bill de Blasio Bill O'Reilly Blinder Blinder & Blainder Bloomberg Bohener Boko Haram Bolão da Coluna Bolívia Bósnia Boston Brasil Brics Bulgária Bush Camarões Cameron Canadá capitalismo Carter Casamento gay Chávez Chile China Chipre Chris Christie Christie Chuck Hagel Churchill CIA Ciência Cisjordânia Civilização CNN Colômbia Congo Congresso Congresso EUA Constituição Copa Coréia do Norte Coreia do Sul Corleone Corrupção Corte Suprema Costa Rica Crimeia Crise econômica Crise nuclear Cristãos Cuba Cubazuela Curdos De Blasio Declínio americano Democratas Demografia Dia D Dilma Rousseff Diogo Mainardi Direitos Humanos dolce vita Ebola Eduardo Campos Educação Egito Eisenhower Eleições 2012 Eleições Brasil Eleições EUA Eleições EUA 2014 Eleições francesas Eliot Spitzer Ellsberg embaixadas políticas Emergentes Energia Equador Erdogan Escândalos Escócia Eslováquia Espanha Estado Islâmico EUA Eurasia Europa Evo Morales Facebook Falklands Falsa memória Feitiço do tempo Femen Ferguson Férias FHC Fidel Castro Filha Filipinas Fox News França Francis Fukuyama Francisco Francisco I Frank Lautenberg Furacão Sandy Gaza Geert Wilders Gênios Geopolítica George H. W. Bush George Orwell George W. Bush George Zimmeman Gingrich Giuliani Glen Rock Globalização Grã-Bretanha Grécia Greenwald Grillo Guerras Culturais Günter Grass Hamas Henrique Capriles Hezbollah Hillary Clinton Hipsters Hisham Fageeh Hitler Hollande Hollywood Hong Kong Humor Hungria Ian Buruma Imigração Imigrantes Imprensa Índia Indonésia Internet Irã Iraque Irmandade Muçulmana Israel Itália Japão Jeb Bush Jerusalém Jindal João Paulo II Joe Biden John Brennan John Kennedy John Kerry John McCain Joice Hasselmann Jon Stewart Juan Manuel Santos Jules Assange Justiça Justin Bieber Khamenei Kissinger Latinos Leblon Leitores Lênin Leyen Libano Líbia Lincoln Livros Londres Lukashenko Lula Lyndon Johnson Maconha Malala Yousafzai Mali Malvinas Mandela Manhattan Connection Mao Maquiavel Marco Archer Cardoso Moreira Marco Rubio Margaret Thatcher Marina Silva Marine Le Pen Martin Luther King Martin Wolf Meio ambiente Merkel México Mianmar Mídia Mira Nair Miranda Missão Rosetta Modi Monarquia Monti Mórmons Morsi MSNBC Mubarak Mugabe Mundo Árabe Mundo islâmico Mursi nazismo Netanyahu Neve Nicolás Maduro Nicolas Sarkozy Nigéria Nixon Nobel Noruega Nova Jersey Nova York Novela fiscal Novembro Obama ONU Oriente Médio Orwell Oscar Otan Ouellet Palestinos Papa Papa Francisco Paquistão Paraguai Paris Parlamento Europeu Paul Ryan Paulo Francis Península coreana Pensata Pentágono Perspectiva 2014 Peru Petrobras Petróleo Picuinhas Polônia Poroshenko Portugal Primavera Árabe Primeira Guerra Mundial Primeira Impressão Protestos 2013 Putin Quirguistão Reagan Redes sociais Reforma de saúde Reinaldo Azevedo República Centro-Africana Republicanos Retrospectiva 2013 Roberto Civita Roberto DaMatta Rohani Rolling Stone Romney Rouhani Rússia Salman Rushdie Samantha Power Sandy Santorum São Paulo Sarah Palin Scarlett Johansson Segundo mandato Shinzo Abe Siraque Síria Sisi Snowden Sochi Somália Stálin Stephen Harper Suécia Super Bowl Susan Rice Suu Kyi Tailândia Tea Party Ted Cruz Terror The New York Times Tito Mainardi Trayvon Martin Tunísia Turcomenistão Turismo Turquia TVEJA Ucrânia Uncategorized União Europeia URSS Uruguai Vaticano Venezuela Vietnã Violência americana Wall Street Watergate Xi Jinping Yanukovich Yasser Arafat Yazidis Zimbábue Zuma
Arquivo
FEVEREIRO 2015
S T Q Q S S D
« jan
  1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28
Notícias de VEJA.com
Nigéria planeja adiar eleições gerais para enfrentar Boko Haram
Ataques deixam ao menos 37 mortos e 86 feridos em Bagdá
Acidente em Taiwan faz TransAsia suspender 90 voos para treinar pilotos
Xuxa vira meme de novo -- agora pela ida para Record
Casos de dengue sobem 57,2% no Brasil em um ano

Serviços
TabletAndroidFacebookFoursquareTwitterGoogle+RSSNewsletterAnuncieTempoCotaçõesiba clubeAssine

Assinaturas



Nome:  Nasc.: E-mail:  CEP:
Apenas 8x R$ 57,50

Notícias
Brasil
Ciência
Economia
Educação
Entretenimento
Esporte
Mundo
Saúde
Vida Digital
RSS
Infográficos
As Listas de VEJA
Saber +
Na História
Em profundidade
Perguntas e Respostas
Conheça o país
Cronologia
Quem é Quem
Testes
Vídeos e Fotos
Vídeos
Galerias de fotos
Galerias de vídeos
Revistas
VEJA
Os livros mais vendidos
Edições especiais
Expediente
VEJA São Paulo
VEJA Rio
Comer e Beber
VEJA na Sala de Aula
Temas
Reportagens, vídeos,
infográficos e cronologia
de assuntos em
destaque no noticiário
Blogs e colunistas
Antonio Ribeiro, de Paris
Augusto Nunes, coluna
Caio Blinder, de Nova York
Felipe Moura Brasil, blog
Fernanda Furquim, séries de TV
Geraldo Samor, mercados
Isabela Boscov, cinema
Lauro Jardim, Radar on-line
Leandro Narloch,
O Caçador de Mitos
Leonel Kaz, cultura
Lucia Mandel, dermatologia
Patrícia Villalba, Quanto Drama!
Paula Pimenta, Fazendo meu blog
Reinaldo Azevedo, blog
Ricardo Setti, coluna
Rodrigo Constantino, coluna
Sérgio Rodrigues,
livros e escritores
Cidades Sem Fronteiras,
Mariana Barros
Parceiros
Contas Abertas
Excelências
Blogs da redação
Impávido Colosso, infográficos
Maquiavel, política
VEJA Acompanha
VEJA Meus Livros,
literatura
Dez Mais, variedades
Acervo Digital, história
Sobre palavras,
Sérgio Rodrigues
Enquetes, opinião
Sobre Imagens, fotografia
Imperdível, variedades
Conversa em Rede, internet
Testes,
conhecimentos gerais
Serviços
Assine VEJA
iba clube
Busca
RSS
Twitter
Facebook
iPhone
Celular
Newsletter VEJA
Fale conosco
Para anunciar
Abril SAC
Aponte erros
Tempo
Cotações
Redes Sociais
Termo de uso
Política de
Privacidade
Editora AbrilCopyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados