domingo, 22 de fevereiro de 2015

JURE A SI MESMO NETANYAHU, QUE NÃO FARÁ MAIS ALIANÇAS COM INIMIGOS DO SIONISMO PARA AGRADA-LOS OU QUE FARÁ I TSAHAL RECUAR DEPRESSIVAMENTE COMO NA ÚLTIMA OPERAÇÃO, QUE SUA CONFIRMAÇÃO NO PODER E DE SEUS ALIADOS ESTARÁ GARANTIDA. LIDERE ISRAEL POR IEHOUAH E ELE SERÁ COM SUA GESTÃO ( E NINGUÉM SE ESQUEÇA QUE NESTA ALTURA JÁ PODEM TER MEGA TÚNEIS CAVADOS CONTRA ISRAEL POR TODOS OS AGRUPAMENTOS TERRORISTAS DE TODAS AS FRONTEIRAS, INCLUSIVE O ESTADO ISLÂMICO EM UM TEATRO LETAL COM O HEZBOLLAH)


sábado, fevereiro 21, 2015

NETANYAHU VAI DISCURSAR NO CONGRESSO NORTE-AMERICANO EM DATA DE GRANDE SIGNIFICADO BÍBLICO

Desde há semanas que a esperada intervenção do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu no Congresso norte-americano tem gerado uma grande controvérsia, não só em Israel, como nos próprios Estados Unidos, onde o próprio presidente Hussein Obama se manifestou contra e já afirmou que não estará presente, tendo a própria Casa Branca censurado o líder o líder do Congresso John Boehner, por ter alegadamente "rompido o protocolo" ao convidar o líder israelita para falar no Congresso. 
Por outro lado, esses mesmos que agora são contra o discurso do líder israelita não se importam que o líder católico Francisco I ali vá também discursar em Setembro deste ano...

DATAS PROFÉTICAS?
O que talvez muitos não tenham entendido ainda é a coincidência de datas do discurso de Netanyahu ao órgão mais importante dos Estados Unidos e a da celebração de uma festa bíblica - o Purim - que lembra a preservação milagrosa do povo judeu exilado na Pérsia, com a divina intervenção da raínha Ester.
O dia do discurso - 3 de Março próximo - é exactamente na véspera do dia da celebração da salvação dos judeus na Pérsia. Os persas tinham planeado destruir todos os judeus residentes no império, até que o plano foi descoberto por Mordecai, tio de Ester, já raínha da Pérsia nessa altura. Mordecai influenciou-a decididamente a apresentar-se diante do rei, arriscando a sua própria vida, suplicando a este para que poupasse o seu próprio povo, o povo judeu. 
Não só o rei acedeu, como mandou matar os promotores deste verdadeiro genocídio. 
Desde então todos os judeus sempre celebram essa data, numa alegre festa a que chamam "Purim", em que se mascaram e trocam presentes entre si.
Se adaptarmos essa realidade aos dias actuais, basta lembrar que a antiga Pérsia equivale ao actual Irão, e que o mesmo ódio que planeou a extinção do povo judeu há 2500 anos é o mesmo que domina hoje as pérfidas mentes dos dirigentes iranianos.
Espera-se que Netanyahu seja firme no seu discurso, aproveitando a época histórica para denunciar fortemente os planos actuais do Irão com o seu programa de desenvolvimento nuclear cujo objectivo principal é "limpar" Israel do mapa. Com um fracassado presidente que se revelou um falso amigo de Israel e demasiadamente passivo diante do Irão, os EUA precisam de ser lembrados da urgente necessidade de se colocarem 100% ao lado de Israel na sua luta contra o terrorismo islâmico e ainda mais com a cada vez mais iminente ameaça nuclear iraniana. E Netanyahu é o homem certo, na hora certa, para falar à consciência do congresso norte-americano.
Poucas semanas depois deste discurso que se prevê histórico e até profético, Israel entrará em eleições nacionais, não se sabendo até que ponto o actual primeiro-ministro conseguirá manter a sua posição governamental. Talvez o seu discurso seja o "tudo por tudo" nesta hora de tão grande tensão política em Israel e em toda a região circunvizinha.

SINAIS NOS CÉUS
Três dias depois das das eleições - 17 de Março - haverá um eclipse solar que coincidirá com o início do mês bíblico de Nisan. Logo a seguir, no dia 3 de Abril, exactamente um mês após o discurso de Netanyahu, o mundo assistirá a mais uma "lua vermelha" - uma tetrad - coincidindo exactamente com o início da Páscoa judaica...
Grandes acontecimentos podem estar a caminho nas próximas semanas. E, como sempre, Israel é cada vez mais o relógio profético que Deus usa para falar às nações e aos povos que O querem ouvir. Infelizmente, muito poucos...

Shalom, Israel!

Sem comentários: