sexta-feira, 3 de abril de 2015

Não apenas (o acordo) deixa o Irã com uma ampla infraestrutura nuclear, com também não resulta no fechamento de uma única instalação nuclear, autoriza Teerã a conservar milhares de centrífugas para seguir enriquecendo urânio e permite continuar com as pesquisas de desenvolvimento para construir novas centrífugas mais potentes


ORIENTE MÉDIO

Iranianos celebram acordo nuclear histórico; Israel critica


3 ABR2015
09h12
atualizado às 09h12


Uma multidão saiu às ruas de Teerã nesta sexta-feira para receber a equipe de negociadores iranianos em seu retorno da Suíça, onde na quinta-feira assinaram um acordo preliminar com as grandes potências internacionais sobre o programa nuclear do país, que Israel chamou de "perigoso".

Após o anúncio na quinta-feira em Lausanne dos "parâmetros" deste acordo preliminar histórico negociado há 18 meses, o Irã e as grandes potências devem examinar agora as opções e solucionar os complexos detalhes técnicos, com o objetivo de obter um acordo definitivo até a data limite de 30 de junho.

A assinatura do acordo não significa que a confiança é total. Os países ocidentais advertem que qualquer pacto pode ser revisado se Teerã não cumprir sua parte.

Após as negociações na Suíça, com um papel dominante dos Estados Unidos, país com o qual o Irã não tem relações diplomáticas, o ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohamad Javad Zarif, e sua equipe foram recebidos como heróis por uma multidão.

"Viva Zarif, viva Araghchi", gritaram, em referência ao ministro e a um de seus assessores, Abas Araghchi.

Zarif acenou com um sorriso para os simpatizantes. Em um breve comentário, ele agradeceu ao guia supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, o homem que dá a palavra final nas decisões do Irã nas negociações nucleares, por seu "grande apoio".

O presidente iraniano, Hassan Rohani, deve falar com a imprensa sobre o acordo nas próximas horas.

O anúncio de quinta-feira foi recebido com gritos e buzinaço em Teerã. As pessoas comemoraram nas ruas com música e o gesto da vitória. Também agitavam lenços brancos.

"Agora vamos poder viver normalmente, como o resto do mundo", afirmou Davoud Ghafari, que espera o fim das sanções internacionais que asfixiam a economia iraniana há vários anos.

"A opinião pública mostrou que compreende a diferença entre os traidores e os que estão a serviço da nação", afirmou nesta sexta-feira Saeidollah Allahbedashti, um colaborador próximo do presidente Rohani, em referência a alguns conservadores, que denunciam concessões muito importantes ao Ocidente.

O acordo preliminar contempla, entre outros pontos, a redução do número de centrífugas no Irã, que passarão de 10.000 ativas a 6.000, e o compromisso de não enriquecer urânio durante 15 anos no complexo nuclear de Fordo, construído em uma montanha, o que significa um difícil acesso e supervisão.

Também prevê que as sanções americanas e europeias serão suspensas a partir do momento que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) certificar o respeito de Teerã aos compromissos e que serão restabelecidas se o Irã descumprir o o acordo.

Até o momento não foi divulgada uma data para o reinício das negociações de um acordo definitivo, mas Rohani afirmou na quinta-feira que devem começar imediatamente para a conclusão até 30 de junho".

Nesta sexta-feira, o ministro francês das Relações Exteriores, Laurent Fabius, afirmou que a delicada questão do calendário de suspensão das sanções ainda não está resolvida.

"Os iranianos querem uma suspensão imediata de todas as sanções. Nós afirmamos: devem ser suspensas à medida que respeitarem seus compromissos. Se não respeitarem, evidentemente, voltaremos à situação anterior".

Moscou afirmou que está disposta a fornecer combustível aos reatores de fabricação russa no Irã e admitiu que "ainda resta muito por esclarecer".

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, citou um "acordo histórico", mas destacou que deve ser objeto de "verificações sem precedentes" no que diz respeito a sua aplicação.

"Estamos muito felizes com o acordo assinado", afirmou o ministro turco das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, que espera ver o Irã adotar as etapas necessárias para possibilitar o acordo definitivo até julho.

A Arábia Saudita afirmou que espera uma "acordo definitivo restritivo" para o Irã, que reforce a estabilidade e a segurança no Oriente Médio, enquanto Israel voltou a criticar o anúncio.

"O acordo preliminar é um passo em uma direção muito perigosa", declarou nesta sexta-feira o porta-voz do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu à imprensa.

"O único objetivo do Irã é produzir a bomba atômica", disse Mark Regev à imprensa.

"Não apenas (o acordo) deixa o Irã com uma ampla infraestrutura nuclear, com também não resulta no fechamento de uma única instalação nuclear, autoriza Teerã a conservar milhares de centrífugas para seguir enriquecendo urânio e permite continuar com as pesquisas de desenvolvimento para construir novas centrífugas mais potentes", criticou.

Netanyahu afirmou na quinta-feira ao presidente americano Barack Obama que o acordo ameaça a sobrevivência de Israel.




COMPARTILHE






publicidade


Irã: Brasil elogia acordo após mediação frustrada em 2010
Papa lava os pés de detentos em cerimônia tradicional de...

TUDO SOBRE ORIENTE MÉDIO

Dia da Mentira: internautas transformam 1º de Abril em "Dia da Dilma"
Pode comer carne na Semana Santa? Qual a origem do ovo de páscoa?
Jeep Renegade: o aventureiro com pedigreepatrocinado por
Jeep - Bufalos TV - UOL Carros

Técnicas de memorização para a OABpatrocinado por
Provas da OAB


sugerido por











MORTE DE THOMAZ ALCKMIN




Filho de Alckmin morre em queda de helicóptero em São Paulo





Família de Alckmin diz estar "inconsolável" após acidente




Dilma e Lula lamentam morte de filho de Geraldo Alckmin

Publicidade

PRINCIPAIS HISTÓRIASatualizado às 09h46




EUROPA


Segunda caixa-preta confirma que copiloto derrubou avião
COMPARTILHAR




CIDADES


Santos: bombeiros dizem que combate ao fogo pode durar dias
COMPARTILHAR




CIDADES


Veja o que abre e fecha em São Paulo no feriado da Páscoa
COMPARTILHAR




BRASIL


Dilma escolhe desembargador Reynaldo Fonseca para o STJ
COMPARTILHAR




ECONOMIA


Dilma diz que não viu nenhum sinal de corrupção na Petrobras
COMPARTILHAR





BRASIL


Corpo de filho de Geraldo Alckmin é velado em São Paulo
COMPARTILHAR




SÃO PAULO


São Paulo faz 10 anos sem vencer Paulista; como era o mundo?
COMPARTILHAR




BBB15


BBB15: após climão, Amanda vence 1ª 'Prova do Finalista'
COMPARTILHAR




CONTEÚDO PUBLICITÁRIO


Dinheiro na mão para seus projetos! BB antecipa restituição
COMPARTILHAR





Dilma avalizou contrato de estaleiro envolvido em fraudes







VEÍCULOS


Manobrista confunde o freio e bate Ferrari rara de R$ 1,4 mi
COMPARTILHAR




ESTADOS UNIDOS


Homem será libertado após quase 30 anos no corredor da morte
COMPARTILHAR



VÍDEOS DO DIA




Gato vira babá e protagoniza momentos de fofura com criança





Veja momento em que Fabrício faz gesto obsceno e é expulso




Mãe explica sucesso de foto de biquíni: foi um catalisador

Publicidade





CAMPEONATO CARIOCA


Efeito suspensivo cai, e Luxemburgo está fora do Fla-Flu
COMPARTILHAR




EMPREENDEDORISMO


Fundador do Walmart apostou em preço baixo e criou império
COMPARTILHAR




COPA DO BRASIL


Bahia fica no zero em Manaus e leva decisão para Fonte Nova
COMPARTILHAR




VEÍCULOS


Conforto e velocidade: veja teste do novo Mercedes-Benz GLA
COMPARTILHAR




TV


Netflix anuncia quarta temporada de House of Cards para 2016
COMPARTILHAR




TÊNIS


Djokovic bate Ferrer e encara Isner nas semifinais em Miami
COMPARTILHAR




ATUALIDADES


Periodontite pode fazer os dentes caírem rápido, sabia?
COMPARTILHAR