quinta-feira, 9 de abril de 2015

Num discurso que é também ele um elemento de estratégia negocial, Khamenei deixou vários sinais: disse que o nuclear é uma “necessidade” para o desenvolvimento do Irão, que a supervisão internacional não pode implicar a inspecção de instalações militares e aludiu a intenções “demoníacas” dos EUA. Afirmou ainda que um prolongamento do prazo para além de 30 de Junho não seria o fim do mundo.


Saltar para o conteúdo

Público



Artigos seguintes
Artigos anteriores



Reduzir custos do trabalho para empresas é o desafio que Passos deixa por fazer



Salgado ouvido pelo regulador dos mercados suiço



Estudo encontra refeições escolares com sal a mais



Fundação promove discussão sobre "Admirável Mundo Novo" das tecnologias no Porto



Grândola e Silves tentam levar turistas do litoral para o interior



Grécia não pediu ajuda financeira à Rússia



Lei das Finanças Locais com verba adicional para premiar desempenho dos municípios



Frances Bean Cobain chora quando ouve Dumb mas os Nirvana dizem-lhe pouco



Acrobacias com Almada Negreiros para celebrar 100 anos da revista Orpheu



Segurança Social: Tribunal obriga reintegração de funcionárias

0
3




Líder do Irão compara ataques árabes no Iémen aos de Israel a Gaza


JOÃO MANUEL ROCHA

09/04/2015 - 17:55


Ali Khamenei sobe tom para com a rival Arábia Saudita. Ayatollah arrefece entusiasmo criado por pré-acordo sobre programa nuclear.“A agressão da Arábia Saudita criou um mau precedente na região”, disse Khamenei AFP




3








O líder supremo do Irão, ayatollahAli Khamenei, acusou a Arábia Saudita de estar a cometer genocídio no Iémen, onde prosseguem ataques aéreos de uma coligação árabe sunita liderada por Riad contra os rebeldes xiitas. “O que o Governo saudita está a fazer ao Iémen lembra o que o regime sionista faz a Gaza. É um massacre, um genocídio que pode ser julgado em tribunais internacionais”, disse, em declarações divulgadas pelo seu site oficial e pela televisão, e traduzidas pelas agências AFP e Reuters.

O número um iraniano arrefeceu também o entusiasmo criado no país com a perspectiva de um acordo internacional de redução do programa nuclear iraniano que acabe com as sanções, embora não tenha excluído um entendimento. “O que foi feito até agora não garante nem o acordo em si, nem que as negociações vão até ao fim”, declarou Khamenei, a quem cabe, do lado de Teerão, a última palavra sobre um entendimento.

Quanto ao Iémen, o líder iraniano considera a actuação saudita “inaceitável”. “A agressão da Arábia Saudita contra o Iémen e o seu povo inocente foi um erro … criou um mau precedente na região”, disse. “Riad não sairá vitorioso desta agressão.” Oayatollah denunciou “massacres de crianças e a destruição de casas, de infra-estruturas e das riquezas do Iémen”, e falou numa mudança na política externa saudita que atribui a “alguns jovens inexperientes”.

Khamenei criticou também o apoio norte-americano à coligação sunita, dizendo que “está na natureza dos Estados Unidos apoiarem os opressores”.

O secretário de Estado de Washington, John Kerry, tinha afirmado que as autoridades de Teerão fornecem armamento aos rebeldes huthis do Iémen, um grupo xiita – tal como o Irão – que controla vastas áreas do país. “O Irão deve saber que os Estados Unidos não ficarão de braços cruzados enquanto a região é desestabilizada e há quem lance uma guerra aberta através das fronteiras internacionais”, declarou, citado pela AFP. “Houve – há, obviamente – voos provenientes do Irão. Todas as semanas, localizámo-los e sabemos disso.”

Os ataques da coligação árabe no Iémen, iniciados há duas semanas, visaram na quinta-feira posições huthis nas regiões de Taez, no sudoeste; na capital, Sanaa; e no Norte, tradicional feudo do grupo; disseram testemunhas à agência. Os huthis combatem os apoiantes de Abd Mansour Hadi, Presidente exilado em Riad. Têm o apoio de soldados leais ao ex-Presidente Ali Abdullah Saleh. Nas últimas semanas os confrontos têm tido mais intensos na cidade de Áden.

Ali Khamenei quebrou também o silêncio sobre o acordo conseguido no final da semana passada entre o Irão e os países do grupo 5 + 1 (China, EUA, França, Reino Unido + Alemanha) sobre aspectos-chave de um acordo de redução da capacidade nuclear iraniana, a troco do levantamento de sanções. As negociações para um entendimento final devem prosseguir até ao fim de Junho, mas os avanços foram recebidos com manifestações de júbilo no Irão.

O líder reclama agora que todas as sanções ao Irão sejam levantadas em simultâneo com um acordo final e mostrou algum distanciamento em relação ao entendimento obtido em Lausanne, que prevê o desmantelamento de mais de dois terços da capacidade iraniana de enriquecimento de urânio. “Nem apoio nem me oponho”, disse. “Nunca estive optimista sobre negociações com a América… no entanto, concordei, apoiei-as, e ainda apoio”.

Num discurso que é também ele um elemento de estratégia negocial, Khamenei deixou vários sinais: disse que o nuclear é uma “necessidade” para o desenvolvimento do Irão, que a supervisão internacional não pode implicar a inspecção de instalações militares e aludiu a intenções “demoníacas” dos EUA. Afirmou ainda que um prolongamento do prazo para além de 30 de Junho não seria o fim do mundo.

Um dos primeiros a reagir às palavras do guia supremo foi o ministro francês dos Negócios Estrangeiros. Laurent Fabius disse que as declarações mostram que há muito trabalho a fazer antes de um acordo final sobre o programa nuclear.









ÚLTIMAS NOTÍCIAS

18:52Chineses que viajam têm de se portar bem, diz o Governo
17:55Líder do Irão compara ataques árabes no Iémen aos de Israel a Gaza
17:20Grécia paga empréstimo ao FMI a tempo
17:08A guerra vai provocar um pico de mal nutrição no Iémen
11:28Foi detido homem que matou três pessoas no tribunal de Milão





MAIS POPULARES

1POLÍTICA:ERC diz que concursos telefónicos das TV são “acções enganosas”
2PORTUGAL:Os descamisados doutorados
3SOCIEDADE:Mães depois dos 33 têm o dobro das probabilidades de viver até aos 95 anos
4TECNOLOGIA:Nova bateria de alumínio pode ser carregada num minuto
5SOCIEDADE:Bebé terá sido morto à facada pelo pai em Oeiras






RECOMENDADOS




Billie Holliday faria hoje 100 anos




Ovar: libertada família trancada em casa por assaltantes




Relações que matam



MUNDO
Djhokhar Tsarnaev considerado culpado dos atentados em Boston



ÚLTIMAS



MUNDO
Chineses que viajam têm de se portar bem, diz o Governo



MUNDO
Grécia paga empréstimo ao FMI a tempo



MUNDO
A guerra vai provocar um pico de mal nutrição no Iémen



MUNDO
Foi detido homem que matou três pessoas no tribunal de Milão






COMENTÁRIOS









































LOJA
Anterior
Seguinte





Colecção Design Português





"Olhar" de Vhils





Colecção Novela Gráfica





DVD Nightcrawler





Série Ípsilon Grandes Realizadores 2




56%
desconto

Leitão de Negrais no Afonso dos Leitões | Refeição Completa 25€

82%
desconto

Revisão Automóvel OFICIAL | 10 Oficinas Gocarmat® 59€

40%
desconto

Isla Mágica + Noites em Hotel 4* | Comece o Verão em Grande 120€

51%
desconto

Personal Training Exclusivo | 1, 3 ou 5 Sessões em Lisboa 14.9€

77%
desconto

Conjunto 6 Facas & Descascador Titanium | Revestimento Cerâmico 13.99€





Público

© 2015 PÚBLICO

Comunicação Social SA
FACEBOOK
TWITTER
GOOGLE+
RSS
Mapa do site

SECÇÕES
Portugal
Economia
Mundo
Cultura-Ípsilon
Desporto
Ciência
Tecnologia
Opinião
Multimédia
Edição Impressa
Tópicos

SITES PÚBLICO
2
Fugas
Life&Style
P3
Ípsilon
Cinecartaz
Guia do Lazer
Inimigo Público

SERVIÇOS
Meteorologia
Loja
Emprego
Jogos
TV
Classificados
Imobiliário
Iniciativas

QUIOSQUE PÚBLICO
Assinaturas
Aplicações Mobile
Sites Mobile
Tablet
Kindle

INFORMAÇÕES
Novo site
Contactos
Ficha Técnica
Autores
Ajuda
Comentários e Inquéritos
Público+
Provedor do Leitor
Termos e Condições
Política de Privacidade
Publicidade