segunda-feira, 27 de abril de 2015

Parabéns Reuven Rivlin. " O representante do Patriarca armênio, o arcebispo Aris Shirvanian, expressou seu mal-estar a Rivlin porque o Estado de Israel não se referiu aos crimes sobre o povo armênio como "genocídio", e Rivlin reconheceu que os líderes israelenses devem dar mais importância a este episódio."



Explosões de três carros-bomba deixam 10 mortos em Bagdá
A difícil missão de recomeçar do zero no Nepal (em fotos)
ONU destina US$ 15 milhões para ajudar vítimas de terremoto
Loretta Lynch toma posse como procuradora-geral dos EUA
Líder do Estado Islâmico está morto, diz rádio iraniana
Defesa pede prisão perpétua para autor do atentado de Boston
Austrália e França se unem em cooperação contra o terrorismo
Uruguai negocia reforço de laços turísticos com o Brasil
Secretário-geral da ONU "deplora" ações de Israel em Gaza
Cruz Vermelha pede 32 milhões de euros em ajuda para o Nepal

PreviousNext

MUNDO26/04/2015 12:36

Presidente de Israel fala sobre massacre armênio


336 views
1

REUTERS/David MdzinarishviliPasseata em memória aos 100 anos do genocídio armênio, na Armênia



Jerusalém - Neste domingo, pela primeira vez na história, um presidente israelense, neste caso Reuven Rivlin, lembrou o centenário do genocídio armênio que custou a vida de um milhão e meio de pessoas durante a I Guerra Mundial (1914-1918).

"O povo armênio foi a primeira vítima de um massacre em massa moderno. Não pretendemos jogar a culpa em nenhum país em particular mas nos identificamos com as vítimas e o horrível resultado deste massacre", disse Rivil hoje em Jerusalém durante um encontro com líderes comunitários e espirituais armênios.

Sexta-feira o mundo homenageou o milhão e meio de armênios que morreram pelas mãos do Império Otomano. Hoje Rivlin pediu aos judeus que não esqueçam destas mortes.

"Há duas semanas, o povo judeu celebrou o Dia da Lembrança do Holocausto. Após este horrível Holocausto, lembrar a tragédia do povo armênio é uma obrigação, humana e moral, para o povo judeu", afirmou Rivlin.

O presidente israelense disse que o mal pode assolar qualquer povo ou grupo e rejeitou o uso "cínico" da linguagem com propósitos políticos.


O representante do Patriarca armênio, o arcebispo Aris Shirvanian, expressou seu mal-estar a Rivlin porque o Estado de Israel não se referiu aos crimes sobre o povo armênio como "genocídio", e Rivlin reconheceu que os líderes israelenses devem dar mais importância a este episódio.

O cônsul armênio, Tsolag Momjian, qualificou o evento de hoje de "histórico" e apontou que pela primeira vez o parlamento israelense (Knesset), é integrado por dois líderes de sua comunidade, Nachman Shai, da coalizão de centro-esquerda União Sionista, e Anat Berko, do direitista Likud.

"O genocídio armênio não é um caso políticom mas moral. E quero agradecer ao presidente que tenha criado esta oportunidade histórica de hoje", destacou Momjian.

Tópicos: Armênia, Genocídio, Israel,Turquia, Ásia, Europa
E-mail



Comentários
Sugestões dos EditoresVeja o antes e o depois de marcos históricos do Nepal
22 apps bacanas que existem para Android, mas não para iOS
Você é feliz? As populações destes 20 países são
10 livros para empreender de qualquer lugar do mundo
44 empresas têm inscrições abertas para estágio e trainee


Recomendamos para você

Veja como é uma fábrica de brinquedos chinesa por dentro | EXAME.comEconomia


FROM THE WEBSony lança Xperia™ Z3, Z3 Compact, Z3 Tablet e novos SmartBand e SmartWatchBlog Sony


Governo anuncia amanhã nova regra para poupança, diz fonte | EXAME.comEconomia

Recomendado por



Versão Desktop


Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados