segunda-feira, 18 de maio de 2015

Força Ayelet Shaked; mostre aos incircuncisos o que significa uma mulher israelense direitista no poder e caso queira se prepare para liderar a nação





Ver Menu

A

Ver Navegação
1ª página
últimas notícias
opinião
colunistas
poder
mundo
mercado
cotidiano
ciência
esporte
ilustrada
tec
turismo
equilíbrio e saúde
comida
ilustríssima
folhinha
classificados
vice
the new york times
sãopaulo
especial
serafina
tv folha
edição impressa
empreendedor social





mundo


Ministra da Justiça de Israel chama a atenção por posições polêmicas

DANIELA KRESCH
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM TEL AVIV
18/05/201503h00

Uma morena de olhos acinzentados está dando o que falar em Israel. Não nas revistas de moda: no governo. Política novata, Ayelet Shaked, 39, lidera desde domingo (17) um dos ministérios mais importantes do país, o da Justiça, apesar de estar no Knesset (o Parlamento) há apenas dois anos e não ter formação em direito.

Oposicionistas denunciam não só sua inexperiência como o lado de "fera" da bela analista de sistemas.

Shaked é ultranacionalista, contrária à criação de um Estado palestino e crítica do Supremo Tribunal (que considera esquerdista demais). Defende uma lei que classifica oficialmente Israel como "Estado de nacionalidade judaica", tida como discriminatória pela minoria árabe (20% da população).

Casada e mãe de dois filhos, Shaked também é uma estranha no ninho de seu próprio partido, o religioso "Casa Judaica", apoiado em boa parte por colonos israelenses, que vivem em áreas ocupadas na Cisjordânia. Ela é secular e mora em Tel Aviv.

Por conta de um post no Facebook, ela anda com escolta policial. Há cerca de um ano, a ministra escreveu que mães de terroristas palestinos (que chamou de "cobras") deveriam "ir para o inferno" com seus filhos. Desde então, recebe ameaças de morte.

A nomeação também trouxe à tona sentimentos machistas em Israel.

O ex-ministro da Infraestrutura Yosef Paritzky escreveu no Facebook que "pela primeira vez em Israel há uma ministra da Justiça capaz de estrelar num calendário de oficina mecânica".
Gali Tibbon/AFP
A ministra Ayelet Shaked durante sessão no Parlamento de Israel

RIXA COM NETANYAHU

Shaked vai administrar comitês responsáveis por novas leis e influenciar na escolha de juízes. Justamente por isso é que o premiê Binyamin Netanyahu tenta diminuir sua autonomia. Não só por ideologia. Ela e o líder da "Casa Judaica", Naftali Bennet, trabalharam por dois anos (2006 a 2008) no comitê de Netanyahu e saíram de lá depois de uma briga pessoal que ecoa até hoje.

Netanyahu só aceitou a nomeação porque, apesar de ter recebido 25% dos votos nas eleições de 17 de março (30 das 120 cadeiras do Knesset), precisou atrair, a qualquer custo, aliados para formar um governo com 61 cadeiras.

Críticos definem a nomeação como um desastre que pode enfraquecer o Supremo e inviabilizar as negociações de paz com os palestinos.

É o caso do professor árabe-israelense As'ad Ghanem, da Universidade de Haifa. "Com a ajuda do governo inteiro, Ayelet Shaked tentará fazer uma mudança abrangente e profunda em questões básicas de direitos civis, como o futuro do processo de paz", afirma Ghanem.

Ari Soffer, editor do Canal Sete, de tendência direitista, chamou a reação dos críticos de "histérica". Ele lembra que Ayelet Shaked foi eleita para o Knesset democraticamente e tem todos os requisitos para ser ministra.

"Longe, como dizem os demagogos, de ser um perigo para a democracia, a ministra da Justiça pode ser sua última esperança", escreveu Soffer, que apoia a intenção de Shaked de nomear juízes identificados com a direita para o Supremo.

Mas há quem acredite que seja necessário dar tempo para que a nova ministra prove a que veio.

"Ela é uma novata. Espero para ver como ela vai lidar com a nova posição. Até lá, me coloco na cadeira de espectador", afirma o cientista político Menachem Hofnung, da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Fale com a Redação -leitor@uol.com.br
Problemas no aplicativo? -novasplataformas@grupofolha.com.br

FOLHA DE S.PAULO 2015


mundo


Ministra da Justiça de Israel chama a atenção por posições polêmicas

DANIELA KRESCH
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM TEL AVIV
18/05/201503h00

Uma morena de olhos acinzentados está dando o que falar em Israel. Não nas revistas de moda: no governo. Política novata, Ayelet Shaked, 39, lidera desde domingo (17) um dos ministérios mais importantes do país, o da Justiça, apesar de estar no Knesset (o Parlamento) há apenas dois anos e não ter formação em direito.

Oposicionistas denunciam não só sua inexperiência como o lado de "fera" da bela analista de sistemas.

Shaked é ultranacionalista, contrária à criação de um Estado palestino e crítica do Supremo Tribunal (que considera esquerdista demais). Defende uma lei que classifica oficialmente Israel como "Estado de nacionalidade judaica", tida como discriminatória pela minoria árabe (20% da população).

Casada e mãe de dois filhos, Shaked também é uma estranha no ninho de seu próprio partido, o religioso "Casa Judaica", apoiado em boa parte por colonos israelenses, que vivem em áreas ocupadas na Cisjordânia. Ela é secular e mora em Tel Aviv.

Por conta de um post no Facebook, ela anda com escolta policial. Há cerca de um ano, a ministra escreveu que mães de terroristas palestinos (que chamou de "cobras") deveriam "ir para o inferno" com seus filhos. Desde então, recebe ameaças de morte.

A nomeação também trouxe à tona sentimentos machistas em Israel.

O ex-ministro da Infraestrutura Yosef Paritzky escreveu no Facebook que "pela primeira vez em Israel há uma ministra da Justiça capaz de estrelar num calendário de oficina mecânica".
Gali Tibbon/AFP
A ministra Ayelet Shaked durante sessão no Parlamento de Israel

RIXA COM NETANYAHU

Shaked vai administrar comitês responsáveis por novas leis e influenciar na escolha de juízes. Justamente por isso é que o premiê Binyamin Netanyahu tenta diminuir sua autonomia. Não só por ideologia. Ela e o líder da "Casa Judaica", Naftali Bennet, trabalharam por dois anos (2006 a 2008) no comitê de Netanyahu e saíram de lá depois de uma briga pessoal que ecoa até hoje.

Netanyahu só aceitou a nomeação porque, apesar de ter recebido 25% dos votos nas eleições de 17 de março (30 das 120 cadeiras do Knesset), precisou atrair, a qualquer custo, aliados para formar um governo com 61 cadeiras.

Críticos definem a nomeação como um desastre que pode enfraquecer o Supremo e inviabilizar as negociações de paz com os palestinos.

É o caso do professor árabe-israelense As'ad Ghanem, da Universidade de Haifa. "Com a ajuda do governo inteiro, Ayelet Shaked tentará fazer uma mudança abrangente e profunda em questões básicas de direitos civis, como o futuro do processo de paz", afirma Ghanem.

Ari Soffer, editor do Canal Sete, de tendência direitista, chamou a reação dos críticos de "histérica". Ele lembra que Ayelet Shaked foi eleita para o Knesset democraticamente e tem todos os requisitos para ser ministra.

"Longe, como dizem os demagogos, de ser um perigo para a democracia, a ministra da Justiça pode ser sua última esperança", escreveu Soffer, que apoia a intenção de Shaked de nomear juízes identificados com a direita para o Supremo.

Mas há quem acredite que seja necessário dar tempo para que a nova ministra prove a que veio.

"Ela é uma novata. Espero para ver como ela vai lidar com a nova posição. Até lá, me coloco na cadeira de espectador", afirma o cientista político Menachem Hofnung, da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Fale com a Redação -leitor@uol.com.br
Problemas no aplicativo? -novasplataformas@grupofolha.com.br
Publicidade

FOLHA DE S.PAULO 2015