sexta-feira, 15 de maio de 2015

Grato pela explanação do artigo. E pasmo com alguns comentários. O autor do Blogue que acho não conhecer não tem obrigação de ser sabe tudo. Eu já critiquei esse cena na condição de mero observador e entendo que o evangélico sente sua necessidade de reprovar algo publicamente assim como outros cidadãos também tem seus momentos de ser severos com que lhes toca. Mas judeus não são definido só por posição religiosa. Muitos não são religiosos. Não se auto-obrigam todos a defender a Torah, muito menos Israel. O praticante do credo está muito longe de uma ou outra cena. Dizemos também que não creem em Jesus. Quem está dentro da cabeça do outro? Nenhum judeu jamais deixou de ser judeu mesmo depois da morte, pois independentemente de religião a identificação é social histórica. Os rabinos que aplaudiram o Nazareno na Idade Medieval podem ter sido excomungados de outros meios, mas constituiram seus círculos de judeus. Salvação espiritual não é um assunto que começa no "judaísmo" de 3.500 anos atrás, assim como inferno, demonologia e por aí vai. JUDEUS E CRISTÃOS NÃO COMPETEM. A marca judaica legítima é o monoteísmo abrahamico e identificação como Povo de Israel. O resto são transformaçoes e evoluções sociais. A atitude de LU não incomoda por ser apologia afro. Simplesmente, mesmo o judeu não religioso entende no fundo como uma promoção desnecessária de um ato, totalmente aberrante com a natureza esperada do mundo judeu. Entendo como sacanagem por encontrar o público desinformado e tripudiar mais ainda nele. Sabetai Tzevi em 1666 foi messias auto proclamado, mas diante do Sultão, aceitou publicamente o Islã, negou o título de messias e os judeus e viveu como muçulmano até o fim da vida. Porque LU que se apresenta mais como um judeu social não pode variar? Ainda assim é deplorável para cristãos, judeus praticantes da Torah e mais alguns - mesmo que não falem - e nenhum intelectual ou religioso alheio vai mudar isso. Aliás quem gosta de anarquisar judeus e cristãos religiosos precisa se mancar, pois no fim das contas, com todos os erros, é daí que tem surgido benefícios globais e céticos que são produtivos.


  1. A Página da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco no Facebook publicou uma imagem do apresentador da Rede Globo Luciano Huck fazendo oferendas à Iemanjá, ligada ao Candomblé. Na postagem o autor declara: "Esse é o tipo de ídolo que invade as tardes de sábado de muitos lares... inclusive alguns que se dizem evangélicos... Luciano Hulk prestando culto a Iemanjá... Uma imagem fala por si próprio!!!"

    Diante da repercursão da publicação, com mais de 500 compartilhamos e mais 450 comentários, os autores da página fizeram questão de esclarecer:

    "Colocamos essa imagem, não para denegrir a imagem de ninguém, mas para fazer um alerta para as famílias brasileiras evangélicas.

    Uma das armas mais poderosas do diabo é a "enganação", e ele usa ela de uma forma muito especial, a enganação e a "sutileza" são armas poderosas nas mãos do nosso inimigo.

    Quando você menos imagina já está laçado pelo diabo. 

    Todo Ser humano é livre para adorar suas imagens, seus ídolos, ter sua religião, não cabe a nós como crentes conhecedores do evangelho compactuar com isso e nem com essas práticas, não cabe a nós parar em frente de uma TV e colocar nossa família para ver uma pessoa que antes de fazer seus programas invoca seus deuses (repito!!! cada um é livre para ter sua religião e cultuar a quem quer que seja) não cabe a nós aceitar isso em nossas casas e é nosso dever como igreja de Jesus alertar nossos membros sobre essas praticas. 

    Não cabe a nós julgar ninguém, mas falar apenas o que diz a Bíblia, vi alguns comentários de pessoas que criticaram a nossa igreja e nosso pastor por esse post no face da igreja, mas será que as pessoas que estão defendendo a retirada dessa mensagem são verdadeiramente crentes? 

    As pessoas que se dizem crentes e estão incomodadas, será que vocês frequêntam seus cultos de doutrina? 

    Quero dizer que essa mensagem é única e exclusiva para os "evangélicos", não estamos aqui criticando religião e nem acusando ninguém, como crentes temos o compromisso de alertar nossas ovelhas a seguir pelo caminho que nós levara ao céus. Deus abençoe a todos!"

    Apesar de apresentar oferendas à Iemanjá, Luciano Huck costuma dizer em seu programa que é judeu. Aliás, ele já chegou a dizer que o seu "Caldeirão do Huck" era uma verdadeira torre de babel das religiões.

    Huck, se envolveu a poucos dias em outra polêmica quando foi flagrado pela polícia dirigindo alcoolizado e sua habilitação foi apreendida. O mesmo Luciano que ergueu sua voz contra o motorista, que dirigia bêbado e acidentou o filho do ricaço Elke Batista a algum tempo atrás.
     

    Visualizar comentários