quarta-feira, 27 de maio de 2015

Somente com bases avançadas distribuídas pelo Oriente Médio, Israel pode ter e proporcionar a segurança necessária para conter tanto o Islã dos Aiatolás como as demais facções terroristas islâmicas que vivem para trucidar populações cristãs e de outras formações













ORIENTE MÉDIO

Israel agradece a EUA por posição na ONU contra proibição de armas nucleares no Oriente Médio


23 MAI2015
17h29
atualizado às 17h51







4


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, agradeceu ao secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, por ter bloqueado uma tentativa liderada pelo Egito de levar adiante uma possível proibição de armas nucleares no Oriente Médio, durante uma conferência da ONU, disse um representante do governo israelense neste sábado.

Trata-se de uma rara mensagem de agradecimento feita por Netanyahu, que tem frequentemente acusado o presidente dos EUA, Barack Obama, de prejudicar a segurança de Israel ao tentar fechar um acordo nuclear com o Irã.

Uma conferência de um mês para a revisão do Tratado de Não Proliferação Nuclear de 1970 (TPN) terminou sem avanços na sexta-feira, devido aos desentendimentos sobre a proibição de armas nucleares no Oriente Médio. Washington culpou o Egito pelo fracasso, e os egípcios em troca culparam as delegações dos EUA, da Grã-Bretanha e do Canadá pelo impasse.

Netanyahu falou com Kerry "para transmitir seu apreço ao presidente Obama e ao secretário", disse uma autoridade israelense que pediu para não ser identificada.

"Os Estados Unidos mantiveram seu compromisso com Israel ao prevenirem uma resolução sobre o Oriente Médio que iria discriminar Israel e ignorar seus interesses de segurança, assim como as ameaças impostas ao país por um Oriente Médio cada vez mais turbulento", acrescentou o representante do governo.

Israel também agradeceu à Grã-Bretanha e ao Canadá por terem se juntado aos Estados Unidos em impedir um consenso durante a conferência, disse a autoridade.

No mês passado, o Egito, apoiado por outros países árabes e não alinhados, propôs que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, convocasse dentro de 180 dias uma conferência regional sobre a proibição de armas de destruição em massa, como havia sido acordado na reunião de revisão do TPN realizada em 2010.

De acordo com a proposta do Egito, a conferência ocorreria com ou sem a participação de Israel, e poderia ser realizada mesmo sem um entendimento sobre uma agenda ou a discussão de questões regionais de segurança – duas das condições colocadas por Israel para participar.

Israel não confirma nem nega a ampla suposição de que controla o único arsenal nuclear do Oriente Médio.

Israel, que nunca assinou o Tratado de Não Proliferação Nuclear, concordou em tomar parte das reuniões de revisão como observador, encerrando uma ausência de 20 anos.

As propostas do Egito têm o objetivo de pressionar Israel, segundo a avaliação de diplomatas ocidentais. Washington e Israel dizem que o programa nuclear do Irã é que representa uma verdadeira ameaça regional. O Irã afirma que seu programa têm intenções pacíficas.

(Por Louis Charbonneau)

Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.


COMPARTILHE






publicidade


Estado Islâmico mata 20 homens em anfiteatro de cidade síria
EI assassina 20 membros do regime sírio em teatro de Palmira

TUDO SOBRE ORIENTE MÉDIO

Estupros em universidades dos EUA alcançam níveis epidêmicos
Blogueiro de Londres tenta entender significado de 'coxinha'
Primeira medida do ajuste fiscal segue para sanção de Dilma
EI degolou 400 pessoas em Palmira, diz TV estatal síria

sugerido por

carregar mais comentários