quarta-feira, 24 de junho de 2015

Começando dentro de Casa, Bibi. Das duas Casas.



Governos são maior ameaça cibernética, diz Benjamin Netanyahu
Primeiro ministro de Israel discursa em feira de cibersegurança em Tel Aviv. Governo criou ala das Forças Armadas destinada a atuar na ciberdefesa.
23/06/2015 07h42 - Atualizado em 23/06/2015 08h10
Por Helton Simões Gomes
Do G1, em Tel Aviv -- o repórter viajou a convite do Ministério das Relações Exteriores de Israel
Primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, discursa durante feira de cibersegurança em Tel Aviv (Foto: Helton Simões Gomes/G1)Primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, discursa durante feira de cibersegurança em Tel Aviv (Foto: Helton Simões Gomes/G1)
O primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou nesta terça-feira (23) que, apesar de hackers ainda serem responsáveis por grandes ataques no mundo virtual, as maiores ameaças cibernéticas partem de governos.
"Nós temos ataques de hackers, nós temos ataques de organizações não governamentais, mas a maior ameaça vem de governos", afirmou, durante a abertura da 5ª Conferência Anual Internacional de Cibersegurança, que ocorre em Tel Aviv até quinta-feira (25).
Para Netanyahu, a tarefa de lidar com essas investidas também é de governos, que "têm de proteger a privacidade de seus cidadãos, o sistema bancário e a infraestrutura".
A cibersegurança se tornou uma questão de estado em Israel, não só do ponto de vista militar mas também como uma questão de estratégia econômica. Tanto que, há três anos, o governo criou o Ciber Escritório Nacional de Israel (INBC, na sigla em inglês). O órgão civil, subordinado ao gabinete do primeiro-ministro, coordena todas as iniciativas nessa área no país, desde as ações de educação que começam na escola e seguem durante o alistamento militar obrigatório até a atração de empresas e centros de pesquisa para o parque tecnológico Beer Sheva.
Para fortalecer sua atuação, Israel aprovou há poucas semanas duas resoluções. Uma que cria uma autoridade nacional de cibersegurança, o que dá mais força ao INBC. A outra cria uma ala das Forças Armadas destinada a atuar na ciberdefesa.
14
COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
RECENTES
POPULARES
  • Marcos Paulo
    há 5 horas
    Esse cão só quer limpar a barra dele dando discurso de mocinho, porque ele sabe muito bem o que Israel fez espionando as negociações dos 5 + 1 com o Irã, a respeito do programa nuclear, sínico...
  • Fabio Mercadante
    há um dia
    O comentário nazista de Inri Cristho ainda está na página. O G1 é co-autor de crime de racismo e incitação ao ódio.
  • Jose Ribeiro
     respondidohá um dia
    Pq esquerdista e ateu sao racistas doentes e fans de homosexuais, pervertidos, perversos, ditadores, jihadistas, ....tudo de ruim? Viva Israel !
  • Brasil Melhor
    há um dia
    Bhá tomara que a Dilma esteja incluída
  • Jose Ribeiro
    há um dia
    Petralhas tao fazendo o mesmo , veja o lider dos ladroes falando q eh antidemocratico usar as redes socias, claro ,pra falar mal dos bandoleiros.
  • Bruno Tm
     respondidohá um dia
    Contanto que não bloqueiem o X...tá tudo certo.
  • Matias Pasqualotto
     respondidohá um dia
    Compare com o discurso da Dilma sobre o assunto e escolha sua "democracia".
    • Toleman Picoli
      há um dia
      O que os israelenses vão fazer é proteger suas redes de ataques cibernéticos, Não vão bloquear conteúdo algum e nem punir alguém pelo conteúdo postado.
    • Matias Pasqualotto
      há um dia
      penso o mesmo
Tecnologia e Games
versão clássica
Globo © 2001-2014
princípios editoriais