segunda-feira, 8 de junho de 2015

Poder Espiritual - DA POBREZA AO PODER - JAMES ALLEN - CONCENTRAÇÃO





        Aquisição do poder espiritual 

O mundo está cheio de homens e mulheres que procuram o prazer, a excitação, as novidades; pessoas que procuram emoções que as façam rir ou chorar; gente que não se esforça por achar força, estabilidade e poder, porém que namora a fraqueza e a todos os momentos desperdiça as forças que tem.

Raros são os homens e as mulheres que possuem verdadeiro poder e influência, e isto porque poucos são aqueles que estão prontos a fazer o sacrifício necessário para a aquisição do poder, e ainda mais raros são os que estão dispostos a formar pacientemente o seu caráter.

Ser levado para cá e para lá, por seus flutuantes pensamentos e impulsos, é ser fraco e impotente.; dominar e dirigir essas forças é ser forte e poderoso. Os homens de fortes paixões animais têm muito de ferocidade das bestas, mas isto não é poder. Existem neles os elementos do poder; mas o verdadeiro poder começa a aparecer só quando essa ferocidade está subjugada e amassada; os homens podem subir em poder somentvida, ndo se despertem a estados cada vez mais altos de inteligência e consciência.

A diferença entre um homem de fraqueza e um de poder não está na força da vontade pessoal (porque o obstinado é, geralmente, fraco e tolo), mas naquele foco de consciência que representa os seus estados de saber.

Os que buscam prazeres, os amantes da excitação, os caçadores de novidades e as vítimas do impulso e da emoção histérica carecem desse conhecimento dos princípios que dão equilíbrio, estabilidade e influência.

O homem começa a desenvolver em si o poder quando, reprimindo seus impulsos e inclinações egoístas, procura no seu interior a consciência superior e mais calma, firmando num princípio.

O reconhecimento consciente dos princípios imutáveis é, ao mesmo tempo, a fonte e o segredo do mais alto poder.

Quando, depois da longa busca e depois de muito sofrimento e sacrifício, a luz de um eterno princípio ilumina a alma, uma calma divina e uma grande alegria entram no coração.

Quem reconhece esses princípios e vive de conformidade com o seu conhecimento não erra mais, e possui equilíbrio e dominio de si mesmo. Cessa de ser "escravo da paixão" e ven a ser um mestre-construtor no Templo do Destino.

O homem governado por seu "eu", e não por um princípio, altera-se quando prejudicam o seu bem-estar e seus interesses pessoais. Decidido a defender e guardar seus interesses, considera como lícitos todos os meios que possam servir-lhe para esse fim. Pensa, continuamente, como deve proteger-se contra seus inimigos e permanece tão concentrado na ideia de si mesmo, que não percebe que ele mesmo é seu inimigo. A obra deste homem não tem duração, porque está divorciado da Verdade e do poder. Todo esforço que se baseia no "eu" perece; só permanece aquela obra que é construida sobre um princípio indestrutível.

O homem que se baseia num princípio é sempre, em todas as circunstâncias, o mwsmo homem calmo, humilde abnegado. Quando vem a hora da provação ele tem de decidir entre suas comodidades pessoais e a Verdade, sacrifica suas comodidades e permanece firme. Nem tortura, nem morte iminente o alteram, e tampouco o asssustam.

O homem do "eu" considera a perda de suas posses, de suas comodidades ou de sua vida como a maior calamidade  que pode visitá-lo. O homem de princípio, ao contrário, não dá importância a esses incidentes e não procura evitá-los, se isso depende da perda de caráter, o que equivale à perda sa Verdade. Para ele, a única calamidade real que pode acontecer é desertar da Verdade.

É fácil para qualquer pessoa, enquanto viver usufruindo suas posse, convencer-se que crê e adere aos princípios de Paz, Fraternidade e Amor Universal; quando, porém, lhe são tirados seus prazeres ou ela pensa que lhe são tirados, começa a gritar por guerra, mostrando  que não é aderente da Paz, da Fraternidade e do Amor, porém que é partidária da guerra, do egoísmo e do ódio.

Quem não abondona seus princípios quando sofre a perda de qualquer coisa terrena, nem quando deve perder a reputação e a vida, este é o homem forte, o homem de pode; é o homem cujas palavras e obras perduram todas; é o homem a que o mundo que vem depois rende honra, veneração e adoração. Não querendo ser desertor do princípio de Amor Divino, em que se baseava e em que punha toda a sua confiança, Jesus sofre a mais extrema agonia e provação; e o hoje o mundo se prostra em profunda adoração  a seus pés perfurados.
Não há outro caminho para a aquisição do poder espiritual exceto aquela iluminação interna, que é o pleno conhecimento e a realização dos princípios espirituais, e estes princípios podem ser realizados só por meio de contínua prática e aplicação.

 Escolha o princípio do Amor divino e medite sobre ele, quieta e diligentemente, com o fim de chegar a compreendê-lo plenamente. Deixe a luz desse princípio cair sobre todos os seus hábitos, ações, palavras e relações com outros, sobre todos os seus pensamentos e desejos secretos. À medida que continuar, com perseverança, neste caminho, o divino Amor se revelará a você mais e mais, e as suas imperfeições lhe serão bem patentes, formando um contraste cada vez mais forte com os seus ideais e incitando-o a renovar os esforços. Uma vez tendo obtido uma visão, ainda que momentânea, da incomparável majestade desse princípio imperecível, você nunca mais quererá prolongar sua fraqueza, seu egoísmo e sua imperfeição, mas seguirá esse Amor até que, depondo os últimos elementos discordantes, entrará em perfeita harmonia com Ele. E este estado de harmonia interior é o poder espiritual.

Escolha também outros princípios espirituais, como a Pureza e a Compaixão, e aplique-se do mesmo modo, e a Verdade que se impõe aos que a amam fará com que você não pare, mas continue a aperfeiçoar-se, até que a veste mais inferior da sua alma seja purificada de toda mancha, e o seu coração se torne incapaz de qualquer impulso de dureza, condenação ou impiedade.

Só à medida que compreender, realizar e confiar nestes princípios é que você vai adquirir poder espiritual, e este poder será manifesto em você e por você na forma de tranquilidade, paciência e equanimidade cada vez maiores.

A tranquilidade e a isenção de paixões conduzem ao domínio de si próprio; a sublime paciência é a verdadeira prova de sabedoria divina; a equanimidade que faz conservar a alma no meio de todos os deveres e distrações da vida caracteriza o homem forte, o homem de poder.

"É fácil viver no mundo segundo a opinião do mundo; é fácil, na solidão, viver segundo sua própria opinião; grande homem, porém, é aquele que, no meio da multidão, conserva perfeitamente a independência da solidão."

Alguns místicos dizem que a perfeita tranquilidade e a ausência total das paixões são a fonte daquele poder que produz os chamados milagres; e, com efeito, quem obteve domínio perfeito  de todas as suas forças interiores, que o conserva firme e inabalável em todas as circunstâncias, há de ser capaz de dirigir e tomar posse dessas forças com uma mão de mestre.

Crescer no domínio de si próprio, na paciência e na equanimidade é crescer na força e no poder; e este crescimento lhe será possível somente quando você focalizar a sua consciência sobre um princípio. Como a criança que faz muitas e vigorosas experiências para caminhar sem apoio, embora depois de numerosas quedas, assim também você haverá de entrar no caminho do poder, fazendo, em primeiro lugar, esforços para ser independente, andar sem se apoiar em outras pessoas e ser livre espiritualmente. Quebre o jugo da tirania do costume, da tradição, dos convencionalismos e das opiniões alheias, se você qyer andar sozinho, ereto e firme, no meio dos homens. Confie en seu próprio juízo; seja fiel à sua consciência; siga a Luz que está no seu interior, pois todas as outras luzes são apenas vaga-lumes. Alguns lhe dirão que você é o tolo; que o seu juízo é errôneo; que a sua consciência é tortuosa  e que aquela Luz interior é escuridão; mas não se importe com o que dizem. Se é verdade o que eles dizem, você descobrirá melhor e poderá descobri-lo somente fazendo experiências com as suas forças. Siga, portanto, intrépido, o seu caminho. A sua consciência ao menos é sua, e segui-la é ser homem; ao passo que seguir a consciência de outeas pessoas é  ser escravo. Você vai cair várias vezes, vai se machucar, vai apanhar por algum tempo; mas continue com fé, convencido de que a vitória certa o aguarda. Procure uma rocha, um.princípio, e quando encontrá-lo , segure-se nele; coloque-o sobre seus pés e ponha-se sobre ele, firme, ereto e imóvel, podendo, assim, desafiar a fúria das ondas e as tempestades do amor-próprio.

O amor-próprio, o egoísmo em toda e qualquer de suas formas, é dissipação, fraqueza, morte; o amor aos outros, o altruísmo em seu aspecto espiritual, é conservação, força, vida.

À medida que crescer na vida espiritual e se apoiar em princípios firmes, você se tornará tão belo e tão imutável como estes princípios, sentirá o suave gosto da sua essência imortal e realizará a eterna e indiscutível natureza de Deus que está em seu interior.

As setas inimigas o homem reto
Não teme, porque não o atingirão;
E, com passo firme caminha ereto
No meio do ódio e da maldição.

Serena, ele conserva sua mente
No fiel cumprimento do dever;
O sofrimento encara paciente,
E em silêncio desenvolve o poder.

Não o assustam os tristes raios de ira
Nem da malícia os trovões infernais;
Nas esferas, cujo ar ele respira,
Espaço e tempo não existem mais.

Que temeria sendo protegido
Com a forte mão do divino Amor,
Pela Verdade santa defendido, 
E da Eternidade conhecedor?

Esse homem imortal e poderoso
É filho da Verdade e do Esplendor, 
E, vivendo no mundo tenebroso,
Brilha, vestido em glorioso albor.