domingo, 21 de junho de 2015

REALIZAÇÃO DA PAZ PERFEITA - DA POBREZA AO PODER - JAMES ALLEN


Realização da paz perfeita 

No universo externo, há incessante perturbação, mudança e intranquilidade; no coração de todas as coisas acha-se o descanso imperturbável; neste profundo silêncio reside o Eterno. O homem participa desta dualidade, e tanto a mudança e a inquietação da superfície como a profunda sede eterna da Paz interior acham-se nele.

Como há profundidades silenciosas no oceano, que não podem ser atingidas pelas tempestades mais bravias, igualmente há santas profundidades silenciosas no coração do homem, as quais nunca podem ser perturbadas pelas tempestades do pecado e da aflição. Atingir este silêncio e viver nele conscientemente é a Paz. 

No mundo exterior predomina a discórdia, mas uma ininterrupta harmonia domina no coração do universo. A alma humana, dilacerada por discordantes paixões e aflições, procura cegamente a harmonia do estado livre de todo pecado, e chegar a este estado e viver nele conscientemente é a Paz.

O ódio separa as vidas humanas, nutre a perseguição e compele as nações a guerras cruéis; mas os homens, ainda que não saibam por que, conservam, não obstante, algum grau de fé num Amor Perfeito e protetor; e alcançar este Amor e viver nele conscientemente é a Paz.

E esta Paz interna, este silêncio, esta harmonia, este Amor, é o Reino dos Céus, onde é difícil entrar, porque poucos são aqueles que estão dispostos a renunciar a si mesmos e tornar-se como crianças.

A porta do Céu é pequena e estreita,
E não a percebem os insensatos 
Que cega a vã ilusão deste mundo;
Até os que enxergam bem e procuram 
Entrar, encontram a porta fechada
E custa abri-la. Seus ferrolhos são:
Orgulho, paixão, volúpia, avareza.

Os homens clamam: "Paz! Paz!", enquanto que, no mundo, não vemos paz, e sim, pelo contrário, discórdias, inquietações e lutas.

Fora dessa sabedoria, que é inseparável da renúncia a si mesmo, não pode haver paz real e duradoura. 

A paz que resulta do bem-estar social, da satisfação das paixões ou da vitória mundana é transitória em sua natureza e desaparece no fogo de uma prova forte. Somente a Paz Celeste resiste a toda provação e só o coração altruísta pode conhecer a Paz Celeste.

Só a Santidade é Paz imorredoura. O domínio de si mesmo conduz a ela, e a Luz da Sabedoria, que aparece cada vez mais clara, guia o peregrino no seu caminho. Já quem entrou na vereda da virtude, participa desta Luz e Paz, mas para poder conhecê-las em sua plenitude, é necessário que o "eu" pessoal, que é o centro do amor-próprio, egoísta, desapareça na consumação de uma de uma vida imaculada.

Nisto consiste a Paz: vencer o amor
De si próprio, e o desejo de viver,
Extirpar do coração a raiz.
Da paixão, e ter calmo o interior.

Se você, leitor, chegar à Luz que nunca se obscurece, à Alegria que nunca fenece, à tranquilidade que não pode ser perturbada; se quer libertar-se para sempre de aeus pecados, sofrimentos, aflições e perplexidades; se quer participar desta salvação, desta Vida altamente gloriosa, vença-se a si mesmo. Ponha todos os pensamentos, todos os impulsos, todos os desejos em perfeita obediência ao poder divino que em você reside. Não há outro caminho para chegar-se à Paz, a não ser este; e se você se recusa  a trilhá-lo, todas as suas preces e observância escrita e ritual serão infrutíferas e sem valor, e nem deuses, nem anjos poderão ajudá-lo. Somente aquele que venceu esta luta contra si mesmo recebe a pedra branca da vida regenerada, sobre a qual está escrito o Novo Nome Inefável.

Abondone, por alguns instantes, as coisas externas, os prazeres dos sentidos, os argumentos do intelecto, a excitação do mundo; recolha-se ao aposento mais interior do seu coração, e ali, livre de toda intrusão dos desejos egoísta, você achará um profundo silêncio, uma santa calma, um repouso feliz. Se você se demorar algum tempo neste santo lugar, dentro de você se abrirão os infalíveis olhos da Verdade, e você verá as coisas como realmente são.

Este santo lugar no seu interior é o seu verdadeiro, real e eterno "eu"; é o Divino em você; e somente quando você se identificar com ele, poderá dizer-se de você que está vestido com as vestes da imortalidade.

Ali é o lugar da paz, o templo da sabedoria, a morada da imortalidade. Fora deste lugar de descanso interno, fora deste Monte da Visão, não há verdadeira paz, nem conhecimento do Divino; se ali você pode permanecer por um minuto, uma hora, um dia, é possível que você permaneça ali para sempre.

Todos os seus pecados, sofrimentos, aflições e temores são sua propriedade, e você pode fazer com eles o que preferir: carregá-los sempre com você ou renunciar a todos eles.

Depende de sua própria decisão se deve continuar a sua inquietação ou se entrará na morada da Paz. Nenhum outro pode tirar-lhe os seus pecados; você mesmo deve fazê-lo. O maior dos Instrutores e Mestres não pode fazer por você mais do que seguir o caminho da Verdade por si mesmo e mostrá-lo a você; mas você mesmo deve trilhá-lo.

Você pode obter a liberdade e a paz unicamente por seus próprios esforços, libertando-se de tudo o que prende e escraviza a alma e destrói a paz.

Os anjos da divina paz e alegria estão sempre ao seu lado, e se você não os vê, não os ouve, nem sente a presença dele, é porque você mesmo se excluiu dela e preferiu a companhia dos elementos do mal no seu interior. Você é o que quer ser, o que deseja ou prefere ser. Você pode começar a purificar-se e chegar à paz; ou pode recusar-se a essa purificação e continuar sofrendo.

Coloque-se, pois, fora do turbilhão da vida; afaste-se do calor ardente do "eu" e entre no lugar de descanso, no seu interior, onde os ares frescos da paz o acalmarão e lhe darão novo vigor.

Saia das tempestades do pecado e da angústia. Porque se afligir e se expor a tempestade, quando o céu da paz está tão perto?

Pare de servir ao "eu", renuncie ao "eu", e eis que a Paz de Deus será sua!

Sujeite o animal que está em você; vença todos os movimentos egoístas, toda voz discorde; transmute os metais inferiores de sua natureza egoísta e baixa em ouro puro de Amor, e você realizará a Vida de Perfeita Paz.

E sujeitando a animalidade, vencendo o egoísmo, transformando os elementos inferiores em superiores, você atravessará, já durante a sua vida em carne, as águas turvass da mortalidade, e chegará à outra Margem, que nunca é flagelada pelas tempestades das aflições e nunca é visitada por obscuras incertezas ou dúvidas.

E quando estiver naquela Margem, santo, cheio de compaixão, despertado, senhor de si próprio e gozando de alegria infinita, você reconhecerá que

O Espírito nem nasce, nem cessa de ser,
Mas permanece eternamente imutável;
As formas corporais todas hão de morrer,
Só o Espírito é o Ser real, estável.

Então ficará claro para você o que significam o Pecado, a Aflição e o Sofrimento, e que todos desaparecem quando se chega à Sabedoria.

Você conhecerá a causa e o fim da existência. E, com este conhecimento, entrará no descanso; pois este é a bem-aventurança da imortalidade, a alegria imutável, o saber perfeito, a suprema Sabedoria e o Amor imorredouro.

Este estado, e só ele, é a realização da Perfeita Paz. 

Ó tu, que desejas ensinar aos homens 
E mostrar-lhes a Verdade quererias!
Cruzaste já o deserto das dúvidas?
Não és escravo de algumas teorias?
É pura tua alma e cheia de bondade,
Tendo expulsado toda a falsidade?

Tu, que queres ensinar o Amor aos homens!
Conheces as lágrimas do sofrimento?
Passaste já pelo cruel desespero?
Sentes compaixão, no coração atento,
Vendo sofrer os pobres entes humanos,
Pelo peso dos erros e atos insanos?

Tu, que queres ensinar o Amor aos homens!
Cruzaste já esse oceano da luta?
Já chegaste à Margem do Silêncio,
Inacessível a toda força bruta?
Teu coração já venceu a luta e a dor,
Vivendo só na Verdade, Paz e Amor?

FIM.

Halelu Iehouah 
Louvado és Iehouah.

DA POBREZA AO PODER - JAMES ALLEN - יהוה YEHOWAH TSEVA'OT - יהוה IEHOUAH DOS EXÉRCITOS - O Caminho da Prosperidade e da Paz - Benaiah Cabral Ben Avraham Leiehouah The Liger.
Título mais apropriado:
DA POBREZA PARA O PODER - 
A REALIZAÇÃO DA PROSPERIDADE E PAZ