domingo, 27 de dezembro de 2015

"Como Israel reagiu com aspereza à rotulagem de produtos na Europa, assim é preciso reagir à rotulagem de pessoas, que é mais grave. O caso do Brasil é o primeiro no mundo onde estão rotulando pessoas", disse Dayan. Ele afirmou que sua nomeação está sendo rejeitada pelo Brasil por causa de sua ideologia e de onde ele mora, e não porque cometeu algum crime. Isso abriria um precedente para que outros moradores de colônias fossem impedidos de ocupar cargos diplomáticos pelo mundo. Dayan também sugeriu que a rejeição do Brasil é fruto do envolvimento do movimento BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções contra Israel) e da liderança palestina.

Ver Menu
Ver Navegação

capa do impressoBuscar no sites da Folha




Israel reagirá ao Brasil, diz indicado a embaixada



DANIELA KRESCH
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM TEL AVIV
27/12/2015 02h00

O governo israelense debaterá, nos próximos dias, medidas de represália à decisão de Brasília de postergar indefinidamente a aprovação do novo embaixador de Israel no país. A afirmação é do próprio nomeado para o cargo, Dani Dayan, 60, em entrevista ao Canal 2 da TV israelense, que quebrou um silêncio de mais de quatro meses.

Segundo Dayan, haverá uma reunião sobre o assunto com a cúpula do governo Binyamin Netanyahu —incluindo o próprio premiê, que ainda ocupa o cargo de chanceler— na qual ele espera que sejam aprovadospassos diplomáticos em resposta.

"Nesse debate, será apresentado um leque de medidas. Espero que, desse leque, sejam escolhidos passos significativos. Há até um mês, havia uma avaliação em Jerusalém de que o assunto seria resolvido e o melhor a fazer era manter o silêncio", disse Dani Dayan no programa "Encontro com a Imprensa".


"Essa avaliação mudou."

O governo brasileiro ignora, desde agosto, a indicação do argentino naturalizado israelense principalmente pelo fato de ele ter presidido entre 2007 e 2013 o Conselho Yesha, que representa os 500 mil colonos israelenses em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia, onde ele vive.
Olivier Fitoussi/Associated Press 
Dani Dayan, apontado por Israel para a embaixada no Brasil


O Brasil se opõe aos assentamentos, considerados ilegais por boa parte da comunidade internacional e a ONU.

BOICOTE

O embaixador apontado afirmou que não almejava o cargo, mas aceitara diante do pedido de Netanyahu. Afirmou, ainda, que Israel não abriu mão de sua nomeação.

Na entrevista, Dayan citou a reação diplomática de Israel à União Europeia após a decisão, em novembro, de não rotular mais produtos israelenses produzidos na Cisjordânia, em Jerusalém Oriental e nas Colinas de Golã como "produzidos em Israel" e sim como "produzidos em colônias israelenses".

A Europa não considera esses territórios como parte de Israel, que classifica essas regiões como sob disputa.

Em resposta, a Chancelaria israelense chamou o embaixador da UE para esclarecimentos e suspendeu o envolvimento dos europeus nas negociações de paz entre israelenses e palestinos.

"Como Israel reagiu com aspereza à rotulagem de produtos na Europa, assim é preciso reagir à rotulagem de pessoas, que é mais grave. O caso do Brasil é o primeiro no mundo onde estão rotulando pessoas", disse Dayan.

Ele afirmou que sua nomeação está sendo rejeitada pelo Brasil por causa de sua ideologia e de onde ele mora, e não porque cometeu algum crime. Isso abriria um precedente para que outros moradores de colônias fossem impedidos de ocupar cargos diplomáticos pelo mundo.

Dayan também sugeriu que a rejeição do Brasil é fruto do envolvimento do movimento BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções contra Israel) e da liderança palestina.

"Há quem creia que se trata de assunto bilateral, mas não é verdade. O Brasil foi pego no meio do assunto, poderia ser em outro país. Trata-se de um assunto clássico do BDS", disse Dayan, que insinuou uma crítica a Netanyahu por não nomear um chanceler que possa lidar com crises diplomáticas como essa.

"Israel precisa segurar o touro pelos chifres. Lidar com a questão real."

recomendado


Cantareira dá sinal de vida e deve sair do volume morto


PatrocinadoComo criar aplicativos celulares sem saber programarThink Big



comentáriosVer todos os comentários (3)Comentar esta reportagem
Lorenzo Frigerio (10659) (06h20) há 1 hora
Avaliar como positivo 0Avaliar como negativo 0 Denunciar


Israel não vai retaliar. Goodbye, Dani. Responder
Edival Medeiros (1013) (06h47) há 1 hora
Avaliar como positivo 0Avaliar como negativo 0 Denunciar


A decisão de retaliar ou não o Brasil vai depender exclusivamente de quantos milhões de dólares deixarão de "ganhar" com essa atitude. Responder
Vadinho (101) (07h45) há 1 minuto
Avaliar como positivo 0Avaliar como negativo 0 Denunciar


Que meda!!!

O comentário não representa a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem Responder
Termos e condições

Fale com a Redação -leitor@grupofolha.com.br

Problemas no aplicativo? -novasplataformas@grupofolha.com.br
PUBLICIDADE

Folha de S.Paulo 2015