quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Alguém nascer ou viver pelo Brasil não o faz um representante do povo brasileiro, principalmente se tratando de pessoas e famílias dedicadas à marginalidade do terrorismo palestino. Que os israelenses adotem pena de morte para todo praticante ou apoiador do terrorismo islamita e palestiniano.


UOL - O melhor conteúdo
  • mundo

    Em operação na Cisjordânia, forças de Israel revistam casa de brasileira

    DIOGO BERCITO
    EM MADRI

    07/01/2016 12h02

    Durante uma operação na Cisjordânia, as forças de segurança israelenses revistaram a casa da brasileira Nadia Hamed na madrugada desta quinta-feira (7). Nadia vive no vilarejo palestino de Silwad, próximo de Ramallah. Ela é mãe de Islam Hamed, que está detido desde outubro e foi acusado de ter participado de um ataque contra colonos israelenses em 2010.
    Além da casa de Hamed, foram inspecionadas cerca de 25 outras residências em Silwad. Seis palestinos foram detidos, segundo a agência de notícias palestina Wafa.
    Arquivo pessoal
    A brasileira Nadia Hamed, que teve a casa na Cisjordânia revistada, com o filho Islam, detido desde outubro
    A brasileira Nadia Hamed, que teve a casa revistada, com o filho Islam, detido desde outubro
    Segundo Nadia, a revista na sua casa ocorreu às 2h (22h em Brasília) de quinta-feira (7). A informação foi confirmada pelaFolha com a família e com fontes diplomáticas nos territórios palestinos.
    Inspeções como essa, durante a madrugada, não são incomuns na região. A família Hamed é conhecida das autoridades israelenses, que mantêm Islam detido desde outubro sem direito a visitas.
    Segundo Nadia, a família foi acordada por batidas na porta. Cerca de dez soldados entraram na casa e revistaram cômodo por cômodo. "Não deixaram nenhum lugar sem revistar."
    Após uma hora e meia, segundo a brasileira, a inspeção foi encerrada, deixando a residência desorganizada.
    "Não sei o que eles estavam procurando. Não perguntaram por ninguém desta vez. Entraram a pé no vilarejo e, depois, vieram os veículos", disse à reportagem.
    Segundo o Exército israelense, a operação em Silwad foi realizada "contra atividades terroristas". ÀFolha o departamento de imprensa afirmou que houve buscas por esconderijos de armas em casas na região, a partir de informações preliminares de Inteligência.
    "Nesta última onda de terrorismo, o Exército incrementou seu esforço para prender aos culpados e confiscar armas que podem ser utilizadas em atividades terroristas contra civis e forças de segurança."
    FAMÍLIA
    Em inspeções anteriores, autoridades israelenses detiveram membros da família Hamed. Islam foi levado há quase três meses. "Ainda estou esperando a permissão para visitá-lo. Por enquanto, só nos vemos quando ele vai ao tribunal."
    Islam já passou em outras ocasiões pelas prisões israelenses e palestinas, durante a última década. A família nega as acusações de que ele participou de um ataque contra colonos israelenses em 2010.
    Hamed nasceu em Jerusalém. Sua mãe, Nadia Hamed, nasceu em Catanduva, interior de São Paulo, de família palestina. Ela migrou para a Cisjordânia aos 19 anos para aprender os costumes locais e se casar. Dos quatro filhos, apenas Islam e o irmão Bilal têm a cidadania brasileira.
    A família vive de agricultura na região de Ramallah. Nádia também trabalha como costureira. A família apoia a facção palestina radical Hamas, que hoje controla a faixa de Gaza –razão pela qual dizem ser perseguidos por Israel e pela Autoridade Nacional Palestina.

    comentários

    Ver todos os comentários (7)Comentar esta reportagem

    Shaul Y. Merkhava (6420)

    (14h08) há 8 horas
     Denunciar
    Esse cidadão é "cadeeiro" de longa data. Começou a ser preso antes de ser maior, por atirar pedras em soldados de Israel. Em 2010 quando foi preso pela Autoridade Palestina, por ter atirado em colonos israelenses, já era a terceira prisão dele,e foi condenado a tres anos. No ano passado, ao ser posto em liberdade, acabou sendo preso por Israel de novo. Mas essas revistas em casa de familiares de terroristas ou dos próprios terroristas é comum.
    Fale com a Redação -leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? -novasplataformas@grupofolha.com.br
    PUBLICIDADE
    Folha de S.Paulo 2016