sexta-feira, 11 de março de 2016

ISRAEL, ANGOLA E AS VIRTUDES DO SIONISMO INTERNACIONAL. IEHOUAH ELOHIM TSEVA'OT SEJA CONVOSCO E SHABAT SHALOM



Israel disponível para ajudar na diversificação económica
Israel disponível para ajudar na diversificação económica

João Dias |
11 de Março, 2016
Fotografia: João Gomes


O embaixador de Israel em Angola reafirmou ontem, em Luanda, a disponibilidade do seu país em continuar a apoiar o processo de diversificação económica no país, com realce para as áreas da agricultura e formação de quadros.

Raphael Singer, que falava à imprensa no termo de uma audiência que lhe foi concedida pelo Vice-Presidente da República, Manuel Vicente, reiterou que o seu país pretende alargar a possibilidade de partilhar ainda mais os objectivos que Angola tem em avançar com eficácia para o processo de diversificação da economia. 
“Pretendemos também ver reforçada a nossa cooperação nas áreas da educação, saúde e agricultura que já tem alguns projectos em curso”, acrescentou o diplomata, sublinhando o domínio técnico e tecnológico que o seu país tem na área da agricultura convencional e agricultura em zonas desérticas ou semi-áridas. O embaixador disse que o encontro com o Vice-Presidente da República permitiu abordar também aspectos relacionados com a necessidade de formação de quadros angolanos em Israel e com as técnicas de agricultura em zonas semi-áridas para potencializar o sector na província do Namibe. “Estamos a estudar e a organizar tudo para que, ainda este ano, comecemos a concretizar esta questão”, disse.
No geral, Raphael Singer esclareceu que a pretensão é de que quadros angolanos tenham a possibilidade de se formar em Israel nas mais diversas áreas. “Queremos alargar a participação de angolanos no processo de formação em Israel, não só no ramo da agricultura, mas também nos domínios da saúde pública e educação”, destacou.
Ainda no domínio da agricultura, o diplomata israelita lembrou que existem projectos que já estão a ser concretizados em parceria com o Ministério da Agricultura, com destaque para o da Quiminha. “Este é um mega-projecto do Governo angolano em parceria com importantes empresas israelitas do sector”, realçou. 
Além deste, apontou ainda o projecto “Aldeia Nova”, que conta com a participação e ‘know how’ de empresas israelitas. Nesta fase de renovação, além de produtos agricolas, o projecto Aldeia Nova produz, no Waco Cungo, lacticínios como queijo e yogurtes. “Já temos algum resultado aqui em Angola. Ainda assim, acho que precisamos de fazer mais”, defendeu. 
No mês passado, Raphael Singer visitou o Namibe, onde se encontrou com o governador Rui Falcão, com quem falou de aspectos relacionados com as potencialidades económicas da província e da questão do avanço da desertificação. Relativamente à última questão (desertificação), garantiu que Israel tem respostas que passam pelo recurso à tecnologias e técnicas sofisticadas que permitem tornar as zonas semi-áridas em terras adequadas ao cultivo. 
O diplomata isrealita referiu-se também ao histórico das relações de cooperação entre os dois países, lembrando que que são volvidos 20 anos desde que foram abertas as embaixadas nos dois países. “Estamos a celebrar os ganhos que este relacionamento deu para os nossos países, mas ainda assim, penso que precisamos de fazer mais”, defendeu.
Raphael Singer lembrou que o facto de Israel desenvolver tecnologias que permitem a criação de oásis, a transformação de terras desérticas em solos agricultáveis e até fazer a dessalinização de águas do mar, constitui uma mais-valia na cooperação com Angola no domínio da agricultura. O encontro permitiu abordar a situação no Médio Oriente e os desafios que devem ser feitos para a sua definitiva pacificação. O embaixador Raphael Singer disse que é objectivo do seu país prosseguir com a sua posição de pacificação no Médio Oriente.