domingo, 17 de abril de 2016

DEMOCRACIA SEM BOM SENSO É TÃO INÚTIL QUANTO PERIGOSA



PúblicoPesquisa:Pesquisar



0
0



Opinião
Até tu, Bernie (ou a que distância está a paz Israel-Palestina)


Por Alexandra Lucas Coelho

17/04/2016 - 08:21


A revolução tem limites, até para Bernie Sanders, quando se trata de Israel-Palestina.




0





1. Haverá, talvez (não quero exagerar), duas coisas pacíficas que se podem dizer sobre Israel-Palestina. A primeira é que a paz está longe, a segunda é que não acontecerá sem os EUA. Ou seja, olhar para os EUA dá uma ideia da distância a que estamos da paz Israel-Palestina. A partir daí, claro, depende do que cada um vê. O que me pareceu ver esta semana foi: nem com Bernie a coisa vai lá.

2. Para quem tem empatia com Hillary Clinton, o seu rival Bernie Sanders será no máximo entertaining, piri-piri na campanha, nada para levar muito a sério: um socialista que quer ser presidente dos Estados Unidos. Eu tenho zero empatia com Hillary Clinton, desde o apoio à invasão do Iraque aos serviços que prestou à Goldman Sachs; e o que Bernie Sanders já fez à política americana parece-me histórico, desde ter batido todos os recordes como independente no Congresso, aos bastiões que tem afrontado nesta campanha. Será o único candidato de quem se pode dizer: não vai ser presidente, mas já ganhou.

3. Depois de amanhã é o desfecho do duelo por Nova Iorque, a cidade que viu nascer Bernie e adoptou Hillary. O duelo ao vivo aconteceu quinta-feira em Brooklyn, com mais de cinco milhões de espectadores. Barbas brancas de senior, o moderador Wolf Blitz teve de interromper, avisando que se os rivais continuassem aos gritos ninguém ia ouvir nada. Nova Iorque era, à partida, o melhor palco para expor o que separa Hillary e Bernie. E, entre bastidores e palco, de facto expôs a que ponto vai essa diferença, e portanto a que ponto não vai.

4. Bernie Sanders cresceu num Brooklyn que não era rico nem trendy. Filho de emigrantes recentes, andou em escolas públicas, jogou na rua e no Bronx. O pai, judeu polaco, nascera ainda na Europa; a mãe era filha de judeus russos e polacos que tinham fugido para a América. Parte da família Sanders morreu no Holocausto. E a política na vida de Bernie vem daí, do facto de ser judeu, explicou numa entrevista. “Um tipo chamado Adolf Hitler ganhou uma eleição em 1932. Como resultado dessa eleição, 50 milhões de pessoas morreram na Segunda Guerra Mundial, incluindo seis milhões de judeus. Então, eu soube desde criança que a política é, de facto, muito importante.” Cresceu sionista e socialista, e por isso se voluntariou para um kibbutz em Israel nos anos 1960, como tantos esquerdistas na altura. Ser judeu, para Sanders, não era uma questão religiosa. E, depois dessa breve incursão israelita, foi como socialista independente que travou tantos combates fora e dentro do Congresso americano: pelos direitos dos negros, das mulheres, dos emigrantes, dos refugiados; pela despenalização do aborto e a não discriminação LGBT; contra a brutalidade policial, as prisões privadas, a pena de morte, o aquecimento global, as grandes corporações, a forma como as campanhas políticas são financiadas. Só em 2015 se filiou no Partido Democrata, seu aliado de algumas batalhas. E, desde aí, a campanha de Bernie é o mais próximo de uma revolução para quem nasceu muito depois dele ter ido para umkibbutz, a geração que cresceu com a queda de Wall Street e o planeta a derreter. Bernie fez avançar a esquerda pelo mainstream americano com uma popularidade que ninguém conseguira antes, porque nunca antes, entrecrashes bancários e globais, a falta de limites do capitalismo fora tão clara. Ele diz o que não se espera de um candidato dentro do sistema sobre os poderes estabelecidos, é Bernie, o Vermelho, correndo para presidente dos Estados Unidos da América em cartazes revolucionários. E não apenas ainda não foi arrumado por Hillary, como lhe tirou boa parte da vantagem. Portanto, este é o grande bulldozer, aquele que em nome do Partido Democrata disse não apenas uma coisa de esquerda, mas muitas coisas de esquerda, provando que muito mais gente do que se supunha as queria também dizer.

5. Chegou então o duelo de Nova Iorque, bastião dos lobbies pró-governo de Israel. Em vésperas do debate na TV, Bernie anuncia Simone Zimmerman, 25 anos, como coordenadora de campanha com o pelouro do eleitorado judeu. A notícia é celebrada pelos judeus americanos mais críticos do governo de Israel, sobretudo nos sectores que até aí achavam Bernie demasiado soft nas críticas. Enquanto isso, já os activistas pró-governo de Israel reviravam os pergaminhos da jovem judia. E num piscar de olhos alguém desancantou um post de Facebook em que ela, depois dos últimos bombardeamentos de Israel a Gaza, escreveu que Netanyahu era “arrogante, enganador e cínico”, um “manipulador”, que “sancionara a morte de mais de 2000 pessoas este Verão”. Nada que qualquer crítico europeu de Netanyahu (e, claro, Barack Obama off the record) não tenha dito. Pois Simone, anunciada numa terça, na quinta estava suspensa. Aconteceu horas antes do debate. A revolução tem limites, até para Bernie.


‹ Anterior
Página 1 de 2




0





Pub










Pub
















Comentários













Colecção Ficção Científica





Quem vê capas vê corações





Super-Heróis DC



Pub



Achados.pt

Anterior
Seguinte



Disponível para leitores registados

Para continuar, inicie sessão ou registe-te já

Iniciar Sessão
Entrar com o Facebook Entrar com o Twitter
Ou
Palavra-chave Lembrar-se de mim

Esqueceu-se da sua palavra-chave?

Registe-se já



Registe-se no Público para guardar quantos artigos quiser para ler mais tarde, participar dos inquéritos, tornar-se um moderador de comentários e muito mais.

Registar

Conteúdo exclusivo

Para continuar a ler, inicie sessão ou assine já


Palavra-chave Lembrar-se de mim

Esqueceu-se da sua palavra-chave?

ASSINE O PÚBLICO ONLINE E ENTRE NO MUNDO DAS NOTICIAS SEM LIMITES
Nasceu um mundo sem limites:

Economia sem limites, política sem limites, cultura sem limites, desporto sem limites, opinião sem limites, vídeo sem limites...Assine já
Público

© 2016 Público

Comunicação Social SA
Facebook
Twitter
Google+
RSS

Email marketing por


Mapa do site

Secções
Portugal
Economia
Mundo
Cultura-Ípsilon
Desporto
Ciência
Tecnologia
Opinião
Multimédia
Edição Impressa
Tópicos

Sites Público
2
Fugas
Life&Style
P3
Ípsilon
Cinecartaz
Guia do Lazer
Inimigo Público

Serviços
Meteorologia
Loja
Emprego
Jogos
TV
Classificados
Imobiliário
Iniciativas
Novos projectos

QUIOSQUE PÚBLICO
Assinaturas
Aplicações Mobile
Sites Mobile
Tablet
Kindle

Informações
Novo site
Contactos
Ficha Técnica
Autores
Ajuda
Comentários e Inquéritos
Público+
Provedor do Leitor
Termos e Condições
Política de Privacidade
Publicidade