quinta-feira, 28 de abril de 2016

Jetro ou Yitro vive na memória Drusa e estes em Israel

Ver Menu
Ver Navegação

capa do impressoBuscar no sites da Folha




Israel recorre a minoria contra Hizbullah



DIOGO BERCITO
ENVIADO ESPECIAL A NABI SHUAIB
14/10/2013 03h15

Kasem Bader cofia o bigode. Vestido com uma espécie de calça de cavalo baixo e um chapéu cônico, ele recebe a reportagem da Folha no santuário montanhoso de Nabi Shuaib e insiste na importância da penugem -"o bigode nos faz homens", diz.
Editoria de Arte/Folhapress


Bader é um líder entre os misteriosos drusos, um grupo étnico-religioso que se esconde em vilarejos na região que hoje toma o norte de Israel e o sul de Líbano e Síria.


Nabi Shuaib é o local mais sagrado para esta fé, surgida no Egito, no século 11, a partir do islamismo. "É como Jerusalém para os judeus e Meca para os muçulmanos", diz Bader. Drusos creem historicamente que Jetro, o sogro de Moisés, está enterrado ali.

Enquanto serve uma receita drusa de café, curto e inesperadamente azedo, Bader volta a cofiar o bigode. É o que lhe faz homem, repete.

Assim como a lealdade ao Estado, uma das características desse povo. Os drusos são lembrados em Israel como grupo étnico de excepcional participação no Exército. Na população masculina drusa, a taxa de alistamento é de 82%. Entre homens judeus, é de 74,6%, diz o governo.

"A honra do druso vem da terra e da religião", afirma Bader. "Somos leais ao governo. Se for preciso, nós lutamos contra irmãos drusos para defender o Estado", diz.

O combate também faz parte da cultura drusa, para além da retórica. O batalhão israelense de Cherev, formado por drusos, foi o primeiro a entrar no Líbano na guerra de 2006 -e o último a sair. Treinados para lutar no terreno libanês, seus soldados são a ponta de lança do Exército contra os militantes xiitas do Hizbullah.

A Folha acompanhou uma marcha do batalhão de Cherev entre vilarejos drusos. Eles caminharam das 5h às 15h, como parte do treinamento. Camponeses os receberam com pétalas de rosa e quibe frito temperado com ervas.

"Somos patriotas", diz o soldado Wisam Zayin. "Crescemos nesta terra e conhecemos essas árvores mais do que conhecemos o deserto. Quando estamos na fronteira e olhamos para trás, vemos nossas próprias casas."

Zayin nota que a relação familiar entre drusos é estreita. "Os judeus terminam o serviço militar e vão viajar ao redor do mundo. Depois, moram sozinhos. Nós ficamos com nossos pais a vida toda."

Segundo o capitão Walid Tarif, "os drusos vivem em regiões onde foram historicamente perseguidos". "Somos eficientes em duas coisas, agricultura e defesa. Respeitamos quem nos respeita."

SEGREDO

Há hoje mais de 125 mil drusos em Israel, 700 mil na Síria e 250 mil no Líbano. Esse povo foi separado, na era moderna, pelas fronteiras e pelas guerras. "Hoje, Nabi Shuaib está aberto apenas aos drusos israelenses", lamenta Bader, o do bigode. "As famílias só vão se reencontrar quando houver paz."

A religião drusa não é missionária e não permite conversões. Para ser druso, é preciso nascer de pai e mãe vindos desse grupo. Suas escrituras não são divulgadas.

Bader descreve as tradições visíveis dos drusos, como roupas confortáveis "para andar a cavalo" e as cores que simbolizam a religião. Mas se recusa, sorrindo, a explicar em que os drusos acreditam ou seus rituais. "É segredo", diz. Por quê? "As razões para o segredo são secretas."
Joel Silva/ Folhapress 
Soldados de batalhão do Exército de Israel tipicamente druso são recebidos com flores na vila drusa de Pkiin, no norte de Israel




recomendado


Sanders demitirá centenas de funcionários de campanha eleitoral


Número de suicídios nos Estados Unidos é o mais alto em 30 anos


Extraditado da Bélgica, suspeito de ataque em Paris é acusado na França



comentáriosComente
Termos e condições

Fale com a Redação -leitor@grupofolha.com.br

Problemas no aplicativo? -novasplataformas@grupofolha.com.br
PUBLICIDADE

Folha de S.Paulo 2016