quinta-feira, 2 de junho de 2016

Comparado a seus vizinhos, Israel é uma ilha de tolerância no Oriente Médio, onde homossexuais e transexuais são perseguidos. Em 1998 foi o primeiro país a triunfar no Eurovision com uma representante transexual, Dana International, que se tornou um ícone do coletivo LGBT. No ano passado foi a estrela da festa com que o conservador primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, recebeu a imprensa estrangeira em um hotel de Jerusalém.


Abrir
Buscador
Seções
EL PAÍS
INTERNACIONAL


TRANSEXUALIDADE

Primeira miss transexual de Israel é árabe e católica

Vencedora do concurso, com aspirantes das três religiões, participará da competição internacional

Otros
Guardar
Enviar a notícia por email
LOURDES BAEZA
Jerusalém 28 MAI 2016 - 16:44 BRT
Taalin Abu Hana, ganhadora do primeiro concurso de beleza Trans Israel. LIOR MIZRAHIGETTY IMAGES


MAIS INFORMAÇÕES

Casamento homossexual avança no mundo, mas leis antigays também
Obama quer que escolas públicas tenham banheiros para alunos transexuais
Bruce Springsteen cancela show por causa de lei que discrimina transexuais
A fascinante vida de Lili Elbe, a primeira transexual a entrar para a história

Israel já tem sua primeira rainha da beleza transexual. Chama-se Tailin Abu Hanna, é árabe-israelense e cristã católica, nascida em Nazaré há 21 anos no seio de uma família que a aceita e apoia. Na sexta-feira foi coroada oficialmente em Tel Aviv como a vencedora da competição Miss Trans Israel. Bailarina e cantora por profissão, era a favorita desde o início das rodadas prévias, nas quais participaram 40 candidatas.


No final, para a grande noite no Teatro Nacional Habima, só restaram 12 candidatas. Entre as rivais, Aylin Ben Zaken Cohen, judia de uma família ultraortodoxa de Jerusalém, e Carolin Khoury, uma árabe muçulmana que recentemente relatou à agência Reuters como pôde escapar de sua casa com a ajuda da polícia, já que sofria maus-tratos por sua condição de transexual.

Coroada pela chilena Vanessa López – ganhadora do certame internacional do ano passado na Espanha–, Tailin Abu Hanna leva como prêmio um pacote de cirurgia estética na Clínica Kamol, da Tailândia, avaliado em 13.500 euros (54.000 reais). A árabe-cristã representará Israel no concurso Trans Star Internacional, marcado para 17 de setembro em Barcelona.

Violência familiar, rejeição social ou serem obrigadas a comprar hormônios no mercado negro são algumas das dificuldades que atravessam muitas das participantes no concurso de beleza, segundo destaca a organizadora do concurso, Israela Stephanie Lev. “Mas antes era ainda mais terrível”, ressalta. Tel Aviv é mundialmente conhecida por ser um dos destinos favoritos do coletivo Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (LGBT) por sua tolerância. É considerada por esse grupo como “cidade amiga” e por isso recebe pessoas LGBT procedentes de todo o país, sem importar a origem étnica ou a religião.

Comparado a seus vizinhos, Israel é uma ilha de tolerância no Oriente Médio, onde homossexuais e transexuais são perseguidos. Em 1998 foi o primeiro país a triunfar no Eurovision com uma representante transexual, Dana International, que se tornou um ícone do coletivo LGBT. No ano passado foi a estrela da festa com que o conservador primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, recebeu a imprensa estrangeira em um hotel de Jerusalém.



Mas o Estado judaico não está livre dos ataques intolerantes. Pelo contrário, cristãos, muçulmanos e judeus conservadores religiosos rejeitam com intransigência o que consideram “condutas desviadas”

No concurso de beleza que coroou Tailin Abu Hanna e que dá a largada às celebrações do orgulho gay em Israel, a pergunta de destaque às participantes foi: onde estava quando Dana International ganhou?

Mas o Estado judaico não está livre dos ataques intolerantes. Pelo contrário, cristãos, muçulmanos e judeus conservadores religiosos rejeitam com intransigência o que consideram “condutas desviadas”. As agressões contra associações e locais de ambiente LGBT tiveram seu auge no ano passado em Jerusalém com o assassinato de Shira Banki, de 16 anos. A adolescente foi apunhalada por um extremista ultraortodoxo judeu quando participava da parada do orgulho gay na Cidade Santa.

As contramanifestações dos ultraortodoxos no dia do orgulho gay transformam o bairro religioso de Meah Shearim, em Jerusalém, em um fervedouro no qual os ardorosos devotos judeus condenam os homossexuais e equiparam Tel Aviv às bíblicas Sodoma e Gomorra.

Para os muçulmanos, o tema simplesmente é tabu. Não há debate social e só existe no âmbito familiar. Sair do armário pode chegar a custar a vida. De tal forma que para algumas das aspirantes do concurso, como a árabe Caroline Khoury, escolher o caminho da transexualidade representou o rompimento com todo seu mundo anterior. Renascer olhando para o futuro em um lugar onde, pelo menos, os LGBTs possam mostrar-se e ser aceitos tal como são.ARQUIVADO EM:

Tel Aviv
Transexuais
Transexualidade
Discriminação sexual
LGTBI
Israel
Identidade sexual
Grupos sociais
Oriente médio
Sexualidade
Ásia
Discriminação
Estilo vida
Preconceitos
Problemas sociais
Sociedade
MAIS INFORMAÇÕES

Casamento homossexual avança no mundo, mas leis antigays também
Obama quer que escolas públicas tenham banheiros para alunos transexuais


VÍDEOS
NEWSLETTERS

PODE TE INTERESSAR

O filho de Temer e o filho de Lula
RODOLFO BORGES

As famílias dos políticos não escapam do escrutínio. Alvo da Zelotes, filho de Lula teria recebido dinheiro fontes suspeitas . Michelzino acumula patrimônio

Ao menos duas vítimas em um tiroteio em uma universidade de Los Angeles
PABLO XIMÉNEZ DE SANDOVAL

Polícia busca suposto atirador pelos corredores da Universidade da Califórnia depois de receber um telefonema às 10 da manhã

Galeria de fotos: Parada do Orgulho LGBT 2016 toma as ruas de São Paulo
EL PAÍS

Cidade vive neste domingo mais uma edição do evento com o tema Lei de Identidade de Gênero Já – Todos Juntos contra a Transfobia

Análise | Harambe, descanse em paz
FRANS DE WAAL

Para o primatologista Frans de Waal, o gorila sacrificado em Cincinnati, nos EUA, depois de um menino cair no seu fosso mantinha uma atitude “acima de tudo protetora”


O MAIS VISTO EM...» Top 50

EL PAÍS

ESPANHA
AMÉRICA
BRASIL
CATALUNHA

A vida de uma babá no clube mais seleto do Rio de Janeiro
O que já se sabe sobre o crime do estupro coletivo no Rio de Janeiro
Compartilhar estupro coletivo nas redes, a nova versão da barbárie brasileira
PIB do Brasil recua 5,4% e confirma maior recessão em 25 anos
Galeria de fotosPolícia reprime ato anti-Temer do movimento sem-teto na Paulista
Camarotização: por que o brasileiro gosta tanto de segregar o espaço?
O filho de Temer e o filho de Lula
VídeoHarambe, descanse em paz
“Nova masculinidade” virá por meio de uma paternidade diferente
“O PT repetiu o ‘modus operandi’ da direita que dominou o Brasil por 500 anos”






CONTEÚDO PATROCINADO

Com apenas 35 anos ele fala 11 idiomas - veja seus truques para aprender qualquer língua(BABBEL)


Truque do ovo "express" no café da manhã: dica de blogueira que secou 45 kg funciona?(BOLSA DE MULHER)

Recomendado porCOMENTARIOSNormas


© EDICIONES EL PAÍS, S.L.
Contato
Venda
Publicidade
Aviso legal
Política cookies
Mapa
EL PAÍS no KIOSKOyMÁS
Índice
RSS
Una empresa de PRISAMedios Grupo Prisa