terça-feira, 28 de junho de 2016

Na Arábia Saudita removem o clitóris às mulheres, cobrem-nas com panos negros, não lhes permitem sair de casa, deixam-nas morrer para não serem tocadas por um médico homem, são punidas com 200 chicotadas e 6 meses da cadeia se forem violadas, etc., etc., etc.. Já viu alguma coisa destas na TV? Não viu! E sabe porquê? Então leia, sff: Como a Arábia Saudita controla os media


Amigo de Israel

Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo! Isaías 5:20

terça-feira, 28 de junho de 2016

Dia do Ódio a Israel na ONU - 1

Os países que odeiam e difamam Israel são os países totalitários, tirânicos, praticantes e financiadores do terrorismo. São os países islâmicos e comunistas. As pessoas que odeiam e difamam Israel são os islamistas, os comunistas, os neo-nazis e os amantes do terrorismo em geral. Se você que nos lê é pessoa de Bem e ainda vai em cantigas anti-semitas, por favorRACIOCINE!


Nós apoiamos Israel. Nós apoiamos o Tibete. Nós apoiamos os Cristãos perseguidos no Mundo Islâmico. Nós apoiamos o Bem!

Democracias ocidentais BOICOTAM o Dia de Ódio aIsrael na ONU

Ibrahim Khraishi, delegado "palestino" da UNHRC.

GENEBRA, 27 de Junho de 2016 - Embora os Estados árabes e islâmicos tenham hoje criticado Israel no Conselho de Direitos Humanos da ONU, num debate realizado sob o itempermanente da agenda  da ONU - destruir o Estado judaico - o primeiro grupo não-governamental a tomar a palavra, salientou que nem uma única democracia ocidental participou no debate.

O Qatar, falando em nome do"Grupo Árabe", deplorou as decisões dos Estados que boicotaram este ponto da agenda, o que, na sua opinião,"incentiva Israel a continuar a cometer crimes contra os palestinos."


Mas outros saudaram o gesto dos países que se recusaram a alinhar na farsa da condenação da única democracia do Médio Oriente pelos Estados ditatoriais islâmicos.
"Em 1968, René Cassin, no 20º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que ele ajudou a criar, abandonou a sala em protesto contra a discriminação contra Israel", disse o director-executivo da UN WatchHillel Neuer, ao Conselho.

"Hoje, no 10º aniversário do Conselho de Direitos Humanos, o Mundo Livre protestou contra a difamação de Israel, recusando-se a comparecer nesta assembleia".

Veja abaixo as declarações de debate de hoje, seguidas pela intervenção da UN Watch.

________

Ditaduras Arrasam Israel

Síria acusou Israel de explorar o "terrorismo para continuar a ocupar partes dos territórios árabes, inclusive ajudando os terroristas e levando-os para os seus hospitais e proporcionando-lhes tratamentos de saúde."

- Temos mostrado algumas vezes como Israel acolhe e trata os feridos que o governo da Síria e os bandos terroristas causam. Sem cobrar nada. Como sempre, Israel é acusado de fazer o bem! Ver por exemplo:

Israel trata sírios feridos na guerra


Qatar, em nome do Grupo Árabe das 22 Nações, denunciou "a violência e o terrorismo cometidos em todo o Mundo por Israel".


Vamos no dia 22 do Ramadão e já se registaram 167 ataques terroristas islâmicos, como 1161 mortos, fora os feridos, as pessoas estupradas, mutiladas, torturadas, desalojadas, etc..
É preciso ser-se totalmente LOUCO, ao mais alto grau, para dizer que"Israel anda a cometer violência e terrorismo em todo o Mundo"! Mas os muçulmanos são LOUCOS!


O Movimento dos Países Não-Alinhados, representada peloIrão, condenou "a colonização ilegal em curso de Israel."

O Irão é um Estado terrorista, uma ditadura infernal, é o financiador nº 1 do terrorismo global, pelo que o que o Irão diz deve ser tomado como se tomam as declarações de Bin Laden ou qualquer outro da mesma laia. 
 Ainda assim, quem tiver dúvidas, pode ler o nosso post:

Mas afinal quem são os "palestinos"?


NUNCA existiu nenhuma Palestina árabe. Os Árabes invadiram a Terra de Israel em 1920 (ver lista de vídeos da época mais abaixo). 88% do território de Israel foi dado aos invasores Árabes para aí fundarem um país chamado Jordânia. A reivindicação de mais terra para um novo Estado Árabe em Israel é apenas outra forma de pedir a extinção de Israel e dos judeus. Israel é 0,5% do Médio Oriente, e está cercado de vizinhos que anseiam pela sua obliteração. Israel não pode dar mais terra aos terroristas, como fez em Gaza, e teve como agradecimento dezenas de milhar de mísseis e ataques indiscriminados sobre a população civil! 

Paquistão execrou Israel pelo "seu discurso cínico de se fazer de vítima, e de se fingir segregado na ONU". O Estado judaico, para o Paquistão, é culpado de "ocupação, apartheid e da colonização." O Paquistão expressou solidariedade com o povo'palestino' "67 anos após a Nakba", e diz que em Israel as"políticas de apartheid continuam."

Paquistãopratica o apartheidcontra os não-muçulmanos, nomeadamente os cristãos, que, quando não são assassinados impunemente, sãocondenados à morte, como Asia Bibi, que cometeu o crime de beber pelo mesmo recipiente por onde bebe a "raça superior"muçulmana!



Entre 2006 e 2015, a ONU emitiu 57 condenações contra Israel (por querer existir) e NENHUMAcontra bandos terroristas como oHamas, a Al-Qaeda, a Jihad Islâmica ou o HezbollahA ONU É UMA VERGONHA!Deve ser este"armar-se em vítima" que o Paquistão contesta... O resto das acusações já refutámos acima, e ao longo dos anos de existência deste blog, diariamente.


Qatar lamentou "muro do apartheid, as políticas racistas e a contínua tentativa de espalhar o terrorismo" de Israel.

A cerca que impede que os terrorista entrem em Israel para chacinar inocentes, é uma grande maçada para o Qatar - que, como os países islâmicos todos,  tem cercas bem maiores para impedir que lá entrem... muçulmanos! 

 
A obsessão anti-semita do Islão: Israel é um ponto minúsculo na grande mancha verde do mundo islâmico. É 0,5% do Médio Oriente e 0,17% do Mundo Islâmico!!! 
90% dos 11 milhões de muçulmanos mortos em guerras no Médio Oriente foram mortos por outros muçulmanos.
0,3% foram mortos por Israel, em 66 anos de investidas terroristas contra o Estado Judaico.


Equador agradeceu à"Palestina" pelo o envio de médicos, após o recente terremoto no país, evitando escrupulosamente qualquer menção à equipa de saúde israelita enviada ao mesmo tempo.
Israel é o país no Mundo que mais ajuda outros países em catástrofes naturais. Sabia?

Arábia Saudita criticou Israel para submeter os'palestinos' às "piores formas de terrorismo, opressão e intimidação." A Arábia Saudita lamentou que "alguns países tenham decidido boicotar este 'item chave' da agenda."

Presumimos que o terrorismo a que a Arábia Saudita (esse exemplo de Democracia e Direitos Humanos) se refere, são,decerto, Israel defender-se dos terroristas doHamas, Fatah, Hezbollah, ISIS,etc., que diariamente bombardeiam, atropelam, alvejam e esfaqueiam israelitas judeus!!!  - se quer ver esse"terrorismo"israelita visite a nossa secçãoINTIFACADA.


Esta mulher não voltará a ter a veleidade de conduzir um carro, após a punição que a imagem retrata. Na Arábia Saudita removem o clitóris às mulheres, cobrem-nas com panos negros, não lhes permitem sair de casa, deixam-nas morrer para não serem tocadas por um médico homem, são punidas com 200 chicotadas e 6 meses da cadeia se forem violadas, etc., etc., etc..
Já viu alguma coisa destas na TV? Não viu! E sabe porquê?
Então leia, sff:

Como a Arábia Saudita controla os media

Como os africanos e orientais são tratados no regime deAPARTHEID da Arábia Saudita (este é apenas um exemplo):


É isto a Arábia Saudita, é isto um regime islâmico, é isto que a Imprensa e muitos políticos e cidadãos ocidentais apoiam, é isto que domina a ONU, é isto que ameaça levar-nos para uma nova Idade das Trevas!

Enquanto não prosseguimos com a segunda parte, pode querer (re)ler esta série de posts, que desmontam o argumento habitual do "se a ONU condena Israel..." :

* Provérbio português listado nos dicionários de provérbios.

CONTINUA

2 comentários:

  1. Mais um video da Religião da Paz...
    https://youtu.be/q-wZYkoH-oA

    Sérgio Ferreira
    Responder
    Respostas
    1. Se tivesse sido num encontro de qualquer outra religião, as imagens teriam corrido mundo...
Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.




Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo! Isaías 5:20

terça-feira, 28 de junho de 2016

Dia do Ódio a Israel na ONU - 2


Continuação de 

Dia do Ódio a Israel na ONU - 1

Democracias ocidentais BOICOTAM o Dia de Ódio aIsrael na ONU
Argélia disse que, embora"não sejamos capazes de enumerar as violações dos direitos humanos, devido ao seu elevado número, devemos, pelo menos, mencionar algumas delas."
Mas não"enumerou"nenhuma violação, a Argélia. Porque não tem nenhuma para mostrar.

A última grande"atrocidade"cometida por Israel foi  a que a imagem acima retrata. A famosa Shirley Temper, uma menina que faz vida (ela e a família) de provocar soldados israelitas, atacou um deles, e o malandro não se deixou morder até a morte:

Um Óscar para Shirley Temper!

"Um soldado árabe teria disparado sobre todos eles"

Sempre o Duplo Padrão...

Um burro p'ra mim!


Venezuela reprovou Israel pela sua "política colonialista, bem como pelo assédio e discriminação contra as pessoas que vivem nos territórios ocupados."
Diariamente demonstramos aqui que Israel é dos judeus como Portugal é dos portugueses. Quem ocupou Israel foram os Árabes, que lhe levaram 88% do território - a Jordânia! - e se mantêm em Israel como invasores e colonos.
Na Era da Informação, só anda desinformado quem quer. Ainda assim:

Mas o regime comunista da Venezuela, que deixa o seu povo morrer à fome e assassina quem protesta, alinha com os países islâmicos contra  única democracia do Médio Oriente:



Egipto denunciou a recusa de Israel em participar na discussão como 
E porque não Israel participar nos comícios, encontros e congressos que por todo o Mundo Islâmico visam organizar a Solução Final, trazer as câmaras de gás de novo? Melhor: porque não fazem os judeus a vontade aos muçulmanos e não se atiram todos ao mar? É que é má-vontade...
Kuwait condenou
Que "crimes hediondos" são esses, o Kuwait não disse. Serão por exemplo os israelitas não se deixarem exterminar pelos terroristas daINTIFACADA?... 
Iraque denunciou a "política de discriminação, punição colectiva e assassinatos" de Israel.
A demência anti-semita do Islão é de tal monta, que eles fabricam as mentiras e acreditam nelas.PALLYWOOD é a indústria de encenação de mentiras contra Israel.
Nesta imagem podemos ver uma aldeia inteira que vem assistir ao teatrinho. Um terrorista faz-se passar por soldado israelita a pisar uma menina árabe, para as fotos:

Depois põem isto na Internet eACREDITAM (!!!!!) na mentira que acabaram de forjar!!! E os comunistas ocidentais (enganados pelos seus líderes) também!
Os sites sobrePALLYWOOD estão permanentemente a ser deitados abaixo.

Bahrein disse que "Israel continua a matar 'palestinos' de forma arbitrária, confiscando terras e destruindo casas."
Israel destrói as casas dos terroristas que matam civis israelitas. E muito bem! Infelizmente, Israel ainda não aprovou a pena de morte para esses demónios. É o único país do Médio Oriente que não tem pena de morte. Os outros países têm pena de morte e executam pessoas por serem homossexuais, não muçulmanos, e outros "crimes"...
Irão investiu contra o "uso indiscriminado da força pelas forças israelitas contra os 'palestinos' e a destruição de infra-estruturas palestinianas vitais" por Israel, bem como"matança extra judicial de civis 'palestinos', incluindo crianças."
Do Irão, o país líder do terrorismo global, o Inferno na Terra, já falámos no post anterior. Para além de que as PROVAS destas acusações continuam por aparecer. Mas na ideologia islâmica isso não importa.
Líbia criticou Israel por"homicídio generalizado" e"Judaização de Jerusalém".
Quanto aos"homicídios", não vamos repetir-nos. Quanto à"judaização de Jerusalém" está ao mesmo nível de insanidade. Para o Islão, todo o planeta não muçulmano está em pecado. E só o Islão pode corrigi-lo! Ver, se necessário:  Islão - O que o Ocidente Precisa Saber.
O Líbano censurou Israel por continuar "a desprezar todos os valores humanitários e instrumentos internacionais", chamando-lhe "um verdadeiro inimigo da paz e segurança".
Tudo isto é um teatro do absurdo. Ditaduras, tiranias, Estados terroristas, acusam um minúsculo país democrático de tudo e mais alguma coisa, sem provas!
Mas logo o Estado terrorista do Líbano, a dizer estas enormidades... seria de rir, se não fosse de chorar:

Apartheid e escravatura no Líbano não incomodam

É por isto que não há paz! 

O bando terrorista islâmico e NAZI Hezzbollah, treina crianças no terrorismo,como  por exemplo oHamas, que usa as crianças como bombistas suicidas e escavadores de túneis (PARA AS EXECUTAR A SEGUIR). Nada disto preocupa a esquerda, que até acha bonito e glorioso!

Recém nascido libanês envergando o uniforme do bando terrorista Hezzbollah.

TERRORISMO - OK! MAMINHAS - KO!

E tanto, mas tanto, que haveria para dizer sobre oLíbano...

Oman culpou Israel por todos os males do Médio Oriente, sugerindo que "a paz e a guerra na região têm o problema 'palestino' no seu núcleo."

Veja neste mapa Israel a amarelo (amplie para ver) e o mundo islâmico, a encarnado:


Apenas 0,3% dos 11 milhões de muçulmanos mortos no Médio Oriente  desde 1948 foram TERRORISTAS mortos por Israel, em combate.
Desde o século 7, o Islão já matou mais de 270 milhões de inocentes, nos quatro cantos do Mundo! Mas a"culpa" é de Israel...
É engraçadosobretudo quando eles chamam a Israel expansionista e imperialista! Eles, muçulmanos, que dizimaram povos para ampliarem o seu Império do Mal, ao passo que Israel lhes deu 88% da sua terra e vive num cantinho que mal se vê num mapa.
Sem nenhum sinal de ironia,Oman condenou a ausência da UE como evidência de "uma aliança politizada em apoio de uma das partes."
Releia o parágrafo anterior, que em si mesmo, na sua triste ironia, é uma explicação de toda esta situação. Os países comunistas e islamistas do Mundo juntam-se na ONU para demonizarem Israel, e "acusam" a União Europeia de boicotar tal evento!
No Alcorão, em todos os livros"sagrados" do Islamismo, o ódio aos cristãos e aos judeus é uma constante. 
Desde crianças, os muçulmanos são ensinados que os judeus são macacos e porcos, que comem crianças e que são a fonte do Mal. Para o Islão, antes de converter o Mundo inteiro (pela espada, sempre!) há que exterminar judeus - e cristãos:

Temos pena que não esteja traduzido.

CONTINUA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.


Amigo de Israel

Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo! Isaías 5:20

terça-feira, 28 de junho de 2016

Dia do Ódio a Israel na ONU - 3




Conclusão de

Dia do Ódio a Israel na ONU - 1

Dia do Ódio a Israel na ONU - 2


Democracias ocidentais BOICOTAM o Dia de Ódio aIsrael na ONU
Sr. presidente,
Os cidadãos de todo o mundo, ao ouvirem o debate de hoje, têm razões para ficar confusos.Nunca antes na História das Nações Unidas os pronunciamentos aqui feitos foram mais desconectados da realidade.
Foi-nos dito aqui, por várias nações do Médio Oriente, que Israel é o maior violador dos direitos de saúde, das mulheres, da igualdade e do meio ambiente.
Na realidade, Israel, com todos os seus defeitos, é o único país no Médio Oriente cujos hospitais tratam palestinos e israelitas; judeus, muçulmanos e cristãos; o único país noMédio Oriente que respeita os direitos das mulheres; o único país no Médio Oriente que respeita os direitos das minorias; e o único país doMédio Oriente que é líder mundial no desenvolvimento de tecnologias vitais, tais como a dessalinização, tratamento de água e irrigação por gotejamento.
Tivemos aqui a Síria, a Líbia, o Iémen, alguns dos países que vieram dar lições sobre direitos humanos. Na realidade, muitos destes já não são sequer países.
Sr. Presidente, Vamos ser claros. Israel deve ser sujeito a críticas como qualquer outro país. Mas Israel não é tratado como os outros países. Nenhum outro país tem um item permanente da agenda da ONU inteiramente dedicado a ele - nem mesmo a Síria, nem mesmo a Coreia do Norte.Há, no entanto, uma janela de esperança hoje: os países que não falaram.
Democracias, como a França, Alemanha, Reino Unido, EUA, Canadá, tomaram a decisão de não fazer uso da palavra, porque esta agenda destaca um país, Israel, a quem o Secretário-Geral Ban-se Ki-moon denunciou como sendo alvo de tratamento selectivo e injusto. Hoje assistimos a mais um dos muitos dispositivos utilizados aqui na ONU que cruzam a linha de críticas legítimas das políticas de Israel e são tentativas de deslegitimar o Estado de Israel.
Aqui, nas Nações Unidas, onde a facção maioritária tem o poder de decidir o que quer, e onde a facção minoritária não tem recurso judicial, não tem direito de recurso, não tem nenhuma defesa, as democracias protestaram contra esta injustiça da única maneira possível.
Em 1968, René Cassin, no 20º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que ele ajudou a criar, abandonou a sala em protesto contra a discriminação contra Israel.Hoje, no 10º aniversário do Conselho de Direitos Humanos, o mundo livre protestou contra a difamação de Israel, não comparecendo.
Obrigado, senhor presidente.

Mais posts com a etiqueta UN Watch.


CHEGA DE CULPAR OS JUDEUS!



Nós apoiamos Israel. Nós apoiamos a Liberdade, a Democracia, a Paz, o Bem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.