domingo, 2 de outubro de 2016

SEJA REELEITO ACM NETO EM 2 DE OUTUBRO DE 2016, DIANTE DO PORTAL DE 5777 - O ANO 26 DA OITAVA POTÊNCIA YEHOWAH; IEHOUAH - FAÇA POLÍTICA, AJUDE A BAHIA E O NORDESTE À SE LIBERTAREM DOS PARTIDOS E IDEAIS DESTRUTIVOS, AMPLIE AS ESFERAS DO CAPITALISMO INTERATIVO - SALVADOR, SEJA POR VOCÊ HOJE E AGORA


ACM NETO

SEJA REELEITO

E FAÇA POLÍTICA

ECE_FRONTPAGE


EXPRESSO
Por que ACM Neto é líder disparado em Salvador e o que significa sua provável reeleição



Bruno Lupion

28 Set 2016 (atualizado 29/Set 19h35)
Atual prefeito da capital baiana tem 69% das intenções de voto. Obras de visibilidade realizadas em sua gestão e estilo político moderado aumentam suas chances de vitória, diz professor da UFBA


FOTO: DIVULGAÇÃO
ACM NETO PARTICIPA DE EVENTO DE CAMPANHA EM SALVADOR

O prefeito de Salvador, ACM Neto, do DEM, tem uma boa margem de segurança para acreditar que será reeleito no domingo (2), já no primeiro turno. A pesquisa Ibope mais recente, divulgada em 19 de setembro, indicou que ele tem 69% das intenções de voto.

De todas as 26 capitais de Estados, ACM Neto só é menos favorito do que Teresa Surita, do PMDB, que tem 74% das intenções de voto em Boa Vista, segundo a pesquisa Ibope mais recente, divulgada em 16 de setembro. Em janeiro deste ano, a gestão de ACM Neto era aprovada por 84,7% dos munícipes, segundo o instituto Paraná Pesquisas, o melhor índice de aprovação de um prefeito entre 13 capitais pesquisadas.

O prefeito soteropolitano herdou o nome e a trajetória política de seu avô, Antônio Carlos Magalhães, que também foi prefeito de Salvador nos anos 1960, durante o regime militar, além de governador da Bahia, senador e ministro das Comunicações na gestão do ex-presidente José Sarney. Já o neto, antes de ser eleito para administrar a capital baiana, em 2012, foi deputado federal por três mandatos.

O Nexo perguntou ao sociólogo Clovis Zimmermann, professor da UFBA (Universidade Federal da Bahia), por que ACM Neto está tão bem nas pesquisas e qual é o impacto de sua provável vitória.
Motivos da popularidade

OBRAS DE VISIBILIDADE

ACM Neto conseguiu entregar muitas obras em Salvador na sua gestão, segundo Zimmermann, o que contribuiu para a população local ter uma boa impressão sobre seu governo. Entre as principais realizações, está a revitalização de toda a orla da capital baiana e o recapeamento de ruas.

A oposição afirma que o político do DEM priorizou os “cartões postais” e negligenciou investimentos em educação e saúde. Mas esse discurso não tem sido eficaz, até o momento, para se contrapor à imagem positiva das obras, segundo o professor da UFBA.

ESTILO MODERADO

Zimmermann diz que ACM Neto adota um discurso moderado em relação à média dos líderes do seu partido, o DEM, o que o ajuda a consolidar seu nome em Salvador. “Ele não é um cara tradicional da direita liberal, que defende redução de impostos e o Estado mínimo. É mais um social-democrata. Aumentou o IPTU, faz questão de mostrar o que o Estado construiu, nunca disse nada contra as cotas [em universidades] e se reúne com os médicos cubanos”, diz o professor da UFBA.

Apesar de os parlamentares do DEM no Congresso terem sido entusiastas de primeira hora do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff no Congresso, ACM Neto evitou se posicionar a respeito no início do processo e mostrava dúvidas sobre o sucesso da iniciativa.

Por ser bem avaliado entre os eleitores, muitos vereadores fazem questão neste ano de colar a sua campanha à de ACM Neto, afirma Zimmermann. “Tinha uma época que eles faziam isso com o Lula. Agora é com ele”, diz.

ARCO DE ALIANÇAS

O prefeito de Salvador construiu a maior coligação na eleição deste ano na capital baiana. São 15 partidos, incluindo o PMDB, que nomeou seu candidato a vice, Bruno Reis, e o PSDB. Ele tem 4 minutos e 1 segundo do bloco de dez minutos de propaganda eleitoral em rádio e TV.

O segundo maior tempo de propaganda eleitoral é de Alice Portugal, do PCdoB, que na pesquisa Ibope mais recente estava em segundo lugar, com 12% das intenções de voto. Ela ficou com 2 minutos e 59 segundos.
O que sua vitória significa

A reeleição de ACM Neto é uma boa notícia para o DEM, que hoje preside a Câmara dos Deputados na figura de Rodrigo Maia (RJ), e o credencia a disputar o governo da Bahia, daqui a dois anos.

A articulação para escolher um vice do PMDB, Bruno Reis, ligado ao ministro da Secretaria de Governo do Palácio do Planalto, Geddel Vieira Lima, se inserena estratégia de ter ACM Neto eleito ao governo em 2018.

O PRB, que disputava a indicação para vice, foi convencido a abrir mão do posto “em prol de um projeto maior em 2018”, segundo o presidente municipal da legenda, Sidelvan Nóbrega, disse ao jornal “A Tribuna”. A expectativa, portanto, é que ACM Neto se lance ao governo em 2018 — o que ele nega.

O governo baiano é comandado desde 2007 pelo PT, quando a vitória do ex-governador Jaques Wagner quebrou uma hegemonia de 15 anos do DEM (ex-PFL).

Apesar de ter ascendido na política graças à vinculação com seu avô, o fenômeno ACM Neto não deve ser enquadrado como um ressurgimento do “carlismo”, o grupo de poder que orbitava em torno de Antônio Carlos Magalhães, diz Zimmermann. “Ele tenta se vender como bom gestor, que faz acontecer”, afirma o professor.

O nome de ACM Neto apareceu em uma planilha encontrada em março deste ano pela Operação Lava Jato com um ex-diretor da empreiteira baiana Odebrecht. Ele afirma que sua campanha de 2012 recebeu recursos da companhia de forma legal e declarada à Justiça Eleitoral.
Quem são os outros candidatos

A deputada federal Alice Portugal, do PCdoB, é a segunda colocada, com 12% das intenções de voto na pesquisa Ibope mais recente, e tem poucas chances de levar a disputa ao segundo turno. Em 22 de setembro, a ex-presidente Dilma Rousseff foi a Salvador participar de um evento de campanha de Alice. Em terceiro está Sargento Isidório, do PDT, com 7% das intenções de voto.
EXPRESSO
O que está em jogo na disputa pela prefeitura de Belo Horizonte
MAIS RECENTES


EXPRESSO
As últimas pesquisas antes do voto: números e tendências Bruno Lupion


GRÁFICO
A evolução do número de candidatos a vereador no Brasil Daniel Mariani e Rodolfo Almeida


ENTREVISTA
Human Rights Watch sobre Carandiru: não há legítima defesa se preso está de joelho João Paulo Charleaux


ENSAIO
A guerra não faz a paz Viviana Bohórquez Monsalve e Jessica Carvalho Morris


EXPRESSO
O que a eleição municipal de 2016 está pondo à prova Lilian Venturini
NEXO VÍDEOS

VÍDEO

Regras dos esportes e resultado justo
Renata Rizzi, Catarina Pignato e Guilherme Prado

VÍDEO

Eduardo Marques e a governança urbana no Brasil - Parte 2
Paula Miraglia e Guilherme Prado
EM ALTA


EXPRESSO
Na legenda, em branco ou nulo. Como esses votos são computados Lilian Venturini


INTERATIVO
Você conhece bem a realidade da sua cidade? Faça o teste Murilo Roncolato, Rodolfo Almeida e Ibrahim Cesar


EXPRESSO
Humor patológico: a doença que transforma o paciente em um compulsivo por piadas ruins Ana Freitas


GRÁFICO
Qual a renda média das profissões ao longo dos anosRodolfo Almeida


EXPRESSO
‘Manterrupting’: a prática sexista de interromper uma mulher quando ela está falando Beatriz Montesanti
VEJA MAIS
POLÍTICA
RECEBA POR EMAIL

a_nexo


TUDO O QUE IMPORTA LOGO PELA MANHÃ
RECEBER


Contextos, análises e guias sobre as disputas nas cidades


NAVEGUE POR TEMAS
POLÍTICA
ECONOMIA
INTERNACIONAL
SOCIEDADE
CULTURA
CIÊNCIA E SAÚDE
TECNOLOGIA
ESPORTE
MEIO AMBIENTE
VÍDEO

VÍDEO
O peso dos partidos na eleição de vereadores
Lilian Venturini, Simon Ducroquet e Guilherme Prado

Sistema proporcional não leva em conta apenas o candidato escolhido. Entenda o cálculo para o preenchimento das vagas parlamentares no Brasil

VÍDEO

Regras dos esportes e resultado justo
Renata Rizzi, Catarina Pignato e Guilherme Prado

VÍDEO

A governança urbana no Brasil
Paula Miraglia e Guilherme Prado

VÍDEO

Qual o tamanho da crise atual
Renata Rizzi, Guilherme Prado e Simon Ducroquet
COLUNISTAS


REINALDO MORAES

São Paulo continua de pé

Uma crônica sobre a cidade, o vapor metálico, a galeria Metrópole, a Síria e outras coisas mais


LILIA SCHWARCZ
Conselho de graça ou como ser nobre no Brasil


REINALDO MORAES
500 anos de ‘Utopia’


REINALDO MORAES
Floripa a bordo de um boteco genial

EXPRESSO

O currículo flexível na reforma do ensino médio


Beatriz Montesanti

GRÁFICO

Qual a origem do dinheiro das campanhas em 2016


Rodolfo Almeida

EXPRESSO

Como o ato de ir à urna e votar evoluiu desde a década de 1940


Bruno Lupion

GRÁFICO

Perfil dos candidatos a vereador comparado ao da população
Daniel Mariani e Rodolfo Almeida

EXPRESSO

As peculiaridades de 5 capitais na hora da escolha do prefeito


Lilian Venturini

EXPRESSO

Quando um plano de governo faz a diferença na disputa eleitoral


Lilian Venturini
MAIS RECENTES


EXPRESSO
As últimas pesquisas antes do voto: números e tendências Bruno Lupion


GRÁFICO
A evolução do número de candidatos a vereador no Brasil Daniel Mariani e Rodolfo Almeida


ENTREVISTA
Human Rights Watch sobre Carandiru: não há legítima defesa se preso está de joelho João Paulo Charleaux


ENSAIO
A guerra não faz a paz Viviana Bohórquez Monsalve e Jessica Carvalho Morris


EXPRESSO
O que a eleição municipal de 2016 está pondo à prova Lilian Venturini
INTERATIVO

INTERATIVO

Você conhece bem a realidade da sua cidade? Faça o teste
Murilo Roncolato, Rodolfo Almeida e Ibrahim Cesar

INTERATIVO

Como sua cidade gasta dinheiro? Descubra e compare com outras
Daniel Mariani, Ibrahim Souza, Wellington Freitas e Rodolfo Almeida
EXPLICADO

EXPLICADO

Mundo produz comida suficiente, mas fome ainda é uma realidade


Rafael Iandoli

EXPLICADO

Vacinas: as origens, a importância e os novos debates sobre seu uso


Beatriz Montesanti
SERVIÇO

SERVIÇO

Como escolher seu candidato a prefeito e vereador


Murilo Roncolato

SERVIÇO

Um guia para identificar quando uma fruta está madura


Catarina Pignato
GRÁFICO

GRÁFICO

Do que morrem os brasileiros. Por idade, gênero e cor
Daniel Mariani e Rodolfo Almeida

GRÁFICO

As características das Constituições pelo mundo
Daniel Mariani e Rodolfo Almeida

PODCAST

Voto de protesto: as histórias de Cacareco e Macaco Tião


Murilo Roncolato

EXPRESSO

Quanto custam e como são reguladas as pesquisas eleitorais


Bruno Lupion

EXPRESSO

Candidatos declarados LGBT são 0,04%, o maior índice desde 96


Lilian Venturini

EXPRESSO

O banco mais valioso do mundo agora responde à Justiça
José Roberto Castro e Rafael Iandoli

EXPRESSO

Moradores de Veneza não querem grandes navios em seus portos


Ana Freitas

EXPRESSO

Como o petróleo passou de solução a problema no Peru


Rafael Iandoli
NEXO RECOMENDA


RISCA FACA
A garota de lugar nenhum


THE WASHINGTON POST
Como vazamentos de dados cresceram em grandes proporções nos últimos 11 anos (em inglês)


ESTADÃO
Paz na Colombia, o fim de 52 anos de guerra civil


FIVE THIRTY EIGHT
Os algoritmos são ficando melhores em nos entreter (em inglês)


TAB UOL
Bancada Jovem #SQN


THE ECONOMIST
Onde Donald Trump perdeu o debate (em inglês)


BRAVO!
São Paulo Autofágica


PROJECT SYNDICATE
Os perigos de tratar a dívida com complacência (em inglês)


NAVEGUE POR TEMAS
POLÍTICA
ECONOMIA
INTERNACIONAL
SOCIEDADE
CULTURA
CIÊNCIA E SAÚDE
TECNOLOGIA
ESPORTE
MEIO AMBIENTE


SOBRE O NEXO


NOSSA EQUIPE


TRABALHE CONOSCO


CONTATO


PERGUNTAS FREQUENTES


POLÍTICA DE ERROS


TERMOS DE USO


POLÍTICA DE PRIVACIDADE

FACEBOOK
TWITTER
YOUTUBE
ASSINATURA
ACESSO AO NEXO SEM LIMITES.
É FÁCIL E RÁPIDO.ASSINAR

NEWSLETTER | RECEBA POR E-MAIL

a_nexo


TUDO O QUE IMPORTA LOGO PELA MANHÃ

RECEBER


© 2016 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

ASSINE