segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

É chegado o tempo Israel, de responder ao ativismo terrorista da ONU, o antisemitismo dos governos francês, inglês, turco e outros com medidas corretivas dentro das fronteiras e intimidades dos ameaçadores. Está mais que lógico a necessidade de Israel assumir o controle militar e administrativo de todas as regiões instáveis do oriente médio e criar definitivamente o Curdistão sionista almejado por incontáveis vítimas das injustiças islâmicas.




5 de dezembro de 2016
Presidente turco ameaça Israel e convoca muçulmanos para lutarem pela PalestinaJarbas Aragão


O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, exortou recentemente todos os muçulmanos do mundo para que defendam a causa palestiniana, assumindo uma posição dura contra Israel. O anúncio veio de forma inesperada, agora que se encaminhava a normalização das relações entre os dois países, rompidas desde 2010.

Em um simpósio sobre Al Quds – termo islâmico para se referir a Jerusalém – realizada em Istambul, Erdogan disse que “todos os muçulmanos têm o dever de apoiar a causa palestina e proteger Jerusalém”, acrescentando que a segurança da mesquita Al-Aqsa não deveria ser deixada nas mãos de “crianças armadas com pedras”.

Segundo o site turco TRT, que reproduziu o discurso, ele fez críticas à ONU por não intervir diretamente em solo israelense e afirmou: “A única maneira de alcançar uma paz duradoura no Oriente Médio é o estabelecimento de um Estado palestino independente e soberano, tendo como capital Jerusalém Oriental. É, portanto, necessário que a comunidade internacional aumente o seu apoio à Palestina”.

Durante o evento, Erdogan também deu “pistas” que pretende aproveitar sua presença na Síria para anexar partes do território, numa visível demonstração que continua com seus planos de restaurar o Império Otomano, estendendo seu domínio para o Sul, em direção a Israel.

No final de novembro, o ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, pediu aos europeus que adotem uma política mais dura em relação à Turquia. Sublinhou que desde a fracassada tentativa de golpe, em julho, o presidente Erdogan recebeu poderes legislativos que lhe permitem controlar os meios de comunicação, além demitir juízes e professores.
Barbarismo

No último domingo, Erdogan criticou um projeto de lei debatido em Israel, que proíbe o uso de alto-falantes das mesquitas para chamar os muçulmanos para a oração desde a meia-noite até as primeiras horas da manhã do dia. Isso irritou os islâmicos, pois todos os dias ao nascer do sol os praticantes são chamados a fazer suas preces.

Em um telefonema para o presidente de Israel Reuven Rivlin, Erdogan atacou a iniciativa, dizendo ser “inapropriada, pois fere a liberdade de expressão e a liberdade de religião”. Estranhamente, nenhuma das duas coisas estão presentes na Turquia governada por ele há mais de uma década.

No ano passado, quando a lei sequer existia, ele já falava em invadir Israel para tomar Jerusalém em nome de “todos os muçulmanos”.

Em entrevista recente à televisão israelense, o presidente da Turquia chamou o tratamento dado por Israel aos palestinos de “barbarismo”. Também insiste que o governo de Israel precisa “respeitar a santidade” do monte do Templo, onde fica atualmente a “esplanada das mesquitas”.

A fala também ecoa o que vem sendo imposto pela UNESCO, que nega os vínculos dos judeus com o local. Com informações de Times of Israel



Leia mais
ONU diz que Israel não pode mais administrar Jerusalém

Entre as novas resoluções, está a exigência para entregar as Colinas de Golã
"Intifada do fogo": incêndios chegam a Jerusalém

Mais de 20 palestinos foram presos, suspeitos de terem provocado as chamas
Palestina ameaça EUA, temendo promessas de Trump sobre Israel

Presidente eleito anunciou que mudará embaixada para Jerusalém

Voltar ao topo
Móvel