terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Iehouah é Quem é o Que nos reconhece... Em terras da Torah todos vocês são nossos inquilinos. Se quiserem também nossos amigos. ISRAELENSE leal conta como Israelita. O desleal ou oponente não tem lugar. Se a direita tentar vacilar, os LEAIS serão contra ela, esquerda, militantes de causa Palestina ponta de lança do terrorismo Islâmico e quantas nações se apresentem contra nossa sobrevivência e liberdade. Amem o governo direitista de Israel pois ele é demasiado pacífico e amável.

×
O GloboInfoglobo Comunicação e Participações S.A.GRÁTIS - No Google Play
Ver
Abrir menuAbrir busca

OLP ameaça não reconhecer Israel se Trump levar embaixada a Jerusalém

Gesto dos EUA poderia desautorizar pertencimento da capital também a palestinos

POR 
 
13 de setembro de 1993. Em Oslo, presidente americano Bill Clinton media diálogos que terminam com o aperto de mãos entre Rabin (esquerda) e o líder da Organização pela Libertação da Palestina, Yasser Arafat - Ron Edmonds / AP Photo
JERUSALÉM - A Organização pela Libertação da Palestina (OLP) advertiu que poderá revogar um dos pilares dos históricos acordos de Oslo, o reconhecimento de Israel, caso o governo americano leve sua embaixada para Jerusalém. A intenção do presidente eleito, Donald Trump, já levou a alertas de especialistas de que poderia levar a novos conflitos na região, já que mover a embaixada atualmente em Tel Aviv é um gesto que significaria o fim do reconhecimento dos EUA ao direito do também pertencimento palestino à capital.
— Uma das medidas que estamos considerando seriamente é a sobre o reconhecimento mútuo — disse o alto negociador palestino Mohammed Shtayyeh.
A OLP, que por anos foi a única instituição oficial reconhecida da causa palestina, pediu que fossem feitos protestos em mesquitas e igrejas pelo mundo para criticar a possível ação de Trump.
O atual governo americano afirma que levar a embaixada a Jerusalém levaria a uma "explosão de violência" na região, já que reconheceria Jerusalém como capital única e não dividida de Israel. Há décadas, a cidade é dividida entre israelenses e palestinos, com a parte árabe (Oriental) sob ocupação militar. Uma divisão da cidade é vista por autoridades como única solução de garantir um acordo a favor de dois Estados.
Na semana passada, senadores republicanos enviaram um projeto de lei para análise na Casa, cobrando a mudança da embaixada. O escolhido de Trump para chefiar a missão americana em Israel, David Friedman, é um firme apoiador da proposta, e a imprensa afirma que Trump poderia anunciar a medida dentro das próximas semanas.
"Levar a embaixada provavelmente levará a um impacto desastroso no processo de paz, na solução de dos Estados, na estabilidade e na segurança de toda a região, já que a decisão de Israel de anexar Jerusalém Oriental contradiz a lei internacional", escreveu o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, em uma carta a Trump.
Os Acordos de Oslo, assinados entre as lideranças israelenses e palestinas da época, Yitzhak Rabin e Yasser Arafat, foram acordados sob a bênção do governo americano de Bill Clinton, em 1993. Outro aspecto foi eventualmente acordar negociações a favor de uma Jerusalém compartilhada.
— Os EUA são uma testemunha do acordo de Oslo, assinado na Casa Branca. É um compromisso internacional — disse Shtayyeh.
OBAMA CRITICA EXPANSÃO DE COLÔNIAS
Nesta terça-feira, o presidente Barack Obama criticou ainda a expansão dos assentamentos israelenses em territórios ocupados. Em uma crítica ao premier Benjamin Netanyahu, com quem tem uma relação fria, disse em uma entrevista à TV israelense que as ações do colega são letais ao processo de paz.
— Bibi (apelido de Netanyahu) diz que acredita na solução de dois Estados, mas suas ações mostram que, se ele estiver sob pressão para aprovar mais assentamentos, fará isso independentemente da importância — disse Obama. — Se esta tendência continuar, ficará quase impossível, ou ao menos muito difícil, criar um Estado palestino funcionante.

Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail.
Já recebe a newsletter diária? Veja mais opções.

    VOLTAR AO TOPO