segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

QUAL SERIA SEU VOTO HOJE BRASIL QUANTO À DECLARAÇÃO DE INDEPENDÊNCIA DE ISRAEL? E UMA VEZ QUE OS LEGÍTIMOS ÁRABES DA PARTILHA FORMAN A NAÇÃO DE ISRAEL PORQUE PEDE PARA CRIAR EM ISRAEL UM ESTADO PALESTINO PARA ÁRABES ORIUNDOS DE OUTRAS POTÊNCIAS QUE TENTARAM ANIQUILAR ISRAEL EM 1948, 1956, 1967, 1973 E ATRAVÉS DO TERRORISMO ISLÂMICO DE GAZA E CISJORDÂNIA? SÓ UM ESTADO E NAÇÃO PARA QUEM QUISER VIVER EM PAZ E PROSPERIDADE: ISRAEL COM SUA ETERNA CAPITAL UNIFICADA JERUSALÉM





Buscar no portalBuscar no portal


Menu




NOTÍCIA
Entenda como o Brasil participou da criação do Estado de Israel
Holocausto
Após o Holocausto perpetuado pelo regime nazista entre as décadas de 1930 e 1940, Organização das Nações Unidas debateu o retorno dos judeus para sua região de origem



por Portal PlanaltoPublicado: 29/01/2017 18h08Última modificação: 29/01/2017 19h10
Yadvashem.org

Em Jerusalém, Yad Vashem preserva a memória das vítimas do Holocausto


Durante a Segunda Guerra Mundial, judeus na Alemanha foram retirados de suas casas, separados das famílias e levados a campos de concentração onde eram forçados a trabalhar para o governo alemão. Não tinham comida suficiente, viviam em condições insalubres que levavam à morte por doença, fome e exaustão. Também foram submetidos à tortura e ao extermínio.

Esse período da história ficou conhecido como Holocausto. Estima-se que 10 milhões de pessoas foram mortas, sendo 6 milhões de judeus, pelo regime nazista de Adolf Hitler nas décadas de 1930 e 1940. O ditador alemão defendia a supremacia racial ariana e passou a pregar o ódio contra quem considerava impedir esse processo.

Em 2005, a Assembleia Geral das Nações Unidas estabeleceu 27 de janeiro como Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. Nesta data, houve a libertação do campo de concentração de Auschwitz Birkenau, pouco antes do final da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

Participação brasileira

Após a 2ª Guerra, a discussão para criação de um Estado judeu ganhou força. Em especial, o movimento defendendo o retorno dos judeus para sua região de origem, a Palestina. Muitas comunidades já viviam no país, que era administrado pelos britânicos desde 1920.

Os ingleses repassaram a decisão para a recém-criada Organização das Nações Unidas (ONU), que criou o Comitê Especial para Palestina a fim de tratar da decisão pela partilha territorial. Começa aí a participação brasileira no processo. Em 1947, o presidente Eurico Gaspar Dutra nomeou Osvaldo Aranha como chefe da delegação brasileira junto a ONU, que acabou escolhido como presidente da Assembleia Geral.

Foram apresentadas duas propostas: a primeira era a partilha da Palestina, criando um estado judeu e outro árabe. A segunda, proposta pelos países árabes, era da independência imediata da Palestina, uma vez que 70% da população era formada por árabes. Em 29 de novembro de 1947, em sessão presidida por Oswaldo Aranha, 33 dos 57 países membros votaram a favor da criação de Israel. 13 foram contra, 10 se abstiveram e Tailândia estava ausente.

Reconhecimento

A declaração de Independência do Estado de Israel foi assinada em 14 de maio de 1948, ano que teve fim o Mandato Britânico da Palestina. Aranha foi reconhecido como um dos principais articuladores para criação do Estado de Israel. Em sua homenagem, há uma rua em Tel Aviv que leva seu nome. Outros brasileiros também foram homenageados pela ajuda aos judeus durante o Holocausto.

Aracy Guimarães Rosa, funcionária do consulado em Hamburgo, na Alemanha, e Luís Martins de Souza Dantas, embaixador brasileiro em Paris, na França, ajudaram na concessão de vistos para salvar aqueles que estavam sendo perseguidos por Hitler. Hoje, o nome dos dois está no Jardim dos Justos do Museu do Holocausto, em Israel.


Fonte: Portal Planalto








ÚLTIMOS DISCURSOSDiscurso do presidente da República, Michel Temer, durante cerimônia do Dia Internacional em Memória das Vítimas do HolocaustoDiscurso do Presidente da República, Michel Temer, durante reunião com o Conselho Consultivo do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - MCTIC - Brasília/DFDeclaração à imprensa do presidente da República, Michel Temer, após o velório do ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki - Porto Alegre/RSDeclaração à Imprensa do Presidente da República, Michel Temer, a respeito do falecimento do Ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal - Palácio do PlanaltoDiscurso do Presidente da República, Michel Temer, durante Cerimônia de Lançamento do Pré-Custeio da Safra 2017/2018 - Ribeirão Preto/SP





Desenvolvido com o CMS de código aberto Plone