domingo, 22 de janeiro de 2017

Sejam um pouco mais sagazes: mesmo quando o antissemitas vem de conservadores ou direitistas, ocorre associado aos desequilíbrios sociais promovidos pelo Islã e vulgos socialistas em cenários antecedentes vindos do catolicismo e de filósofos europeus populistas. Treinem e habilitem amigos de Israel pelo mundo a promoção de cultura hebraica global e combate público do antissemitas em todas suas bases.

Sejam um pouco mais sagazes: mesmo quando o antissemitas vem de conservadores ou direitistas, ocorre associado aos desequilíbrios sociais promovidos pelo Islã e vulgos socialistas em cenários antecedentes vindos do catolicismo e de filósofos europeus populistas. Treinem e habilitem amigos de Israel pelo mundo a promoção de cultura hebraica global e combate público do antissemitas em todas suas bases.

Assine ZHJá é assinante?
Jerusalém
Israel se preocupa com aumento de atos antissemitas no mundo em 2016

22/01/2017 - 16h37min
Compartilhar:


Em Israel há uma preocupação com o aumento de atos antissemitas em todo o mundo durante 2016, segundo um relatório do ministério da Diáspora apresentado neste domingo, que denuncia principalmente a emergência de uma nova extrema direita dos Estados Unidos.

Publicidade


"Constatamos o aumento do número de incidentes de caráter antissemita no mundo, que vão desde os insultos antissemitas, principalmente nas redes sociais, até as agressões físicas", afirma o relatório de 54 páginas.

O relatório foi publicado nas vésperas do Dia Internacional de Comemoração das Vítimas da Shoah, no dia 27 de janeiro.

Entre seus principais pontos está o aumento de 50% das agressões antissemitas na Alemanha em relação a 2015, de 62% dos atos violentos contra os judeus na Grã Bretanha e de 45% dos atos antissemitas nos campi americanos.

Sobre os Estados Unidos, o relatório denuncia "o aumento do antissemitismo na campanha presidencial", durante a qual "a nova direita ganhou amplitude". Menciona "o paradoxo desta direita que apoia Israel e mantém um discurso racista e antissemita".

O movimento "Al-right", que entrou recentemente na cena pública americana, não tem uma estrutura formal e sua ideologia baseia-se na extrema direita tradicional e na teoria da supremacia branca, assim como na denúncia do livre-comércio.

O ministério israelense responsabiliza a crescente popularidade de partidos de extrema direita no velho continente e a esquerda radical que, "com o pretexto de criticar Israel criou uma nova forma de antissemitismo na Europa" pelo aumento dos atos antissemitas.

* AFP
Compartilhar:

VEJA TAMBÉM







Publicidade

NEWSLETTER ZH

Receba gratuitamente o melhor conteúdo de ZH no seu e-mail e mantenha-se sempre atualizado.Enviar ›


ZH 50 Anos

No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, polícia, política, moda, cultura, colunistas e mais.
Tenha acesso ilimitado.Assine ZHJá é assinante?