terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

A POSIÇÃO DE NETANYAHU A PARTIR DESTE ENCONTRO DEVE DEFINIR O RUMO DO PODER ISRAELENSE. EXTERNOS PODEM TRAIR. OS DE DENTRO, NUNCA.


EDITORIAS
política
brasil
mundo
economia
superesportes
local
viver
opinião
especiais
fale conosco
leia o Diario




PesquisarEnviar emailAbrir Menu







RELAÇÕESNetanyahu, de Israel, se reúne pela primeira vez com presidente TrumpNetanyahu e seu governo, considerado o mais à direita da história de Israel, viram na vitória de Trump o início de uma nova era após oito anos de tensões com a administração Obama


Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 13/02/2017 12:09 Atualizado em:
O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu deixou Israel nesta segunda-feira (13/2) para encontrar Donald Trump e confrontar as promessas do ex-candidato com a realidade atual da política em desenvolvimento na Casa Branca.


Netanyahu e seu governo, considerado o mais à direita da história de Israel, viram na vitória de Trump o início de uma nova era após oito anos de tensões com a administração Obama.


No entanto, desde que tomou posse, Trump suavizou suas declarações de campanha, nas quais a direita israelense e alguns ministros do governo encontraram um incentivo para exigir uma colonização irrestrita e a anexação da Cisjordânia ocupada.

Pressionado pela direita e confrontado a investigações da polícia por supostos atos de corrupção, Netanyahu anunciou, em 20 de janeiro, a construção de mais de 5.000 casas na Cisjordânia e o primeiro novo assentamento promovidos pelo governo em mais de 20 anos.


Após se manter em silêncio por duas semanas, a Casa Branca acabou por estabelecer limites.


Na sexta-feira, em um jornal israelense, o próprio Trump declarou que não acredita que a expansão dos assentamentos seja "bom para a paz". Na mesma entrevista, o presidente americano afirmou que desejava um acordo "bom para todas as partes", mas que para isso israelenses e palestinos devem ser "razoáveis".


A mensagem é a de que Trump assinou um cheque em branco ao aliado israelense e pretende guardar suas opções para presidir um acordo, dizem os especialistas.


"Em Washington, Benjamin Netanyahu irá testar a sua margem de manobra sobre a colonização", afirmou Marc Heller, cientista político do Instituto de Estudos de Segurança Nacional (INSS).


"Em três semanas, Donald Trump empregou discursos diferentes, é preciso agir com cautela", sugere Michael Oren, vice-ministro da diplomacia no gabinete do primeiro-ministro.


Estas observações são direcionadas ao ministro da Educação, Naftali Bennett, líder do partido religioso Lar Judeu e que lidera as reivindicações pela colonização e anexação.


No sábado, ele pediu abertamente ao primeiro-ministro que aproveite uma "oportunidade histórica" para informar Trump que já não apoia a criação de um Estado palestino que coexista com Israel, solução de dois Estados que é defendida pela comunidade internacional.


Irã e Hezbollah
Netanyahu respondeu durante uma reunião de seu gabiente no domingo que pretendia afirmar a Trump seu apoio a uma solução de dois Estados, denunciando a má vontade palestina, informou a imprensa israelense.


"Netanyahu deve apresentar a solução de dois Estados como uma visão e esboço, à espera de possíveis acordos provisórios aceitáveis %u200B%u200Bcom os palestinos", acrescentou Michael Oren.


Quanto à transferência da embaixada americana em Jerusalém, Mark Heller e a maioria dos comentaristas acreditam que este tema é "marginal, na medida em que tal promessa é improvável de ser mantida".


Netanyahu pretende se concentrar no Irã, considerado inimigo número um de Israel. Ele foi um dos mais ferozes críticos do acordo celebrado em 2015 entre Teerã e as grandes potências sobre o programa nuclear iraniano, chamando-o de "erro histórico".


No mesmo sentido, Trump proclamou, durante sua campanha eleitoral, que o acordo era "o mais estúpido" que já conheceu.


"Mas a questão nuclear está longe de ser a única razão para preocupação com o Irã: Netanyahu explicou ao presidente americano que os Estados Unidos devem agir para evitar uma presença militar permanente do Irã na Síria, perto da fronteira israelense, que possa constituir uma ameaça estratégica", ressalta o funcionário.


O ministro dos Transportes de Israel Katz também considerou que o Irã é o "assunto central" porque "ao se estabelecer de forma durável na Síria com o apoio do Hezbollah, o Irã vai formar um eixo territorial ligando seu território ao Líbano, passando pelo Iraque e pela Síria, o que não colocaria em risco a situação de Israel".


"Assegurar , antes de tudo, a segurança política de Israel será o elemento central" de seu encontro com Trump, afirmou Netanyahu no domingo.




Recomendados para você

Cleo Pires revela fantasias sexuais e admite uso de drogas: 'Seria hipócrita negar'


Sandy solta palavrões em Tá no Ar e diverte espectadores


Morre ator de Todo Mundo Odeia o Chris


Edir Macedo muda o nome da Rede Record


Morre ator Duda Ribeiro, aos 54 anos

Recomendado por

TAGS: reuniao trump eua israel






Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.



ABASTECIMENTO
Água da Transposição já chega a Cústódia, em Pernambuco
PORTO DE GALINHAS
Boxes de comerciantes serão reconstruídos
PARALISAÇÃO
Servidores do Detran entram em greve
GOVERNADOR
Mudança no secretariado
ADMINISTRAÇÃO
Richthofen é aprovada no Fies
BOA VIAGEM
DHPP vai investigar morte de jovem