sábado, 25 de fevereiro de 2017

Avigdor Lieberman: "essa é uma nova prova da deformação moral que reina no Conselho de Direitos Humanos. É mais um conselho de ódio a Israel do que de direitos humanos"


menu
Assinesearch

Israel ironiza condenação da ONU sobre condenação de soldado
Porta-voz da ONU afirmou que a pena ao soldado é "inaceitável" e faz parte da "longa cultura da impunidade" que reina em Israel
Por EFE
access_time24 fev 2017, 12h43 - Atualizado em 24 fev 2017, 12h53chat_bubble_outlinemore_horiz

Avigdor Lieberman: "essa é uma nova prova da deformação moral que reina no Conselho de Direitos Humanos. É mais um conselho de ódio a Israel do que de direitos humanos" (Ronen Zvulun/Reuters)

Jerusalém – Israel ironizou a condenação feita pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos em relação à sentença de 18 meses de prisão para um soldado que matou um palestino que estava caído no chão e rendido no ano passado.


“Essa é uma nova prova da deformação moral que reina no Conselho de Direitos Humanos. É mais um conselho de ódio a Israel do que de direitos humanos”, disse o ministro da Defesa, Avigdor Lieberman.

Lieberman reagiu às declarações de Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, que afirmou que a pena ao soldado é “inaceitável” e faz parte da “longa cultura da impunidade” que reina em Israel.

“Que tenha havido o julgamento e uma sentença é muito mais do que tínhamos visto até o momento, mas o fato dele ter sido condenado a apenas 18 meses após ter cometido uma violação dos direitos humanos de tais características é inaceitável”, disse a porta-voz.


As declarações provocaram uma onda de críticas em Israel. O caso já tinha dividido o país. Nacionalistas consideravam que o soldado Elor Azarie tinha agido corretamente contra um “terrorista palestino”, enquanto os progressistas exigiam que os direitos humanos fossem respeitados em qualquer caso e circunstância.

O debate provocou inclusive enfrentamento entre os ministros mais direitistas do governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e altos comandantes do Exército, que pediram que os valores morais da instituição fossem preservadores durante o julgamento.

Liberman disse que a ONU tem Israel na mira e questionou o fato de o órgão internacional considerar uma bala disparada contra um terrorista como mais importante que as milhões de balas que matam inocentes na Síria, Iraque e Iêmen.

O ministro de Transporte de Israel, Yisrael Katz, citou os “massacres e torturas” nos países do norte da África e do Oriente Médio para criticar o Alto Comissariado pela falta de condenações.

Já o ministro da Educação, Naftali Bennett, ridicularizou a condenação pelo Twitter. “Realmente, não poderíamos viver sem o comentário deles sobre o tema”.NOTÍCIAS SOBREISRAELONUPALESTINAPRISÕESchat_bubble_outlinemore_horiz

Comentários
Deixe uma resposta


Para comentar você precisará entrar com seu usuário e senha do Abril Accounts ou fazer login através do Facebook ou do Google+






NewsletterConteúdo exclusivo para você
person
mail
Quero Receber

EXAME
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 47,77Assine
VEJA
+ Brinde Mochila Por Apenas: 8 x R$ 81,90Assine
SUPER
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 18,66Assine
VIAGEM E TURISMO
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 17,33Assine
MUNDO ESTRANHO
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 16,33Assine
CLAUDIA
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 16,00Assine
Copyright © Abril Mídia S A. Todos os direitos reservados.
Powered by WordPress.com VIP