domingo, 5 de fevereiro de 2017

"Com um clique em um botão, você pode colocar nações de joelho. Todo sistema pode ser hackeado". Esse é um dos alertas sobre cybersegurança que o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, fez durante a Cybertech 2017, feira que reuniu especialistas sobre o tema nesta semana em Tel Aviv.




Ver Menu
Ver Navegação

1ª página
últimas notícias
opinião
painel do leitor
colunas e blogs
ombudsman
poder
mundo
mercado
cotidiano
ciência
esporte
ilustrada
f5
ilustríssima
tec
equilíbrio e saúde
comida
turismo
folhinha
tv folha
guia
sãopaulo
o melhor de sãopaulo rest & bares
serafina
sobre tudo
piauí
empreendedor social
fotografia
horóscopo
praias
aeroportos
índice do impressoBUSCAR NO SITES DA FOLHA



mercado

Israel transforma deserto em nova fronteira contra ataques hacker

Compartilhar via Facebook
Compartilhar via Whatsapp
Compartilhar via Twitter
Compartilhar via GooglePlus
Compartilhar via Email
Compartilhar Linkedin


AMON BORGES
ENVIADO ESPECIAL A TEL AVIV (ISRAEL)
05/02/2017 02h00
Baz Ratner/Reuters

O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, em conferência sobre segurança cibernética


"Com um clique em um botão, você pode colocar nações de joelho. Todo sistema pode ser hackeado". Esse é um dos alertas sobre cybersegurança que o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, fez durante a Cybertech 2017, feira que reuniu especialistas sobre o tema nesta semana em Tel Aviv.

Para Netanyahu, a guerra mudou dramaticamente e, por isso, o governo do país fornece incentivos (como descontos em impostos) para que grandes empresas invistam no segmento e start-ups e jovens talentos se desenvolvam.

As declarações se destacam pouco antes do encontro com o novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em que discutirão o tema. "É possível parcerias entre governos para a cybersegurança", afirma o primeiro-ministro.


Atualmente, Israel conta com cerca 500 start-ups de cyber —ao todo são cerca de 6.000, segundo o governo— e centros reconhecidos como o de Beer Sheeva, localizado no deserto de Negev, mais ao sul do país, a cerca de 100 km da capital. "Lá havia apenas camelos e palmeiras", brinca o presidente-executivo do parque tecnológico, Roni Zehavi.

Jovens talentos ocupam os laboratórios do Cyber Spark, com centros de empresas como IBM, Cisco, ECM e Oracle, para pensar e desenvolver soluções tecnológicas para combater ameaças on-line.

Amon Borges/Folhapress



Cybertech 2017, em Israel: evento reúne especialistas para debater e apresentar soluções de cybersegurança; na imagem, Eviatar Matania, o diretor-geral do Israel National Cyber Directorate

O ecossistema, segundo as autoridades do país, é ideal: reúne multinacionais, start-ups, universidade e forças do Exército.

"Cybertecnologia é a medicina dos tempos modernos. O 'malware' é como se fosse um vírus ou uma bactéria", compara Zehavi.

O crescente cenário de novas empresas gerou investimentos de US$ 4,8 bilhões em 2016 —contra US$ 4,4 bilhões em 2015, de acordo com a Israel Innovation Authority, órgão ligado ao Ministério dá Economia.

RH MILITAR

O serviço militar obrigatório —para homens e mulheres— em Israel já serve como um processo para desenvolver engenheiros, matemáticos e especialistas em TI para que possam se tornar especialistas em segurança.

"Preparamos nossos jovens no Exército. A cultura nacional já é pensar fora da caixa", diz Netanyahu.

"Somos guerreiros por natureza. Agora temos de sentar atrás de computadores para sermos bons engenheiros e matemáticos", diz um general das Forças Armadas.

TENDÊNCIAS E SEGURANÇA

A invasão ao sistema de um hotel na Áustria, há duas semanas, trouxe à tona novamente a questão da cybersegurança.

Hackers penetraram na rede do hotel e fizeram com que hóspedes não pudessem entrar nem sair de seus quartos com as chaves magnéticas. Para liberar as operações, os invasores pediram cerca de US$ 1.800.

O episódio foi ressaltado por diversos especialistas, que destacam como grandes desafios para os próximos anos a Internet das Coisas (IOT, na sigla em inglês), armazenamento na nuvem (cloud), mobilidade e automação crescente (por exemplo, de veículos e indústria).

De acordo com o presidente-executivo da Check Point, Gil Shwed, entre as principais explicações de donos de empresas para não adotar métodos mais eficientes de segurança estão: "é complicado demais", "não tenho pessoas treinadas" e "não imaginava que aconteceria comigo".

Segundo ele, a maioria das pessoas também não se preocupam com a segurança em seu celular e isso se reflete nas companhias. "Cerca de 20% dos ataques a sistemas de empresas ocorre por meio desses aparelhos", afirma.

Para o presidente da Cisco, Chuck Robbins, é preciso manter uma arquitetura para que todas as empresas consigam ter acesso.

Estimativas da Cisco indicam que o mercado de cybersegurança movimentará US$ 100 bilhões em 2019 e 500 bilhões de aparelhos estarão conectados nos próximos 10 anos.

O jornalista viajou a convite do Ministério das Relações Exteriores de Israel
comentáriosVer todos os comentários (5)
Termos e condições

Caro leitor,

para comentar, é preciso ser assinante da Folha. Caso já seja um, por favor entre em sua conta cadastrada. Se já é assinante mas não possui senha de acesso, cadastre-se.Faça seu loginCadastre-seAssine
Donn-Thell Frewyd Sawntzg (12h08) há 1 hora
Avaliar como positivo 0Avaliar como negativo 0 Denunciar


Educação é levada obcecadamente a sério em Israel, o que resulta num oceano de gente altamente capacitada, que nem sempre encontrou colocação no mercado convencional de trabalho, altamente disputado. Assim é que essas pessoas começaram a abrir micro empresas, conhecidas como start-ups. Atualmente, Tel Aviv é a quinta cidade do mundo com mais startups, sendo superada por Boston Los Angeles, Nova York e Vale do Silicio.

O comentário não representa a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem Responder
temas relacionados
israel

recomendado

Sírio demite médica que divulgou dados de Marisa Letícia no WhatsApp


Atriz paulista de 26 anos participou de 'La La Land'; conheça


PatrocinadoAcabe com o trauma, calvície tem tratamento(HairCaps - Conversa de Homem)


PatrocinadoDescoberta fórmula que acelera o crescimento capilar feminino(BeautyCaps - Bbrands TV)




Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br
PUBLICIDADE

Folha de S.Paulo 2017