quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

CUIDADO ISRAEL!: OS ISRAELENSES QUE SE SACRIFICAM NAS DITAS COLÔNIAS NÃO SÃO BRINQUEDOS. NÃO É PORQUE FORAM ANUNCIADAS MAIS DE 6.000 CASAS QUE CASOS MENORES POSSAM SER TRATADOS DE FORMA LEVIANA. DE FATO, TENTAR RETIRADAS ATUALMENTE É ERRADO E INADEQUADO.


menu
Assinesearch

Supremo de Israel revoga plano para mudança em colônia
O recurso da ONG argumentava que os locais para onde seriam transferidos os colonos também eram de propriedade privada palestina
Por EFE
access_time1 fev 2017, 17h24chat_bubble_outlinemore_horiz

Israel: os magistrados também desqualificaram o argumento governamental de que se tratava de uma solução temporária (Getty Images)

Jerusalém – A Suprema Corte de Israel derrubou nesta quarta-feira o plano de mudança aprovado pelo governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para parte das famílias que estão sendo deslocadas da colônia de Amona, no território ocupado palestino da Cisjordânia, informou a imprensa local.


“Após escutar os argumentos das partes e revisar os documentos, resolvemos por maioria aceitar o recurso”, disseram os magistrados ao decidirem a favor de um recurso apresentado pela ONG Yesh Din contra a realocação dos colonos em terras divisórias a Amona, como pretendia o governo.

O recurso da ONG, em representação de um palestino da aldeia vizinha de Silwad, argumentava que os locais para onde seriam transferidos os colonos também eram de propriedade privada palestina, por isso era improcedente de acordo com a legislação israelense.

A Suprema Corte ditou a evacuação da colônia de Amona, que começou a ser executada nesta quarta-feira após vários atrasos, precisamente por ter sido levantada em propriedade privada palestina e os juízes consideraram que não havia distinção entre um e outro caso.


Os magistrados também desqualificaram o argumento governamental de que se tratava de uma solução temporária, ao dizer que “o temporário depois se alonga e não se sabe se chegará a ser permanente”, informou o jornal “Yedioth Ahronoth”.

A ideia de transferir as pessoas de forma temporária a uma parte divisória tinha sido concebida pelo governo no final do ano passado como compromisso para que os colonos abandonassem suas casas voluntariamente, embora o assessor jurídico do Executivo, Avijai Mandleblit, já tenha dito que era supostamente ilegal e não poderia defender o caso perante o Supremo.

A insistência do ministro da Educação e defensor da colonização judaica da Cisjordânia, Naftali Bennett, de seguir em frente acabou em um recurso de Yesh Din para que o Supremo anulasse o plano e nesta quarta-feira os juízes encerraram o caso por maioria de dois contra um.

A decisão é interpretada como uma alfinetada do Poder Judiciário no governo israelense, enfrentados pelo caso de Amona e por um projeto de lei apresentado pela ala mais nacionalista do Executivo para regularizar retroativamente 50 colônias nas mesmas condições.

A evacuação da colônia começou na manhã, com a entrada de centenas de policiais, e no fim da tarde já tinham sido evacuadas 22 das 42 famílias que residem no local, segundo um porta-voz da polícia.NOTÍCIAS SOBRECISJORDÂNIAISRAELJERUSALÉMchat_bubble_outlinemore_horiz

Pela Web




Para Você


Comentários
Deixe uma resposta


Para comentar você precisará entrar com seu usuário e senha do Abril Accounts ou fazer login através do Facebook ou do Google+






NewsletterConteúdo exclusivo para você
person
mail
Quero Receber

EXAME
1 Ano + 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 39,00Assine
VEJA
+ Brinde Vivara + 6 Meses GrátisAssine
SUPER
1 Ano + 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 18,66Assine
VIAGEM E TURISMO
1 Ano + 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 17,33Assine
MUNDO ESTRANHO
1 Ano + 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 16,33Assine
CLAUDIA
+ Brinde Vivara + 12 Meses GrátisAssine
Copyright © Abril Mídia S A. Todos os direitos reservados.
Powered by WordPress.com VIP